Um tributo a Yukio Mishima
Maio 9, 2008, 11:00 pm
Filed under: Em foco

Três vídeos para recordar e homenagear a vida de um homem notável e cujo sacrifício deve permanecer como uma inspiração geradora de fortitude numa época em que reina a tibieza e a passividade.


28 comentários so far
Deixe um comentário

Por mais que procure não consigo descortinar qual foi o contributo positivo que este tipo deu à sociedade japonesa e, com as minhas desculpas aos admiradores desta personagem, desde quando é que um tipo que, perante as adversidades, comete suicidio ritual pode ser inspiração para alguém?

Comentar por Ninguém

Presente!

Comentar por Legionário

Esse Mijinha não era rabeta

Comentar por Olho vivo

Caro Ninguém, é natural que não consigas descortinar que contributo este homem deu à sociedade, porque com efeito à sociedade actual, podre, decadente, amorfa e sem rosto, este homem para nada contribuiu, visto ele ter almejado por uma sociedade, ou melhor, uma comunidade, onde o sentido da honra, o respeito pela palavra dada, a comunhão com a ordem natural, fossem os valores cardinais.

É imperioso entrar nos meandros da mentalidade nipónica tradicional, a qual tem imensas semelhanças com a mentalidade tradiconal europeia, para compreender Mishima e o ritual pelo qual optou terminar a sua vida terrena. Ler Mishima talvez ajude a perceber o que aqui escrevo, ainda que considere o seu sacrifício como o augusto corolário que o introduzio na imortalidade.

Já quanto ao comentário estúpido e retardado do Olho Vivo, enfim, só consigo pensar que quem assim escreve realmente apenas tem um olho, o de trás e a latejar com certeza.

Comentar por arqueofuturista

web tributo a Yukio Mishima:
http://www.geocities.com/mishima2008

Comentar por eltexu

Pois, há gostos para tudo.

Comentar por Ninguém

Eltexu, muchas gracias por el link, una pagina soberba en su grafismo e con articulos buenissimos.

Amigo Ninguém, não se trata de gostos, mas de reverência por gestos que transcendem a mera existência, a mediocridade reinante, em suma, Mishima representa um grito de revolta contra a decadência.

Por fim, para o otário do Olho Vivo-que-não-vê-mais-mensagens-dele-aqui-publicadas, companheiro, és só isso mesmo, um podre, um dejecto sob forma humana, por isso, pôe-te na alheta que daqui não levas nada.

Comentar por arqueofuturista

Belíssimo. Mas sem tempo mesmo, eu.
Abraço.

Comentar por PR

Há coisas que não percebo. Considero Mishima um herói do nosso tempo. Porém, tal como outros heróis, Rohm, Alexandre Magno, Aquiles, Adriano etc, ele era homosexual. Dizem até que Goering tinha umas tendências. Ora o vosso tipo de ideologia persegue os homosexuais, ao mesmo tempo que enaltece este tipo de figuras. As vossas bocas da decadência e do olho a latejar não se coadunam muito com esses enaltecimentos. Afinal como é que fazem ? Fingem que não sabem ?

Comentar por molochbaal

Molochbaal (que pseudo tão, digamos, médio-oriental), o que tu queres sei eu, mas daqui vais direitinho chupar no dedo, porque estou absolutamente a lixar-me para os teus exemplos, os quais não pretendem senão enaltecer a homossexualidade, como um elemento primordial no paple que essas figuras desempenharam na história. Tu sim, discriminas, tu sim, procuras condicionar os demais através da sexualidade. A tua atitude visa obrigar, impôr à totalidade um modo de vida, por sinal contranatura (sim, porque a natureza não se auto-condena à extinção!). Opção ou doença (os homossexuais ainda andam divididos nisso, assim como entre ser bicha e ser homossexual), para mim isso pouco me interessa, é um comportamento que atenta contra o curso da natureza, mas que não me faz perder o sono, sempre e desde que seja algo da esfera privada. Infelizmente o lóbi homossexual quer impôr na esfera pública as suas taras e isso não só não é aceitável como é deplorável.

Comentar por arqueofuturista

arqueofuturista

O meu nick, podias compreendê-lo melhor se lesses Gobineau ou se soubesses que as línguas ariana e semita têm uma origem comum.

Também gostava de te apresentar algumas fotos de libaneses onde teria todo o prazer que me indicasses as diferenças raciais que existem entre eles e os portugueses, que, a um olho menos atento são praticamente inexistentes. Depois mostrava-te algumas fotos de asquenazis (significa alemães) altos louros, de olhos azuis e gostava que as comparasses com o portuguesinho morenão médio , onde teria a hilariante satisfação de de te ver garantir que os louros de olhos azuis não são brancos e que o baixote morenão – porque foi baptizado na igreja – esse sim é um representante das raças nórdicas e celtas.

A nível cultural também era giro, visto que gostava que dissesses, olhos nos olhos, sem te rir, que o idich (90% de vocabulário e estrutura gramatical alemã) é uma língua extra europeia.

É que estou a recolher material para um livro de anedotas.

Entretanto, se a homosexualidade de Mishima e de dezenas de outros heróis guerreiros não te tira o sono, tal não se coaduna com a tua teoria da conspiração onde expressas o teu medo pelo admitir publicamente algo que sempre se fez em privado. Eu prefiro menos hipocrisias e mais sinceridade. Para mim antinatural é o culto da mentira de uma sociedade hipócrita.

Entretanto, escusas de tremer de terror. Não pertenço ao tal lóbbie do qual estás convencidíssimo de que te quer obrigar a usar lingerie cor de rosa. Pessoalmente acho nojento ver dois bigodudos aos beijos. Mas acho que eles simplesmente o que querem é não ter de se esconder e poder andar na rua sem ser insultados. Afinal, acho que Rohm ou Goering eram muito mais homens, em todos os sentidos, do que muitos atrasadinhos mentais e cobardolas que se sentem superiores a homens dos quais, se tivessem de igualar os feitos guerreiros, se haviam de borrar todos, se não morresem logo nos primeiros segundos de competição.

Comentar por molochbaal

Oh Molochbaal, tu queres armar-te em sabichão, mas acredita que não me impressionas minimamente. Essa do Gobineau é um tiro no pé, pois pese o facto de ter sido um dos pioneiros no estudo das raças (racismo), as suas teses estão datadas e mesmo ultrapassadas. Não queiras confundir os teus mais intímos desejos com a realidade, pois a atestar nos teus comentários que espalhaste pelo blog, padeces de algumas obcessões doentias e uma deles é com libanesesas, vá-se lá saber porquê, e como todas as obcessões também a tua resulta ser excessiva e incomoda os demais, mas sobre isso não quero perder tempo, em alternativa aconselho-te, isso sim, a adquirires de imediato um bilhete de avião directamente para Beirute e por certo irás sentir-te na tua piscina.

De resto, quanto ao homossexualismo, se fosses um tipo intelectualmente honesto não terias vindo para aqui mandar barro à parede, porque em caso algum viste-me a mim, ou a outra pessoa que neste espaço tenha escrito, a lançar diatribes anti-homossexuais primárias. Eu considero a homossexualidade anti-natural e depois? Tenho de caprinamente alinhar pelo discurso da moda e dizer que os gays são seres humanos fabulosos e super divertidos e que cada um sabe da sua sexualidade e que devem inclusive ter o direito de adoptar criancinhas? Oh companheiro, deixa-te disso, não me venhas com esse teu discurso liberalóide de que eles querem é ser respeitados e andar na rua sem serem insultados, porque a mim não me convences em nada, já que não passa de falsa argumentação, e sim, admito que me enoja o carnaval gay, que me revolta ver a nossa sociedade desvirilizada, que me repugna ver figurões armados em mulheres, e toda a decadência asquerosa em que caiu a nossa comunidade.

Comentar por arqueofuturista

“porque em caso algum viste-me a mim, ou a outra pessoa que neste espaço tenha escrito, a lançar diatribes anti-homossexuais primárias. ”

Não, claro que não. Apenas lhes chamas tarados anti-naturais e deacdentes asquerosos que pertencem a uma conspiração mundial que pretende obrigar toda a gente às suas práticas ameaçando toda a comunidade.

Claro que isso não é é uma diatribe primária. Claro que não ! Óh arqueofuturista alguma vez eu diria uma coisa dessas de pessoa tão tolerante como tu ?

Até demonstras um enorme respeito pelas pessoas em causa. Enorme. E não demonstras nenhuma homofobia primária na tua teoria da conspiração que pretende existir um lóbbie para exterminar os heteros ! Não, nunca ! Apenas falta descobrir os protocolos dos sábios da paneleiragem, kiçá serão os perigosíssimos village people ? Que provarão de uma vez para sempre a existência da conspiração mundial gay para tomar o poder e escravizar a humanidade.

Em tudo isso tu demonstras ser uma pessoa muito tolerante, equilibrada e mesmo nadinha paranóico com a mania da perseguição.

Apenas queria que fosses um bocado coerente e explicasses como é que admiras Mishima, um tarado anti-natural e decadente asqueroso que pretendia obrigar toda a gente às suas práticas ameaçando a comunidade. Ah, outra coisa, Mishima, que, aliás, assumia a sua homosexualidade, como praticante do teatro tradicional Kabuko, também era ocasionalmente um “figurão armado em mulher” – interpretava papéis femininos em público.

Agradecia que me explicasses, devagarinho, porque visto daqui o teu pensamento parece mesmo um chorrilho de incoerências, preconceitos primários de cristão recalcado, partidarismo desenfreado, arbitrariedades inconsequentes e contradições tendenciosas.

Comentar por molochbaal

PS

Peço desculpa pela minha chocante exibição de fotos de libanesas.

Não sabia que também tinhas fobia de mulheres orientais.

Já são tantas que tens de fazer uma lista das tuas fobias, não vá eu chocar-te outra vez inadvertidamente.

Ou será – porque as fotos são provas evidentes de que elas pertencem à nossa raça (mediterrânica) – fobia de ser exposto como um vulgar preconceituoso ?

Comentar por molochbaal

Outra coisa, as teorias de Gobineu, sem duvida ultrapassadas em muita coisa, no ponto específico que eu foquei estão, pelo contrário, a ser confirmadas pelas investigações linguísticas mais recentes.

Cada vez é mais evidente que as línguas ariana, semita e camita descendem de um tronco comum.

E, se não fosses obsecado pelo think small do quintalinho das etnias e reconhecesses a realidade da questão racial, verias que existem similaridades raciais entre os povos desses grupos linguísticos que atestam uma relação forte, quiçá um tronco comum de que depois divergiram pelo grau de mistura com outras raças.

Comentar por molochbaal

Outra coisa, sou menos liberal do que tu.

Simplesmente o meu radicalismo vai outras coisas que não a reprodução de preconceitos clubistas ou encapotados conceitos pseudo-morais judaico cristãos. O meu radicalismo vai, por exemplo para a procura da coerência, onde é muito melhor aplicado.

Comentar por molochbaal

Só para terminar. Pareces colocar toda a tua ênfase do teu suposto respeito pelos homos na condicionante de “esses tarados decadentes” (granda respeito!) manterem a sua opção (ou doença!!!) num âmbito estritamente privado – perfeita hipocrisia social judaico-cristã.

Pois bem, Mishima fez tudo menos isso. A sua obra literária focou constantemente a questão da homosexualidade e chocou e desafiou os preconceitos da sociedade conservadora. Lançou polémica, debate, agitou e publicitou a questão, sendo um percursor do “carnaval gay” que tanto desprezas.

Ser um herói nacionalista já te faz olhar para o lado ? Não tens medo que os seus seguidores da conspiração do lóbbie mundial gay tomem o poder e te obriguem a andar de cuequinhas cor de rosa ?

Posto isto, acrescento que detesto esse tipo de literatura, embora admire Mishima como herói nacionalista. Mas, por uma questão de coerência, se admito isso no grande herói, também tenho de admitir nos outros. Sob pena de me tornar num palhaço incoerente sem um mínimo de dignidade de pensamento que apenas me limito a ser a favor deste ou daquele consoante os interesses políticos, fechando os olhos aqui, ao que denuncio como uma conspiração terrível acolá em relação a exactamente a mesma coisa…

Comentar por molochbaal

Ó Arqueo, então meu caro, vamos lá a ser um bocadinho mais tolerante, não é preciso sair logo à bordoada.
Deixe o homem falar ou o blogue fica transformado numa coisa sensaborona em que todos estão de acordo.

Comentar por Ninguém

Molochbaal, tens algum problema em escrever tudo o que desejas num só postal? É pá, é que assim obrigas-me a ler um a um e as minhas respostas tornam-se mais complicadas pela manifesta ausência de tempo e, confesso, também de pachorra.

Ora vamos lá, eu chamo aquilo que bem entender às bichonas malucas que procuram impôr a sua forma de vida anti-natural à maioria. Se isso te aflige o problema é teu, não leias, fechas os olhinhos e já está. Agora não me venhas é com essa merda de atitude moralista, de tolerante mal-amanhado, porque vais de carrinho comigo. Enquanto a homossexualidade for vivida entre quatro paredes pouco me importa, agora se a mesma adquire um estatuto de excepção (superioridade em relação aos heterossexuais), quando a mesma tende a ser publicamente imposta, isto é, toma de assalto a esfera pública, oh companheiro, isso é ultrapassar todos os limites da racionalidade. Deixa-me advinhar, és contra a discriminação dos homossexuais, no entanto não te vejo a criticar uma vez sequer a existência de restaurantes exclusivos para gays, de hóteis exclusivos para gays, de companhias de viagens exclusivas para gays, porque será????

Quanto à tolerância, uma palavra tão em voga, e concomitantemente prostituida, deixa-me dizer-te que essa, a tolerância é a paixão dos inquisidores e já deixaste perceber plenamente a tua natureza.

És menoss liberal que eu, olha ainda bem para ti, ganhaste um xupa-xupa, ainda que gostaria de saber donde me conheces e onde fizeste essa mesuração para alcançares tal conclusão!

Contudo tenho de admitir, sou mesmo um execrável ditador, um tirano desprezível, tão demoniacamente autoritário que até permito que tu, criaturinha desiquilibrada, venhas ao meu blog insultar-me.

Chamares-me “cristão recalcado” revela muito da atenção que tens na leitura daquilo que escrevo neste blog, oh detentor da verdade.

Deverás perceber algo, o qual pasa pelo facto que aquilo que lês deverá ser devidamente processado, isto é, analisado, avaliado, maturado, julgado, reflectido, e não deverás dar como verdades absolutas tudo aquilo que A ou B escrveu. Liberta-te um pouco dos chavões, desprende-te dos clichés, solta-te das frases feitas, assim como dos teus fantasmas, dos teus recalcamentos, das tuas inseguranças, frustrações e, atrevo-me mesmo a afirmá-lo, assume-te homem, assume a tua sexualidade, sem receios, não sejas tão cinzento e amargo, não declares guerra ao mundo só porque achas que deténs a verdade. Acalma-te, vai beber um copinho de água.

Não tens de pedir desculpa pelas fotos das libanesas, peço é que sejas mais comedido nos teus fetiches semito-orientais. O que queres provar com essas fotos? Meu caro, o teu pancadão é teu, agora não me venhas com processos de intenções acusando-me de padecer de fobias, porque na verdade a minha única fobia é aos palhaços que, dentro da chamada área nacional, disparam em todos os sentidos, em vez de se centrarem no essencial e que, arvorando-se em chico-espertos, acabam por minar tudo o resto á sua volta.

Quanto ao demais, achas mesmo que eu tenho paciência para essa merda de discussão sobre libaneses e as derivações dos grupos linguísticos ou para imbecilidades quasi jesuíticas “da procura da coerência”? Oh rapaz, ganha vida própria, ou encerra-te na torre de marfim donde saíste, porque já o disse e volto a escrever, não tenho a menor pachorra para conversas da treta e que não levam a lugar algum.

E para terminar, não vi um único postal da tua autoria em tom positivo, apenas aqui vieste para dizer mal, para deitar abaixo, para denegrir, para caluniar, e no entanto, ninguém te conhece, nada sabe-se sobre a tua pessoa, sobre a tua militância, ou sobre o que fizeste hoje por aquilo que dizes acreditar.

Comentar por arqueofuturista

Ninguém, não sei se é da idade ou mesmo da escassez de tempo, mas quando acedo ao blog e leio merdas destas sou obrigado a soltar umas bordoadas. Acaso achas que sou a encarnação da Madre Teresa de Calcutá para aturar gente louca?

Se esta gente quer perder tempo com conversas da tanga que o façam, mas não me metam ao barulho, porque eu quero viver no mundo real e não numa realidade virtual.

Comentar por arqueofuturista

“Ora vamos lá, eu chamo aquilo que bem entender às bichonas malucas que procuram impôr a sua forma de vida anti-natural à maioria. Se isso te aflige o problema é teu, não leias, fechas os olhinhos e já está. Agora não me venhas é com essa merda de atitude moralista, de tolerante mal-amanhado, porque vais de carrinho comigo. ”

Estou-me nas tintas para o modo como tratas os homosexuais. Podes chamá-los de bichonas malucas, tarados decadentes, membros de uma conspiração que te quer obrigar a andar de calcinhas cor de rosa, etc etc. Tudo o que tu quiseres. Apenas, se o fizeres, não podes depois dizer que ninguém te viu a lançar diatribes anti-homosexuais primárias. Isto não é defender os homos. É tentar que o teu discurso faça um minimo de sentido.

Isto afecta-me porque me custa ver a defesa da nossa etnia ser entregue a discursos mirabolantes e contraditórios. Tal desacredita a causa.

Isto é, ou és tolerante ou não és tolerante. A conversa arrasta-se porque ainda não percebeste do que estou a falar.

Eu estou a dizer é que não podes tratar os homosexuais como tarados psicóticos e depois fazer a apologia de Mishima, que foi um perfeito exemplo de bicha louca.

Isto é, podes. Mas é um bocado triste não fazeres qualquer tipo de sentido. É triste porque desacredita causa. É triste porque isso significa que a causa não tem qualquer hipotese de chegar a lado nenhum. Daí as fotos de libanesas. Não é um fetiche sexual. É uma tentativa de que faças algum sentido.

Se Michima é um tarado decadente não pode ser um exemplo da luta contra a decadência. Se as libanesas são iguais às portuguesas é porque são da mesma raça etc, etc. Como diria aristóteles, ou é ou não é. Não pode ser e não ser ao mesmo tempo.

Tudo não porque eu te queira obrigar a fazer sexo com o Mishima ou a Shakira, coisas que te parecem aterrorizar (parece que mais com a shakira) mas porque estava na hora de os nacionalistas se deixarem de tretas e começarem a fazer sentido.

Por exemplo, é difícil ver o campo nacionalista fazer a apologia dos preconceitos cristãos tradicionais contra os homos e depois enaltecer Mishima, Goering, Rohm.

É difícil ver fazer a apologia da raça e depois assistir a preconceitos xenóbos contra membros da nossa raça só porque nasceram noutro continente ou têm outra língua ou religião.

É difícil porque nos desacredita. Apresenta-nos como o equivalente hetero à bicha louca – uma cambada de histéricos que não faz qualquer sentido.

Mas já vi que não vale a pena. Não há qualquer evolução e não adianta esperar nada deste canto. Resta-nos assistir ao desaparecimento da nossa raça enquanto os que dizem defendê-la se preocupam com a conspiração mundial dos terríveis Village People e com o estúpido desprezar de metade da nossa raça com base em preconceitos de cultura e religião.

Peço desculpa por te incomodar e agradeço a tua paciência que sei que pus à prova. Também depressa me cansarei disto e desaparecerei daqui. Só estou a tentar actualizar-me de como está a situação.

De resto apreciei o site, considero que tem muitas coisas positivas. Simplesmente enferma da mesma doença que matou o movimento NR.

Quanto ao meu passado não interessa muito. O que interessa são as ideias, visto que não estou a concorrer para nenhum lugar o currículo pouco importa.

Mas posso dizer-te que é possível que arrumasse a um canto muitos dos nacionalistas presentes. Simplesmente afastei-me em grande parte devido ao tipo de ambiente que vejo aqui.

Torre de marfim é coisa em que nunca vivi. Já tive a DCCB a bater-me à porta, já fui interrogado no tribunal constitucional e já estive ensopado no meu próprio sangue que até formava uma poça no chão. Sim sinto-me amargurado por ver que foi tudo em vão. A nossa raça vai desaparecer MESMO. Basta ver os assuntos que vos preocupam.

Comentar por molochbaal

Para não te cansar mais com a minha prosa, vou chamar a atenção para o que tu escreveste. Sobre Mishima.

“homenagear a vida de um homem notável e cujo sacrifício deve permanecer como uma inspiração geradora de fortitude numa época em que reina a tibieza e a passividade. ”

Ao que acrescentaste:

“admito que me enoja o carnaval gay, que me revolta ver a nossa sociedade desvirilizada, que me repugna ver figurões armados em mulheres, e toda a decadência asquerosa em que caiu a nossa comunidade.

sempre e desde que seja algo da esfera privada. Infelizmente o lóbi homossexual quer impôr na esfera pública as suas taras e isso não só não é aceitável como é deplorável.

eu chamo aquilo que bem entender às bichonas malucas que procuram impôr a sua forma de vida anti-natural à maioria.”

Bem, Mishima é o perfeito exemplo da bichona maluca que saiu das quatro paredes e saiu para a esfera publica, fez a apologia da homosexualidade na sua obra literária, sendo um dos percursores do tal carnaval gay.

Apenas tinha esperança que percebesses que, para alguém de fora, a contradição é gritante. E desacreditante.

Não é defesa dos homos nem do rabo da Shakira. É defesa da nossa credibilidade.

O que vai de encontro à questão do teu cristianismo encapotado. Até podes desprezar o cristianismo. Mas os seus valores entraram-te lá dentro da pele. É uma contradição eu sei. É isso que me aflige. Grande parte do anti-semitismo do III Reich tem origem em preconceitos religiosos sob a capa de defesa da raça. O anti-semitismo tem origem nos preconceitos religiosos judaico cristãos.

Os pagãos gregos até papavam rapazinhos, os romanos capavam escravos para fazerem de mulheres. Nero até se casou com um.
Foi a religião judaico-cristã que lançou o estigma sobre a homosexualidade. Depois vêm com grandes fachadas de paganismo…

E um verdadeiro racista veria nos libaneses irmãos da raça mediterrânica.

Infelizmente o folclore instalou-se na nossa causa, as contradições e preconceitos acumulam-se e nada mais faz sentido. Chegou-se a um beco sem saida.

Comentar por molochbaal

«Estou-me nas tintas para o modo como tratas os homosexuais. Podes chamá-los de bichonas malucas, tarados decadentes, membros de uma conspiração que te quer obrigar a andar de calcinhas cor de rosa, etc etc. Tudo o que tu quiseres. Apenas, se o fizeres, não podes depois dizer que ninguém te viu a lançar diatribes anti-homosexuais primárias. Isto não é defender os homos. É tentar que o teu discurso faça um minimo de sentido.»

O meu discurso faz pleno sentido, Tu é que deves definir se apoias a propaganda e promoção do homosexualismo, ou se lhe és adverso. Eu pela minha parte já deixei bem claro que não me importo nada daquilo que se passa na esfera privada, mas oponho-me veementemente à sua transposição para a esfera pública. Pior, não admito que os tarados do orgulho gay, que não representa o universo homossexual, venham para a praça pública vestidos de mulheres, aos beijos e demais merdas com pelos, e exigam os mesmos direitos que os heterossexuais, inclusive a adopção. Mas pelo que leio é isto que tu defendes?

Contradictório és tu, que te opôes à decadência (pelo dás a entender isso) e depois declaraste defensor de um modo de vida e de uma praxis social que nada de positivo traz para a comunidade.

Quanto à tolerância, já escrevi o que tinha aescrever e fui bem explícito, se não entendes relê.

Dizeres que Mishima era uma bicha louca, além de estúpido, é falso. Mishima sempre pugnou pelos valores da comunidade, da via marcial, da virilidade, e o seu sacríficio é disso exemplo perfeito. Queres transformar Mishima num icone gay revela muito do teu papel neste blog…

Como escreves que “não vale a pena”, sou obrigado a dizer que o debate com a tua pessoa está encerrado, mas deverias ser mais humilde, deverias ser menos lesto no puxar de galões, como se de um veterano de não sei o quê te tratasses. Vieste para aqui com conversas sobre homossexuais, libaneses e movimento NR, bateste na porta errada, porque eu quero lá saber de homossexuais, dos libaneses e do movimento NR, já que aquilo que realmente me inmporta são as crianças do meu povo, os portugueses e demais irmão europeus e euro-descendentes e por fim, o movimento identitário.

Comentar por arqueofuturista

“Mas pelo que leio é isto que tu defendes?”

Devo falar chinês com certeza, visto que estou a ser bastante claro mas parece que sou um bocado incómodo e achas melhor fingir que não me entendes.

Eu disse (umas dez vezes) QUE ERA ISSO QUE MISHIMA DEFENDIA !

Nunca disse que subscrevia os seus gostos.

Lê a sua obra. Não apenas os seus escritos nacionalistas mas os outros. ELE ATÉ FAZIA TEATRO COMO TRAVESTY – é preciso ser mais explicíto ?

Quanto a puxar dos galões é uma hipocrisia da tua parte.

Eu não estava a falar de mim quando tu começaste a picar, a dizer “quem és tu que ninguém conhece de lado nemhum, qual é a tua militância, o que é que já fizeste pela causa, que vivo numa torre de cristal etc etc etc.”

Por respeito a ti dei uns poucos hints acerca de quem eu sou e do que fiz – para me atirares à cara de que estou a puxar dos galões, quando, por mim, nunca teria referido a minha pessoa !

Depois dizes que fazes muito sentido. Olha, apaga mas é esta merda.

Comentar por Anónimo

«Por respeito a ti»!!! Que respeito me demonstraste se entraste por aqui adentro a disparar bordoadas em todas as direcções e a referires-te a «vocês», «a vossa ideologia», chamaste-me mentiroso no caso dos Skrewdriver, incoerente no caso dos homossexuais quando deixei bem explícito aquilo que penso (ao copntrário de ti)???

Acabaste por não explicar o que defendes em relação à homossexualidade, isso por si só diz muito…

Com telhados de vidro não deverias atirar pedras às casas dos outros, e deixa lá, não irei desvendar quem tu és, se bem que tenha já uma ideia.

Comentar por arqueofuturista

??????
Char-vos “vocês”, a “vossa ideologia”, isto porque não me identifico a 100% com ela, logo não posso dizer que tenho a mesma ideologia. “Disparar bordoadas”, isto é, afirmar francamente aquilo em que discordo e discuti-lo. Com veemência é certo, desculpa mas tenho convicções profundas. Embora tu não te expresses propriamente com duas flores na mão quando discordas de alguém… Chamar-te mentiroso, quando já pedi desculpas, por ter-te confundido sido outra pessoa que ou foi mentirosa ou que desconhece o assunto – e continuo a achar estranho o que é que viste de errado no artigo da wikki que explica o que são os Screw.

Tudo isso é faltar-te ao respeito ? Então o que keres ? Um blogue onde todos estejam de acordo ? Então porque é que colocas um site aberto ? Instala um sistema de password, onde verificarás as credenciais de wanna be participantes para que tenhas a certeza de que concordam todos contigo antes de poderem participar.

Quanto à minha posição acerca da homosexualidade, já fui bastante explícito. Como é preciso repetir tudo, volto a repetir – a homofobia é essencialmente um preconceito judaico-cristão. Eu não me revejo no judaico-cristianismo, por isso a homosexualidade é-me indiferente. Simplesmente não tem importância. O meu conceito de virilidade, tal como o dos pagãos gregos, no papel masculino desempenhado e no valor no campo de batalha.

Fui o primeiro a afirmar que Mishima ou Rohm são heróis. Não sei onde está a dúvida.

Logo, estou-me nas tintas para o que Mishima fazia nesse aspecto, logo, por coerência, tenho também de me estar nas tintas para as marchas do orgulho gay ou para a adopção por homosexuais.

Quem ainda não se conseguiu explicar foste tu, que defendes Mishima como paradigma da virilidade ao mesmo tempo que acusas o movimento gay (que Mishima ajudou a lançar) como uma conspiração de tarados que pretende desvirilizar a sociedade. Importas-te de ser menos incoerente ?

Assim, se Mishima é um exemplo para o mundo, não pode ser ao mesmo tempo um tarado que nem pode adoptar uma criança – não vá ela seguir demasiado o seu… exemplo.

É apenas coerência que eu te peço.

Quanto a quem sou, continuo a afirmar que nada tem a ver com a nossa conversa. Apenas dei uma ideia do meu passado por respeito à tua pessoa e ás dúvidas que levantaste. Quem eu sou, o que fiz ou o que deixei de fazer, não influi em nada que as minhas ideias estejam certas ou erradas. Se é tão importante para ti posso identificar-me, embora, por “deformação profissional” não gosto de o fazer. Há anos que não estou no activo. Mas quando o estava, espalhar a minha identificação por todo o lado podia ser a morte do artista. De qualquer maneira gostei ainda menos da tua atitude quando, em reposta às tuas dúvidas, dei uma ideia do tipo de pessoa que sou, mandaste bocas acerca de eventuais puxar de galões quando já deu para perceber que o que eu quero é passar despercebido em relação à minha vida pessoal.

Comentar por molochbaal

Meu caro, não vou continuar a alimentar isto, quando quiseres falar comigo podes contactar-me pessoalmente, seja por telefone ou via email, sendo que este último está presente algures na secção livro de visitas.

Comentar por arqueofuturista

Ok. Fim de conversa.

Comentar por molochbaal




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: