Comunicado da âgencia de informação NOVOpress
Novembro 28, 2007, 1:52 pm
Filed under: Em foco

27 de Novembro de 2007

Uma vez mais, os defensores da Burka mediática, os defensores da repressão informativa, carregaram no botão que activa o cerco à liberdade de expressão, uma liberdade só para alguns “eleitos”.

Uma vez mais, o sistema procura tapar a boca com a mão putrefacta e sectária àqueles que se comprometem em divulgar a verdade.

Na tarde do dia 27 de Novembro, a Agência de Notícias Alternativa, Identitária e Europeia NOVOpress, assim como todas as suas antenas regionais e nacionais, deixou de ser acessível ao público.

Desconhece-se quando será restaurada a actividade do NOVOpress, mas se existe algo que temos bem claro é que as múltiplas tentativas para calar a verdade têm sido, são e serão vãs.

Alerta-se, sem procurar criar qualquer alarmismo, que foram hackeadas algumas contas de diferentes responsáveis do NOVOpress.

Sabe-se que foram copiadas e postas à disposição de diversos colectivos de extrema-esquerda as direções de correio electrónico, direções pessoais, números de telefone de um bom número de camaradas europeus que mantinham contacto con a direccção CONTACT@NOVOPRESS.INFO

Contra o pensamento único, pela liberdade de expressão. Somos todos NOVOpress!



Orgulho hetero de curta duração
Novembro 28, 2007, 12:45 pm
Filed under: Em foco

A Cerveja Tagus retirou da sua página web a referência à campanha Orgulho Hetero! Bom, ainda durou uma semana, o que não constitui uma má média. Quanto ao motivo, desconheço, ou melhor, suspeito que tenha a ver com as pressões exercidas por um lóbi poderoso e tentacular, com inúmeros dos seus membros bem instalados nas instâncias administrativas e governamentais. Aposto que o criador da camapanha ficou “queimado” na área da publicidade e que o melhor que tem a fazer é mudar de ramo profissional. Quanto à Tagus, bem, a partir de agora é o descrédito absoluto, pois se a cerveja já não prestava, mais acentuado fica o rechaço para com a mesma após esta cobarde cedência.

E assim vamos nós, com o país cada vez mais fuchsia (agora é mais in escrever esta palavra do que cor-de-rosa).