Sobre cartazes, um vereador xenófilo e seus desvarios
Outubro 8, 2008, 5:54 pm
Filed under: Em foco

Recentemente um partido português, o PNR, colocou um cartaz numa movimentada rotunda da cidade de Lisboa. Inicialmente denunciado pelos pasquins politiquement engagés como tratando-se de uma cópia de um cartaz de um partido oriundo da Suíça, com o nítido intuito de descredibilizar a originalidade do aparelho de marketing do referido partido português. Além de inúmeros partidos europeus já terem cartazes semelhantes, estranhamente, ou talvez não, estes mesmos pasquins nada comentaram quando o partido socialista decidiu há uns anos maquilhar a imagem, trocando o punho cerrado pela rosa empregue pelos seus congéneres socialistas europeus. 

Outros, por seu turno, julgando-se oniricamente detentores em exclusividade do nacionalismo, depressa vieram à liça condenar o tema central do dito cartaz, lançando invectivas ao PNR por este insistir na questão da imigração, o que para estas pessoas “não é de todo o nosso principal problema”, porque, dizem eles, “mesmo que os imigrantes abandonassem Portugal continuaríamos a ter problemas económicos e sociais”, olvidando por completo que se porventura a nossa população for “engolida” pelo processo massivo de mestiçagem em curso, os problemas económicos e sociais interessariam tanto como interessa neste momento um processo de desratização no Nepal.

No que concerne à retirada do cartaz por ordem do vereador do Bloco de Esquerda, José Sá Fernandes, se a atitude execrável do dito fulano não é em absoluto de espantar, não deixa de ser totalmente vergonhoso e aviltante o silêncio ovino da classe política e da sua obediente trupe jornalística. Talvez isso se deva ao facto desta maralha preferir uma imagem distinta à do cartaz em causa, uma imagem possivelmente mais aproximada à que abaixo apresento. Enfim, típico de xenófilos e demais gente que não presta.

Face a isto uma só resposta:

Pela liberdade de opinião e de expressão
Contra o extremismo de todas as matizes
Pelo respeito e pelo direito à diferença
Contra toso os racismo, mesmo o anti-branco
Por uma comunidade unida em torno da mesma cultura
Contra o individualismo da sociedade moderna
Por um mundo que reconhece a diversidade da humanidade
Contra a Globalização


12 comentários so far
Deixe um comentário

Bien dicho.

Nada tiene de extraño que una serie de corrientes en toda Europa que están en contra de la invasión y luchan para que dentro de cincuenta años la palabra Europa sea algo más que un mero concepto geográfico compartan ideas, carteles y todo lo que haga falta. ¿Dónde está el problema?

Otra cosa es que los xenófilos, estos hijos del resentimiento que admiran a todas las etnias menos a la suya propia, estos que se jactan de su existencia miserable de goyim obedientes, quieran desacreditar a toda costa a aquel que lucha por Europa.

Ladran, luego cabalgamos.

Un saludo.

Comentar por León Riente

olvidando por completo que se porventura a nossa população for “engolida” pelo processo massivo de mestiçagem em curso, os problemas económicos e sociais interessariam tanto como interessa neste momento um processo de desratização no Nepal.

Este é um ponto sobre o qual tenho reflectido e que tem mais importância do que inicialmente esperaria… para alguém como eu que valoriza as medidas ditas socialistas – falo por exemplo de escolaridade gratuita e formas complementares de solidariedade social integradas no próprio sistema – o dito processo tem um efeito infeliz nas posições defendidas… é que quando se começa a ver que essa solidariedade é na prática utilizada para uso dessas mesmas comunidades a vontade de acabar com elas é algo forte.

Visto que as medidas – fomento à natalidade, habitação social, etc – são inevitavelmente empregues na propagação do problema subsiste o sentimento de uso do dinheiro público para o fomento da situação insustentável em termos de colonização forçada, e tal provoca uma alteração do posicionamento… isto porque o fundamento dessa solidariedade foi deturpado e sem essa raíz seja qual for a flor que brote pouco interessa.

A dissolução do sentimento de pertença a uma comunidade etno-cultural acarreta consigo o declínio dos laços que considero naturais e que fundamentam as acções em nome do “bem comum”, pois na prática o “comum” desapareceu. Da mesma forma o Internacionalismo só tem sentido quando existem nações, e a transformação deste termo numa justificação para a dissolução das identidades étnicas nacionais é uma utilização que considero abusiva.

Comentar por Oestreminis

«Face a isto uma só resposta»:

TODOS DIFERENTES!!! TODOS IGUAIS!!!
— Isto é, TODOS os Povos Nativos do Planeta Terra:
-> INCLUSIVE os de ‘baixo rendimento demográfico’ (reprodutivo) !!!
-> INCLUSIVE os economicamente pouco rentáveis !!!
devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no Planeta!!!
{nota: os povos nativos de Boa Vontade (apenas reclamam o Direito de terem o SEU espaço no Planeta) devem possuir o legitimo Direito de se defenderem de Predadores Insaciáveis(…) que estão numa corrida demográfica pelo controlo de novos territórios}

Comentar por pvnamII

Linkado.
Abraço.

Comentar por Spartakus

Bom artigo, parabéns.

Comentar por Caturo

A denuncia da imigração massiva e a defesa das identidades étnicas é o grande tabu do séc.XXI, tudo se pode por em questão menos as políticas imigracionistas e o etnocidio.

Comentar por idci

«tudo se pode por em questão menos as políticas imigracionistas e o etnocidio»

Os bandalhos são bandalhos… mas não são parvos…
A INTOLERÂNCIA para com os legítimos Direitos dos Povos Autóctones é uma fuga para a frente de parasitas:
– que não querem pagar os necessários – e caríssimos – custos de renovação demográfica…
– querem curtir abundância de mão-de-obra servil…
– etc

NOTEM BEM:Não sejam uns otários/suicidas! Abram os olhos:
NÃO HÁ CONCORRÊNCIA POSSÍVEL com Bandalhos… que pretendem andar no planeta a realizar Negociatas de Lucro Fácil…

Comentar por pvnamII

O Sá Fernandes deu um salto da cadeira quando viu o cartaz porque este era claramente anti PSR. É que, se bem se lembram, o PSR era o partido da ovelha negra…

Bom artigo de opinião, e concordo com o Oestreminis.

Comentar por Pippo

Caro Oestreminis, não podia ser mais oportuna a observação. Com efeito, numa sociedade onde impera a preferência pela outro, em que o individualismo reina e descaracteriza em absoluto o sentido do bem comum, a dinâmica da solidariedade nacional carece de sentido por não incidir realmente junto daqueles que importam.

Agradeço esta pertinente contribuição e gostei de ver que já possui um espaço próprio na net, necessitando apenas de conteúdo para o animar.

Por outra parte, e como já deverá ter reparado, o nº2 da revista «Identitário» está na rua, sendo que o meu convite para que escreva para a revista se mantém.

Saudações Identitárias.

Comentar por arqueofuturista

Merci de parler de notre blog de Normandie au Portugal.

Comentar por Thibault

Já há muito tempo que me lembro de ver no site do pnr um espaço com essas ovelhas, e quase que aposto que muitos bloquistas espumados de raiva que certamente deviam andar sempre de olho no site para ver o que os nacionalistas estavam a fazer, também devem ter visto, por isso não deve ter sido pela surpresa que vieram falar disso. Penso que deve ser ter sido mais para mostrarem a sua cultura internacional, sempre dão um ar de pintas ao mostrarem que não estão completamente alienados do que se passa lá fora.

Comentar por Silvério




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: