Comunicado da âgencia de informação NOVOpress
Novembro 28, 2007, 1:52 pm
Filed under: Em foco

27 de Novembro de 2007

Uma vez mais, os defensores da Burka mediática, os defensores da repressão informativa, carregaram no botão que activa o cerco à liberdade de expressão, uma liberdade só para alguns “eleitos”.

Uma vez mais, o sistema procura tapar a boca com a mão putrefacta e sectária àqueles que se comprometem em divulgar a verdade.

Na tarde do dia 27 de Novembro, a Agência de Notícias Alternativa, Identitária e Europeia NOVOpress, assim como todas as suas antenas regionais e nacionais, deixou de ser acessível ao público.

Desconhece-se quando será restaurada a actividade do NOVOpress, mas se existe algo que temos bem claro é que as múltiplas tentativas para calar a verdade têm sido, são e serão vãs.

Alerta-se, sem procurar criar qualquer alarmismo, que foram hackeadas algumas contas de diferentes responsáveis do NOVOpress.

Sabe-se que foram copiadas e postas à disposição de diversos colectivos de extrema-esquerda as direções de correio electrónico, direções pessoais, números de telefone de um bom número de camaradas europeus que mantinham contacto con a direccção CONTACT@NOVOPRESS.INFO

Contra o pensamento único, pela liberdade de expressão. Somos todos NOVOpress!



Orgulho hetero de curta duração
Novembro 28, 2007, 12:45 pm
Filed under: Em foco

A Cerveja Tagus retirou da sua página web a referência à campanha Orgulho Hetero! Bom, ainda durou uma semana, o que não constitui uma má média. Quanto ao motivo, desconheço, ou melhor, suspeito que tenha a ver com as pressões exercidas por um lóbi poderoso e tentacular, com inúmeros dos seus membros bem instalados nas instâncias administrativas e governamentais. Aposto que o criador da camapanha ficou “queimado” na área da publicidade e que o melhor que tem a fazer é mudar de ramo profissional. Quanto à Tagus, bem, a partir de agora é o descrédito absoluto, pois se a cerveja já não prestava, mais acentuado fica o rechaço para com a mesma após esta cobarde cedência.

E assim vamos nós, com o país cada vez mais fuchsia (agora é mais in escrever esta palavra do que cor-de-rosa).



Uma nova revista…
Novembro 27, 2007, 12:14 pm
Filed under: Em foco

Estará brevemente presente nas bancas de jornais e revistas uma nova publicação com o expressivo título, todo um manifesto, Euro. No seu primeiro número esta publicação dedicada às mulheres de origem europeia irá contar com diversas rubricas, entre as quais se destacam, a título de exemplo, estes dois artigos «Quando começa a consciência branca?», «O que leva o homem europeu à poligamia?», entre tantos assuntos que mostram ao Mundo o melhor que a Europa tem para oferecer. Enfim, uma publicação mensal, pensada na beleza da mulher europeia.

Pois é, antes que alguns internautas comecem a vociferar impropérios contra a minha pessoa por alegadamente publicitar uma revista execrável pelo seu inerente carácter racista e discriminatório, a qual deverá ser imediatamente arrestada por determinação judicial, permitam-me confessar que o acima escrito se trata de uma brincadeira, mas, contudo, de uma brincadeira muito próxima da realidade. Num simples exercício peço somente aos leitores deste blog que releiam a parte deste artigo referente à citada publicação e que as palavras Euro, europeia, branca, europeu, Europa, sejam substituídas por Afro, africana, negra, africano, África respectivamente, para assim ficarem com a versão definitiva e real daquela que será dentro em breve a mais recente publicação nos escaparates.

Aposto que aqueles que se preparavam para lançar invectivas contra mim, estarão neste preciso momento a ruminar respostas sociológicas e culturais para assim justificarem a existência de tal revista.

Pela minha parte apenas constato que o surgimento desta publicação não vem senão confirmar aquilo que temos vindo a alertar e denunciar desde sempre; toda a sociedade tornada multirracial acaba por naturalmente conduzir à afirmação identitária dos seus elementos, sejam os alógenos ou os autóctones, e por conseguinte, ao conflito pela hegemonia, ao confronto, para absoluto descrédito dos prosélitos da mestiçofilia.

A propósito, espreitem aqui o anúncio de publicidade a essa nova revista intitulada Afro.



Orgulho hetero!
Novembro 22, 2007, 6:25 pm
Filed under: Em foco

    
Passo a publicidade, mas a partir de agora só Tagus! (Cliquem na imagem)



Hino à verdadeira amizade
Novembro 20, 2007, 4:50 pm
Filed under: Raízes


Leituras…
Novembro 20, 2007, 12:19 pm
Filed under: Em foco

Em resposta a repto lançado pelo companheiro das lides bloguísticas, o ilustre Nonas, para que eu escolha aleatoriamente um livro, o abra na página 161, e transcreva precisamente a 5ª frase completa, eis que coube a Eumeswil de Ernst Jünger a missão de fazer estender a corrente literária, a qual passo, sem distinção, aos leitores do Arqueofuturismo Online.

« De modo bem semelhante, onde há elites rarefeitas ou mesmo reduzidas a um ou outro indivíduo, a palavra clara e inalterada ainda persuade o homem sem cultura – ele, o não deformado pela cultura. »

Ernst Jünger, “Eumeswil”, Editora Ulisseia, 2006



Temas para debate: Cristianismo
Novembro 13, 2007, 7:44 pm
Filed under: Em foco, Europa

Recentemente veio a público a notícia sobre um padre de uma igreja católica do Norte de Itália decidiu, por «caridade», abri-la ao culto muçulmano, disponibilizando todas as sextas-feiras o edifício para a oração, às quais acorrem em média 200 muçulmanos e aquando das festividades mais de 1000.

De seu nome Aldo Daneli, este padre afirmou não ter medo das hierarquias eclesiásticas, sendo que tomaria a mesma acção se o proibissem. Imbuído de um espírito universalista, assevera que «É inútil falar tanto de diálogo quando lhes damos com a porta no nariz. Para mim são todos filhos de Deus».

Infelizmente, este não é um caso isolado e são cada vez mais numerosos os padres que se rebelam contra as autoridades eclesiásticas, já por si sobejamente marcadas pelas orientações emanadas desde o Concílio Vaticano II e que se revelaram particularmente fracturantes no seio da Cristandade, para não dizer mesmo suicidárias desta religião duas vezes milenar.

Mergulhado está o Cristianismo nas raízes paulistas, as diversas correntes cristãs afiguram-se cada vez menos como uma válida e sólida alternativa espiritual para as massas europeias perdidas nas teias do consumista compulsivo e da ausência niilista dos valores. As seitas proliferam, e o expansionismo islâmico entra sorrateiramente na Europa mascarado de imigração. Aquilo que os filhos de Maomé não conseguiram por via da espada afigura-se cada vez mais fácil perante uma conjunção de factores para os quais contribui, por manifesta demissão e puerilidade mental pseudo-humanitária, a religião cristã e em particular o catolicismo, o qual, ao invés das demais religiões, mesmo das suas congéneres de matriz semita, apela recorrentemente ao diálogo interreligioso, numa genuflectida demonstração de algo que está derrotado por antecipação.
Continuar a ler