Algumas considerações sobre o tema do Paganismo Europeu em geral
Agosto 15, 2008, 4:40 pm
Filed under: Raízes

Recupero um artigo publicado no extinto blog «Plataforma Identitária» e que se afigura interessante, permitindo dar continuidade ao polémico debate mantido neste blog, nomeadamente em Setembro de 2007, o qual não ficou, para todos os efeitos, encerrado.
———————-

Nos dias que correm, e no nosso meio, muito diverso, encontramos desde católicos integristas, católicos não-praticantes, católicos-porque-ser-portugues-é-ser-católico, cristãos protestantes, ateus, agnósticos, pagãos.

Neste artigo pretendo desenvolver um pouco a temática complicada do paganismo.

A definição corrente de paganismo é todo o culto, religião, ou crença que não seja uma das seguintes religiões, por sinal as mais importantes e praticadas no mundo de hoje: Cristianismo, Judaismo, Islamismo. Logo é mais fácil dizer que o paganismo é o que não é Cristianismo, Judaismo ou Islamismo, todas religiões monoteístas, religiões de uma só divindade. Só vou falar do paganismo europeu. Diz-se das religiões pré-cristãs da Europa muitas coisas. A maior parte erradas. Diz-se que eram religiões de muitos deuses, havia o deus do rio, o deus da árvore, o deus do céu (onde está “deus” também podia estar “deusa”). Isto é, em parte, verdade. As religiões pré-cristãs eram religiões panteístas, ou seja, religiões em que se acreditava que Deus, ou deuses, eram parte da substância da Terra, ou seja, DEUS é a terra, não a criou. A religião pré-cristã praticada no nosso território era, sem dúvida, panteísta. Panteísta e politeísta, sendo o “politeísta” discutível, pois em todas as religiões politeístas, haviam sempre um deus-pai, ou deusa-mãe, o que não elimina a existência de vários deuses e divindades, que não eram “apenas” equivalentes de bispos como já ouvi dizer. O que interessa aqui tentar explicar é a mentalidade desses povos.

1) Eram povos que viviam em profunda comunhão com a Natureza. Logo ao entenderem que haviam coisas que estavam para além do limite físico e espiritual dos homens, este deram a essas forças, que entenderam ser divinas, um símbolo, um nome, uma personalidade. Mais nada. Isto podia ser um trovão, uma tempestade, um monte ( basta ver a quantidade de monsantos que há), a morte, a vida.

2) Deus, ou deuses, não criam o homem, antes o contrário, ou melhor, ambos vivem como um todo. Os povos pré-cristãos não tinham uma visão linear da vida na terra, nem da vida da terra. Tudo era um ciclo permantente, em mudança, mas em que havia sempre um paralelo com tempos passados. Daí a existência dos mitos, que eram histórias que não aconteceram mas que eram sempre verdade. Exemplo disso é o uso da espiral, sozinha, ou muito frequentemente triplicada. Ver o exemplo do triskell ou trísceles.

3) O pleno oposto desta visão é a visão bíblica da vida. O homem nasce, se se portar bem (10 mandamentos), vai para o céu, ou inferno. Isto está sujeito a muita discussão, sendo uma versão mais light a de que quando morrermos todos vamos para o céu onde vivemos para sempre com Deus, e a mais pesada sendo que a qualquer momento vamos todos ao Dia do Julgamento, dia em que serão julgados os vivos e os mortos. Depois desse dia, todos viveremos bem, ou mal, dependendo do julgamento. Nem quero pensar nas filas nesse dia. Outra versão desta visão é a que Deus criou tudo e todos e nos controla lá de cima. Isto reduz-nos a meros fantoches. Deus não tira nem dá vida, só fez isso uma vez, logo no início. Resumidamente, uma grande confusão. Basta ver o caso do Inferno… Existe? Não existe? Deus não gosta de todos? Deus não perdoa?

Uma razão da crítica da mentalidade judaico-cristã é a não-sacralização da Natureza. Na mentalidade pré-cristã Europeia, Deus ou deuses eram a Natureza, ou faziam parte da mesma substância. Sabiam que faziam parte de um sistema maior, eram apenas uma parte de um todo. Se tratassem bem da Terra, ela trataria bem deles, logos os Deuses tratariam bem deles.

Na mentalidade cristã, Deus criou o céu e a terra. O homem e os animais. Logo, tudo é reduzido a “deus criou”. Tudo o que é fora do alcance do homem é “Deus”. A diferença é que na mentalidade pré-cristã Deus ou Deuses eram a própria Natureza, estavam contidos nela, eram a mesma substância. Na mentalidade cristã Deus apenas criou a Natureza. Aí reside a diferença. No criar e ser. Sim, claro que me podem dizer que “se deus criou a natureza, logo a natureza tem algo de divino nela”.
Sim, pode ser, mas ter e ser é diferente….


4 comentários so far
Deixe um comentário

As religiões pré-cristãs eram religiões panteístas, ou seja, religiões em que se acreditava que Deus, ou deuses, eram parte da substância da Terra, ou seja, DEUS é a terra, não a criou. A religião pré-cristã praticada no nosso território era, sem dúvida, panteísta.

Até certo ponto, sim, mas atenção que a visão pagã da realidade não nega a transcendência, ou a existência do Divino num nível além da Natureza.
Nas religiões antigas (indo-europeias conhecidas, pelo menos) as Divindades estão aqui, mas também além, ao mesmo tempo.

Comentar por Caturo

Creio que nossa sociedade se perdeu pelo caminho ao deixar de lado conceitos pagão como viver em comunhão com a natureza. Acredito que se o mundo fosse druida por exemplo, hoje não teríamos aquecimento global. O cristianismo tem conceitos belíssimos, porém deturpados pelos seus líderes. Jesus nunca pregou a morte que até hoje se executa em seu nome. Mesmo quando fui cristão, sempre claro em mim conceitos pagãos que me foram passados por meus pais. O orgulho e a ignorancia são chagas da humanidade, mas se cada um de nós olharmos ao nosso redor veremos que a natureza é a escencia divina de uma grande mãe ou de um grande pai, nos ensinando a viver em paz conosco e o universo.

Comentar por João

Gostei, mas é bom depurar melhor considerações acerca do legado judaico-cristão. Percebo que alguns tem feito uma leitura equivocada do teísmo cristão. O cristianismo em essência reconhece a sacralidade da vida, seja ela qual for, sem com isso venerar elementos da natureza… O paganismo tem credito ao amar a natureza e protege-la mas erra tristemente ao conferir aos elementos status de divindade… Isto é o retorno ao paradigma do mito, ou seja, da ignorância própria do homem em sua infância.
Seguir a Jesus é o mais fascinante projeto de vida!

http://www.luizvcc.wordpress.com

Comentar por luiz leite

Não, o mito não é ignorância, é verdade simbólica. E o Paganismo não confere estatuto de divindade a coisa nenhuma, simplesmente reconhece na Natureza, aqui e ali, a presença do Divino – e não há nada mais fascinante do que a constelação de luminosas Divindades da verdadeira Europa, a Europa pagã.

Comentar por Caturo




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: