Século XXI, século da uniformização e da mestiçagem?
Outubro 31, 2007, 10:30 pm
Filed under: Em foco

               
«O que é necessário, é praticar por toda a parte a mestiçagem e o controlo dos nascimentos com vista à criação de uma raça única num mundo único sob um governo único.»
Brock Chisholm, antigo director da OMS

«Teremos um governo mundial. Quer isto agrade ou não. A única questão é saber se será criado através da conquista ou do consentimento.»
Paul Warburg, fundador do Banco Central Americano

«É necessário impôr a mestiçagem por toda a parte. A ideia de países etnicamente puros é um resquício do século XIX. O segundo milénio assistirá à vitória da mestiçagem.»
Wesley Clarke, General Norte-Americano

Nós, Identitários, aceitamos as diferenças e as especificidades de cada povo, e exigimos que as nossas também sejam respeitadas. Ser Identitário, é honrar a sua própria singularidade e as diferenças dos outros, aquilo que enriquece verdadeiramente a humanidade, e é por isso que nos opomos à mestiçagem destruidora dos povos e das identidades e procuramos preservar a diversidade que a compõe.


96 comentários so far
Deixe um comentário

Em Portugal ja ha muitos mestiços, vieram muitos logo a seguir a independençia das antigas colonias .Muitos deles tem relacionamento com brancas e aparecem mestiços que tentam passar por brancos e eses as vezes sao os que mais dizem que os Pretos sao estupidos.Eu ria-me quando no tempo quando andava no liceu ver mestiços de negros ainda mais racista que os alunos brancos em relaçao aos negros puros.As miudas brancas engraçavam com eles, os rapazes mestiços usavam pentiados a Michel Jackson Peter toch Edy Grant Bob Marley etc.Mas os brancos tabem ouviam esse tipo de musica.eu gostava de outro tipo de musica na altura Kiss Acdc White-snack ja havia os U2 bandas portuguesas UHF etc.Acabei por mudar de escola praticamente onde so havia alunos brancos e ouviam amesma musica que eu nunca me identefiquei com essa cultura mestiça da escola anterior.Onde ha mais mestiçagem e na grande Lisboa e agora com a vinda de brasileiros parece que e o fim do Portugal Europeu. Os ditos homens da cultura Portuguesa ainda ajudam mais mulatizaçao de Portugal ,eles dizem que somos arraçados de pretos escravos que vieram para Portugal a seguir as descobertas de judeos ou seija cristaos novos mouros por isso temos que açeitar os nossos irmaos da CPLP.O futuro dira ,mas eu ja estou nesse tempo debaixo de terra, so se houver reencarnaçao!

Comentar por Paulo Silva

Porque será que Chinas, Japões e virtualmente todos os países Asiáticos são tão puros étnicamente?
Porqur raio é que a mestiçagem só é imposta aos Europeus?

Lembram-se quando a Nobreza decadente teve de se mesclar com a Burguesia para manter algum poder?

O pior é que a aristocracia da Humanidade só tem é a perder poder com isso… Qualquer dia, a Europa será apenas entre Praga e Moscovo!

Comentar por DS2

E ja num futuro proximo com o comesso das obras do novo aeroporto de Lisboa ,costruçao das linhas e estaçoes para o comboio de alta veloçidade e a nova ou novas atravessias no rio tejo Lisboa -margem sul. Com os impreiteiros a procura de mao de obra barata,vao vir mais AFRICANOS para Portugal.Depois ha reagrupamento familiar ainda mais vai contribuir para a mulatizaçao de Portugal!

Comentar por Paulo Silva

e ainda há quem se pergunte porquê combatemos nós?

Comentar por social-patriota

Adoro mulatas, porra são mesmo quentes.

Comentar por oskar

Isso e tudo tretas nos EUA ha pouca mestiçagem entre os brancos de origem 100% Europeia que sao os que levam os EUA para o futuro, os casamentos mistos de brancos com negros hispanicos asiaticos sao raros e acabam muitas vezes em divorçio, o mesmo se passa no Canada Australia.Todos tendem casar no seu grupo etnico.em Los-Angeles os Americanos de raça Europeia estao abandonar o centro desta cidade que foi invadida por negros asiaticos mexicanos,e estao a mudar-se em massa para os arredores para evitar possiveis mestiçagens.Porque eles sabem o fim dos brancos nos EUA e o fim dos Estados Unidos da America.E a Europa tem que fazer o mesmo mentalizar os seus povos nativos a evitar a mestiçagem esta em causa a sobrevivençia da Europa imcluindo PORTUGAL.

Comentar por Paulo Silva

num pais racialista,qual seria a solução para os não-brancos, principalmente para aqueles que já estão na europa há várias gerações? a propósito de raças, haverá algum site fidedigno sobre as várias divisões e suas caracterisiticas?

Comentar por lusa-a portuguesa

Vim aqui parar, ainda estou para saber como, mas deu para ver que por aqui há muita fomeca.
Meninos pensem menos em politica e mais em fornicar.

Beijos languidos

P.S.: só para dizer que essa história de que os negros são muito melhor servidos que os brancos é tanga.

Comentar por Gaja Boa 1

Depois das declarações citadas, qualquer tentativa de negar a existência de uma mentalidade activamente diluidora da identidade europeia é pura imbecilidade e/ou desonestidade, destinada a atirar areia para os olhos das pessoas.

Aliás, há muito que estava na forja esse ideal da miscigenação como agente do universalismo absoluto. Trata-se de genocídio «humanista», sonso, muitas vezes hipócrita e cobardemente mascarado.

Comentar por Caturo

PONTO Nº 1: Os pró-mestiçagem ‘são mais do que as mães’… e não vão mudar de opinião.

PONTO Nº 2: A situação está um bocado complicada porque… os pró-identitários possuem uns preocupantes tiques à stupid white man: em vez de se concentrarem na reivindicação do legítimo Direito de terem o SEU espaço no planeta… os pró-identitários, imbecilmente, procuram convencer os pró-mestiçagem a mudarem de opinião!?!?!?!

RESUMINDO:
—» Os Identitários europeus poderão ter futuro no planeta, mas (antes que seja tarde demais) isso só será possível através da reivindicação do legítimo Direito ao SEPARATISMO.
{ ver um exemplo aqui }
[http://separatismo–50–50.blogspot.com/]

Comentar por pvnam

Depois de negros e mestiços que vieram das antigas colonias de Africa de Goa Damao e Diu na Asia.Que chegaram a Portugal nos ultimimos 35 anos que prostioremente vieram ter filhos de mulheres brancas nativas ou mulheres desses antigos territorios que vieram ter filhos de homens brancos nativos de Portugal.A unica maneira de ver quem sao os mestiços proponho uma intituiçao como a que havia no antigo tempo como a inquisiçao mas actualizada que estudava geneologia familiar ate a setima geraçao.Porque anda porque anda ai muitos/as,mestiços que fazem questao de passar por brancos/as. O Klan do s EUA ja tem um estudo que diz que os EUA tem pelo menos 150milhoes de arianos AMERICANOS DE ORIGEM 100% EUROPEUS E PORTUGAL ESTA NA HORA de OS PERITOS DEMOGRAFICOS ESPECIALISTAS GENEOLOGIA COMRÇAREM ESTES ESTUDOS.QUANTOS BRANCOS NATIVOS E MESTIÇOS EXISTEM EM PORTUGAL? O presidente da camera de Lisboa e Mestiço de Indiano de Goa.

Comentar por Paulo Silva

Mais uma achega final.Depois desses estudos soubre a popolaçao que tem o BI Portugues existe na parte traseira do BI. INDICAÇOES ENVENTUAIS e ai que se pode indicar se sao: CAUCASIANO OU MISTO

Comentar por Paulo Silva

Melhor na indicaçoes enventuais do BI Nacional -caucasiano negro asiatico ou misto.

Comentar por Paulo Silva

Uma instituiçao que estude os antepassados de cada um ou uma recuando pelo menos 7 geraçoes. Ja da para ver quem sao os Portugueses nativos Brancos e os mestiços.E essas informaçoes sao colocadas de quem for portador do BI de cidadao nacional na parte que diz-Indicaçoes Enventuais: Caucasiano Negro Asiatico judeo Misto ou mestiço de: etc etc .

Comentar por Paulo Silva

Estou impressionado com a paranoia galopante que atacou a maior parte dos comentadores.
Espero bem que o meu amigo Miguel não seja adepto deste tipo de identitarismo. Fico assustado.

Comentar por Tenebroso

Paulo Silva isso é exactamente o que eu defendo.
Sou como o pvnam e o Paulo Silva.
Como o pvnam pois penso que o nosso povo nunca vai mudar, e mesmo que mude é impossivel expulsar todos os misturados e brancos descendentes de negros. Nunca irão aceitar a preservação racial.

A minha solução era algo misto entre o que o pvnam e Paulo Silva diz.

Estudar os registos de antepassados (ainda que isso tenha erros, pois houve várias infedilidades e adopções o que pode levar-nos a erro) e fazer analises genéticas a toda a população. Assim só os brancos que não têm antepassados negros receberiam o titulo de Branco/ Caucasiano/ Galaico/ Lusitano/ Algarvio/ mistura de povos europeus/ … (enfim o nome mais correcto conforme o caso) na parte de trás do BI e só os descendentes de pai e mãe nessa situação poderiam ganhar esse titulo, caso um dos pais fosse misturado obviamente o filho não receberia o titulo, nem nunca nenhum dos seus descendentes, nem que daqui a 1000 anos o receberia.

Assim mesmo numa sociedade super-mista como a França, USA, Suécia, etc, os identitários, e mesmo os que não fossem, poderiam ter filhos tendo consciência que não tinham antepassados negros e outras misturadas recentes.
Só assim daqui a 1000 anos os vários povos europeus poderiam continuar a ser como são hoje.
Caso contrário, teremos uma morte lenta, cada vez ficaremos mais misturados, aos pouquinhos e pouquinhos.
E olhem que ha bastantes diferenças. Em testes de QI a negros puros e a negros americanos (de aspecto completamente negro mas com antepassados brancos impossiveis de se identificar à vista desarmada, só geneticamente), o QI dos negros americanos é bastante superior ao dos negros puros. Agora imaginem que os europeus ficam como os brancos de aspecto europeu dos USA que são misturados com antepassados negros e outras misturadas (filipinos, mexicanos, etc). Será desastroso para o nosso povo.

Comentar por Zagas

Afirmações que são verdadeiras declarações de guerra a todos os povos do mundo.

Comentar por Silvério

Que tal começarem já a fazer a vossa arvore genealógica?
Pode ser que muitos de vocês ainda tenham uma surpresa.

http://www.meusparentes.com.pt/

Comentar por Tenebroso

Mas este Zagas não é um imbecil que passa o tempo a insultar os portugueses do sul e que quer a divisão de Portugal ao meio e a união (entrega?) do norte com a Galiza?

Comentar por Tenebroso

Tenebroso, acusa os comentadores de paranoia glopante por estes tecerem opiniões sobre frases que comprovam o desejo comum de algumas personalidades de relevo na arena internacional, contudo apresenta um histerismo crescente face às opiniões dos comentadores que nada mais expressam que uma vontade comum em defenderem a sua identidade.

O Tenebroso é vezeiro a atribuir intenções e uma vez mais o seu preconceito ideológico tolda-lhe a capacidade de percepcionar que expôr, como fiz, estas três observações nada tem a ver com “pureza racial”. Confunde a defesa das identidades com pureza racial, mas olvida ou não percebe que aqueles três indivíduos, bem como outros, é que são os verdadeiros racistas, pois além de constatarem uma realidade que à viva força se procura escamotear e foi erigida em supremo tabu ( i.e. a existência de raças), são eles que pretendem criminosamente acabar com a riqueza deste planeta e que reside, entre outras coisas, nas identidades etnoculturais dos povos. Diga-se também que paradoxalmete são os anti-racistas que concedem a maior importância ao factor racial.

Comentar por arqueofuturista

Antes de mais, quero dizer ao Arqueo que fiquei bastante sensibilizado com todos os elogios que me faz. Agradeço e retribuo.
Você publica este tipo de frases imbecis pois sabe que tem garantido um montão de comentários onde estão bem patentes ideais verdadeiramente racistas. A mim, não me enganam.
Acho piada você insinuar que eu sou um preconceituoso em oposição a si e aos restantes comentadores que são uns virtuosos. A vocês só lhes falta o halo e um lugar no altar.

Aproveitando o post, alguém me sabe dizer onde anda o meu amigo Miguel. Ainda está na Transilvania ou está por ai a passar umas férias? Precisava de lhe dar um abraço!

Comentar por Tenebroso

Tenebroso, tenho de confessar que o tomava por uma pessoa mais razoável. Desiludi-me.

Ao referir-me a preconceito quis com isso dizer que o Tenebroso encara toda e qualquer postal aqui publicado desde uma ideia pré-concebida, ou seja, o Tenebroso padece da reacção pavloviana de que aquele que ousa falar das identidades e se opõe à mestiçofília é invariavelmente racista. A acrescentar a isso, sofre ainda por cima de um sentimento de desconfiança pouco saudável, em jeito de complexo conspirativo, pois acha que eu e os outros comentadores queremos à viva força enganá-lo. Pior é o processo de intenções que constantemente me atribui, pois em caso algum eu escrevi que corroboro todas e quaisquer opiniões dos comentadores aqui expressas.

Quanto ao Miguel, tenho a sensação de que a sua pergunta transpira a quem sabe bem que o Miguel está em solo pátrio, mas enfim, acho sinceramente pouco abonatório que se refira ao Miguel desta forma sem no entanto assumir a identidade do amigo que diz ser.

Comentar por arqueofuturista

«….são eles que pretendem criminosamente acabar com a riqueza deste planeta e que reside, entre outras coisas, nas identidades etnoculturais dos povos…»

—» Dizes coisas acertadas… mas esqueces-te de algo muito importante: face a uma (Nova) Inquisição – a Inquisição Mestiça – que procura, a cada dia que passa, ter cada vez mais força repressiva… não se pode ter um discurso de falinhas mansas… mas sim, um discurso de ruptura total face à (Nova) Inquisição: a Inquisição Mestiça! Isto é, (antes que seja tarde demais) é urgente reivindicar do legítimo Direito ao SEPARATISMO.

Comentar por pvnam

“Estudar os registos de antepassados (ainda que isso tenha erros, pois houve várias infedilidades e adopções o que pode levar-nos a erro) e fazer analises genéticas a toda a população. Assim só os brancos que não têm antepassados negros receberiam o titulo de Branco/ Caucasiano/ Galaico/ Lusitano/ Algarvio/ mistura de povos europeus/ … (enfim o nome mais correcto conforme o caso) na parte de trás do BI e só os descendentes de pai e mãe nessa situação poderiam ganhar esse titulo, caso um dos pais fosse misturado obviamente o filho não receberia o titulo, nem nunca nenhum dos seus descendentes, nem que daqui a 1000 anos o receberia.”

Era a isto que me referia quando falava em paranoia galopante.
Analises genéticas a toda a população? Inscrição da raça ou proveniência geografica no BI? Esta ultima então é de morte, imagino que os desgraçados dos alentejanos e algarvios estariam sempre sob suspeita de terem sangue mouro ou negro. Disto até à braçadeira identificativa vai um passo. Se isto não são teorias nazis…

Aproveito a ocasião para reafirmar aquilo que disse num comentário anterior, estou de acordo com grande parte das ideias dos identitários, mas custa-me a compreender que neste combate se aceitem como companheiros de luta toda a espécie de escumalha. Se é este o caminho escolhido pelos identitários portugueses, olhe que não vão longe.

Quanto ao MIguel quero dizer-lhe, acredite ou não, que só agora estou a tomar conhecimento de que está em Portugal. Não sei como mas hei-de encontrar-me com ele para lhe dar o tal abraço. Quanto à questão de não assumir a minha identidade, isso é um problema meu, quando chegar a hora de o fazer ele será o primeiro a saber as razões porque agora me resguardo atrás de um pseudónimo.
Agora, a si, não lhe admito que ponha em dúvida a minha amizade pelo Miguel.

Comentar por Tenebroso

DECLARAÇÂO

1º Embora leitor deste blogue , é a primeira vez que comento neste blogue;

2º Sou Amigo do Miguel, se não me engano, há 25 anos;

3º Desde que o Miguel chegou “à patria que não o viu nascer” já estive com ele duas vezes;

4º Na última resposta do Arqueofuturista deu ao Tenebroso, fiquei com a sensação de que insinua que o Tenebroso e eu somos a mesma pessoa mas, razão deste meu comentário, declaro aqui que não. Por acaso, quando do primeiro encontro com o Miguel, a primeira coisa que ele me perguntou foi se eu era o Tenebroso. Garanti-lhe que não, e aqui o reafirmo;

5º Subscreveria muita coisa que o Tenebroso aqui escreveu, algumas a 100%, mas garanto ao Arqueofuturista que ele não é nenhum alter-ego meu, tudo isto não passa de uma coincidência.

Por não haver, penso eu, mais nada a esclarecer, por aqui me fico, deixando-lhe a minha identificação quase completa (o resto pode perguntar ao Miguel) e o link de um blogue que agora se inicia na net e para o qual fui convidado a colaborar por um amigo comum a mim e ao Miguel que, por acaso ou talvez não, é um convicto nacionalista não alinhado.

Melhores cumprimentos

Comentar por Zé António

Tenebroso, aquilo que chama “paranoia galopante” são apenas opiniões com as quais podemos ou não concordar. Quando não se concorda apenas duas soluções se afiguram; ou contesta por via de melhor argumentação ou simplesmente ignora. Agora uma coisa é certa, não pode exigir a censura da minha parte em relação às opiniões que aqui são veiculadas, pois tenho muito respeito, enquanto princípio basilar, pela liberdade de expressão.

Alegra-me que esteja em concordância com o essencial daquilo que os identitários defendem, prova evidente de que tal ideal está para além das querelas doutrinárias. Contudo, parece-me uma vez mais injusta a afirmação de que os identitários aceitam nas suas fileiras aquilo que designa por escumalha, já que peca por inverdade. Nem todos os comentadores deste blog são identitários. Aliás, a maioria não o é, logo, não é legítimo confudir os autores dos comentários com os identitários.

Por fim, não coloquei a sua amizade pelo Miguel em causa, é você que por meio deste “jogo” a coloca em causa. Se o mail que aparece no registo dos seus comentários é válido, irei passá-lo, com a sua permissão, ao Miguel, de forma a que ele o contacte e possa finalmente dar-lhe esse abraço.

Comentar por arqueofuturista

Caro Zé António, agradeço a vinda a este blog, bem como a declaração aqui deixada, a qual me parece na realidade escusada, pois de todo quis insinuar que seria você o tal Tenebroso.

Fico contente que acompanhe o blog, o qual é assumida e notoriamente incisivo numa temática que me é particularmente cara, mas que sob forma alguma representa o princípio ou a baliza do ideal identitário que eu e o Miguel, animadores do blog, assim como tantos outros acreditamos. O ideal identitário não pode ser qualificado nem inserido na dicotomia esquerda/direita já que lhes é transversal.

Parabéns pelo blog onde participa na companhia de um amigo nacionalista não-alinhado, blog que irei anexar aos elos de ligação.

Receba as minhas saudações.

Comentar por arqueofuturista

Se me perguntarem quem sou e o que sou, responderei que não sei nada, excepto que não quero ser o que sou e, pelo vosso caminho, sei que não vou.
Pode parecer um discurso lunático, mas é assim que sou,ou não sou.
Este vai ser o meu último comentário como Tenebroso, a partir de hoje responderei como o outro a quem perguntaram “quem és tu, Romeiro?”

Aos meus queridos amigos,Zé e Miguel, os meus sinceros pedidos de desculpas por alguma coisa que os possa ter magoado, em particular ao Zé pois quando aqui comecei a postar utilizei a sua identidade só para confundir e chatear o Miguel.

Ao Arqueofuturista, em primeiro lugar quero pedir desculpas pelas confusões que aqui possa ter criado.Em segundo lugar quero dizer-lhe que nunca foi minha intenção pedir censura às opiniões dos comentadores deste blog, agora também não entendo porque me ataca sempre que chamo alguns bois pelos seus verdadeiros nomes,ou quando eu escrevo alguma coisa que não lhe agrada não estou a dar uso ao meu direito à liberdade de expressão, mas sim a abusar dela? Quanto a confundir os autores de certos comentários com os identitários, desculpe lá mas isso é você que o diz, eu nunca confundi ninguém.

Quanto à minha amizade com o MIguel, penso que o importante já lhe foi dito no meu comentário anterior e também neste. Pode dar-lhe o meu endereço de mail, não me importo, pode ser que lhe dê então o tal abraço,mesmo sem me identificar.

Cumprimentos
Tenebroso

P.S. para o Miguel: um dia destes passei no drugstore saldanha e aquilo está à venda. Velhos tempos, um grande abraço (não é o tal, mas é dos fortes)

Comentar por Tenebroso

Olhem, sabem que mais, até concordo com as análises genéticas. Além de eventuais provas de mestiçagem de alguns puristas racicos da nossa praça, podia ser que assim fossemos finalmente saber a razão porque o QI de alguns é tão baixo.
É claro que teriamos de reforçar os serviços de ajuda aos suicidários, mas enfim… seria por uma boa causa.

http://www.spsuicidologia.pt/suicidio.php?links=Telefones

Comentar por Ninguém

Você publica este tipo de frases imbecis pois sabe que tem garantido um montão de comentários onde estão bem patentes ideais verdadeiramente racistas.

Qual é o problema do tenebroso com as frases verdadeiramente racistas?

O miguel anda em fracas companhias

Comentar por Anónimo

Bem, toca-me a responder.

1. Nunca confundi amizades com opiniões divergentes ou diferentes,sempre pautei-me por critérios que têm muito mais a ver com a prioridade às relaçoes humanas do que com dogmatismos de qualquer espécie.É mais relevante a ética de comportamento, à esquerda ou à direita, do que expressão de ideias, muitas delas expostas ao crivo da temporalidade.
2.Não, não me identifico com muitos dos postais, sobretudo aqueles que revelam uma estreita visão da identidade, reduzindo-a a primários biologismos, quem me conhece, ontem e hoje, sabe que nunca alinhei em nenhum tipo de reducionismos…
3.Mas tembém não enveredo pelos novos dogmatismos do politicamente correcto, pelas novas orientações de outras inquisições. Todos sabemos que existem Identidades, moldadas na etnicidade e na cultura. Estes dois critérios definidores articulam-se e entrecruzam-se para, em última instância, configurar o que nós hoje vemos como povos, etnias e raças (bem sei que isto custa a muita boa gente)!
4.O postal do meu amigo Arqueofuturista mostra-nos, e bem, a histeria dos que pretendem aniquilar a pluralidade e a diferencialidade entre os povos. Eu não vou pelo caminho dos que querem reduzir a humanidade a um conglomerado de produtores e consumidores/consumíveis sem nenhum tipo de identidade…
Afinal, todo o tipo de mestiçagem tem como resultado a dissoluçao das partes: uma perda da diversidade!

As minhas melhores saudações a abraços para os amigos de ontem e de hoje.

Miguel Angelo Jardim (Miazuria)

Comentar por Miazuria

“O miguel anda em fracas companhias”

Como o Tenebroso não tem o prazer de estar na companhia do Miguel há séculos, suponho que uma das fracas companhias a que este anónimo se refere, deve ser ele mesmo.

Comentar por Ninguém

«…a histeria dos que pretendem aniquilar a pluralidade e a diferencialidade entre os povos…»

—> …’histeria’ salvo seja!…
—> Face a GENTE MAFIOSA (vulgo Inquisição Mestiça) que (como toda a gente vê) procura reforçar, cada vez mais, a sua acção repressiva… é estúpido andar por aí com um ‘discurso de falinhas mansas’…
—> Face a GENTE MAFIOSA (um ex: a Inquisição Mestiça) só há um caminho a seguir: adoptar um discurso de ruptura total! Ou seja, neste caso, (antes que seja tarde demais) é urgente reivindicar do legítimo Direito ao SEPARATISMO….

Comentar por pvnam

Tirando as evidentes diferenças ideológicas subscrevo, sem retirar ou mudar uma virgula, o comentário do Miguel.
Pela minha parte esta polémica (?) termina aqui.Ponto final.
Paragrafo
Travessão –

Comentar por Ninguém

Tanta estupidez que para aqui vai, não tenho muito tempo portanto vou apenas dizer que com caças ás bruxas não se vai a lugar algum:

“não me identifico com muitos dos postais, sobretudo aqueles que revelam uma estreita visão da identidade, reduzindo-a a primários biologismos, quem me conhece, ontem e hoje, sabe que nunca alinhei em nenhum tipo de reducionismos…”

Exacto Miguel.

Só me deixa desiludido a atitude do Arqueofuturista em não expressar as suas opiniões acerca das “caças ás bruxas”.
Raças puras? Não existem!

Já ouviram falar em Mouros, Turcos, Mongóis, Hunos, Saamis, Albaneses ou Iberos? E Húngaros? Já ouviram falar em Húngaros?

Para aqueles que ainda estão nessa fase tão básica, reflictam:

Comentar por DS2

Eu apoio os primarios biologismos.

Essas brancas que se misturam com os pretos têm que saber que os seus descendentes serão expulsos daqui, não serão tolerados na Calecia do Zagas, e nisso o Zagas e o PVNAM tem o meu apoio, quem diz o contrario está a legitimar a vontade dos negros irem clareando geração apos geração atraves da mistura com brancas.

Pode chocar muitos, mas a solução é clara.

RUA com os mestiços, e metam a vossa teoria de não exisitirem raças num belo sitio que eu ca sei, ou então fiquem com eles no vosso estado tolerante

Comentar por Anónimo

«…Raças puras? Não existem!
Para aqueles que ainda estão nessa fase tão básica, reflictam…»

— Os Povos Nativos são a forma como o Ser Humano evoluiu nas mais variadas regiões do Planeta –> os Nativos possuem CARACTERÍSTICAS FÍSICAS… GENES TÍPICOS NATIVOS … QUE SÃO A FORMA COMO A ESPÉCIE HUMANA EVOLUIU… nas mais variadas regiões… do Planeta.
— A existência de Povos Nativos no SEU espaço é uma Identidade com muitos milhares de anos… que deve ser RESPEITADA e PRESERVADA!

—> Contrariando aquilo que os espertalhões da Inquisição Mestiça pretendem… não devemos ser Fundamentalistas!!!… Assim sendo, devem ser considerados NATIVOS todas as pessoas com, pelo menos, x % de GENES TÍPICOS NATIVOS… ( nota: x% -> a definir por uma comissão científica )

Comentar por pvnam

Caça às Bruxas! Não sei do que fala o DS2. Pela minha parte cada um é livre de escrever o que desejar, desde que não ofenda outro comentador. Não me sinto minimamente responsável pelas opiniões expressas pelos diversos comentadores, nem tenho que comentar todas e cada uma delas. A minha opinião está nos tópicos que vou publicando e nos comentários que escrevo quando considero pertinente.

Comentar por arqueofuturista

pvnam, subscrevo o seu comentário número 37.

Arqueofuturista,
Quando falo de caça ás bruxas refiro-me ao facto de que alguns querem expulsar de Portugal PORTUGUESES étnicos que são e estão completamente integrados na sociedade etno-cultural Portuguesa por terem apenas um antepassado não Nacional. Isso é ridículo. Pior do que ser ridículo, isso, a meu ver não atrai, repele Portugueses para a causa.
Como (até) diz o pvnam “não devemos ser fundamentalistas”, devemos ter alguma racionalidade e pensamento estratégico. Devemos sem ceder um milimetro dos nossos valores atrair o maior número de pessoas se querem(os) ter alguma influência futura. Era apenas a isso que me referia.

Corajoso anónimo do comentário 36:

“Eu apoio os primarios biologismos.”
Também eu, enquanto sejam mesmo primários. Não é como disse alguém, analisar todos os Portugueses à procura de sinais impuros para os condenar á deportação (iria um terço do Alentejo para Marrocos?). E só apoio esses primários Biologios se incluidos dentro de uma identidade étno-cultural maior. Não sei se compreende o que eu digo…

“Essas brancas que se misturam com os pretos têm que saber que os seus descendentes serão expulsos daqui”
Não, o que elas têm que saber é que ao fazer isso estão a cometer um suicído etno-cultural. E olhe que para negar isso, é necessário estar-se muito formatada pelo sistema. Não devemos passar a ameaças, eduquemos as pessoas, se temos razão, porque não?
Se temos a razão do nosso lado, porque não partilhá-la? Eu parto do princípio de que o povo Português não é estúpido, e duvido que esteja enganado!

“e metam a vossa teoria de não exisitirem raças num belo sitio que eu ca sei”
Eu não disse que não exitiam raças, se compreender Inglês, veja o vídeo que eu recomendei no comentário 35. Senão, faça o seguinte cálculo: Vá recuando de trinta em trinta anos (uma geração) e vá começando a contar para cada trinta anos que recua, começando no um e dobrando sempre o resultado, algo deste tipo: ” 1×2=2 2×2=4 4×2=8″ (este algoritmo dar-lhe-a o número de ascendentes directos que tinha há uma geração (exemplo, dois pais, quatro avós, 8 bisavós).
Depois recue até ao tempo em que estavamos sob domínio mouro, conte os seus ascendentes, e calcule qual a probabilidade de uma das suas ascendentes ter sido violada por mouros e ter concebido dessa maneira um ascendente seu.
Depois reflicta…

Boas Tardes.

Comentar por DS2

DS2 disse: «1×2=2 2×2=4 4×2=8″ (este algoritmo dar-lhe-a o número de ascendentes directos que tinha há uma geração (exemplo, dois pais, quatro avós, 8 bisavós)»

Um indivíduo com um pai africano, será 50% (1/2) europeu.
Um indivíduo com um avô africano, será 75% (3/4) europeu.
Um indivíduo com um bisavô africano, será 87,5% (7/8) europeu.

Com 90%, ou mais, um indivíduo já deveria ser considerado europeu.
Qual a vossa opinião?

Comentar por interrogações

Caro DS2, só há um problema no seu raciocínio, é que há muita gente anónima que não pecebe patavina de matemática…Aliás. como não percebem de muita coisa, nomeadamente do que aqui se escreve.

Concordo plenamente com o seu último postal.

O que é que é relevante, 10% ou 90%? Creio que respondi à sua pergunta, caro Interrogações.

As minhas melhores saudações

Miazuria (Miguel Angelo Jardim)

As minhas melhores saudações.

Comentar por Miazuria

“Com 90%, ou mais, um indivíduo já deveria ser considerado europeu.
Qual a vossa opinião?”

Eu sou da mesma opinião que David Lane:

“If it looks white, acts whites, feels white until proven wrong it’s white”

“Our effort is not to debate wether our gene pool is 95% or 97% pure”

Num país com cinco séculos de domínio mouro… todos teremos resíquos mouros no sangue.
Vejam o vídeo, a sério!

Comentar por DS2

O debate instalou-se, mas derivou para um campo que não era o que eu mais desejava. Creio, e disso estou convicto, que a questão central está na defesa e preservação da identidade, a qual não passa por mesurar a porção de sangue mouro existente no povo português, a qual até considero ser diminuta ao contrário do que os sectores mestiçófilos querem fazer crer, mas isso é outra conversa e que pelas suas características pouco viáveis e não-tangíveis no campo da antropologia não me parece merecedor de discussão prolongada.

Por fim, destaco, ainda no âmbito desse debate que se gerou, que a alusão a David Lane e ao artigo dele é um excelente remate final.

Comentar por arqueofuturista

Caro Arqueofuturista, quando falei em caça ás bruxas era a isso que me referia.

Concordo consigo perfeitamente. Que David Lane sirva de exemplo para os puristas paranóicos!

Comentar por D. Sebastião II

Caro Miazura, uma palavra de apreço para si também (desta vez até eu concordo sem reservas consigo!), concordo perfeitamente e acrescento que ainda bem que existem blogs destes que fomentam a educação do povo Português e de alguns nacionalitários.
Também eu tive alguns problemas com a Matemática mas com esforço e vontade tudo se ultrapassa!

Comentar por D. Sebastião II

Deve-se a todo custo evitar a mestiçagem.Mesmo os mestiços de 90% de branco e 10% de negro sao sempre mestiços,na América do norte não sao considerados brancos.Porque esses ditos já brancos herdam genes de negros que transmitem aos seus descendentes por milhares de anos mesmo casem sempre com brancos.Esses genes ao desaparecer ao fim de milhares de anos vão dar origem por mutações genéticas ao aparecimento de novos genes desconhecidos que geneticistas não compreendem e pode trazer complicaços para humanidade,por exemplo novas doenças ,anomalias mentais e físicas psique diferente para essas pessoas resultado da mestiçagem.Pode ser o fim da civilização a nível planetário. PAULO SILVA

Comentar por Paulo Silva

Cuidado D. Sebastião quando fala em “puristas paranóicos” isso, no ponto de vista do Arqueofuturista, pode ser considerado intolerância.
Ao Paulo Silva, que me parece um dos tais puristas do indo-europeismo, pergunto se existe alguma diferença entre a mestiçagem com um semita (arabe ou judeu) ou com um outro qualquer europeu não indo-europeu.
Só para ver se eu os entendo.

Comentar por Ninguém

Ó Tenebroso agora transformado em Ninguém, o D. Sebastião não tem de ter qualquer cuidado, mas antes a capacidade para argumentar com aqueles que dele discordam, o que não acontece consigo, já que aqui aparece como agente provocador, tipo “bate e foge”.

Mais despropositado é o seu comentário se atentar no postal que acima publiquei. Claro que para si pessoas como esse historiador devem é estar na prisão, porque não pode haver tolerância para os inimigos da tolerância, não é assim?

Comentar por arqueofuturista

Com todo o respeito aceito as criticas de todos ,e verdade já a muitos anos que me fascina toda temática dos povos indo-europeus, principalmente os que se fixaram no ocidente da península ibérica. Eu procuro ao amigo minguem se quando vê as várias modalidades olímpicas se não acha diferença que há raças e etnias que conseguem melhores resultados so em certas modalidades por exemplo nas corridas de velocidade 100 ou 200 metros quantos brancos participam ou ganham medalhas, na natação qual raça etnia que domina esta modalidade. Por falar em semitas quantas vezes já viu um Israelita subir a um pódio no desporto. Está a ver que existem diferenças raciais. já agora pergunto os lideres africanos quando precisam de fazer tratamento medico, aonde e que eles procuram os médicos que eles pensam que sao mais competentes?

Comentar por Paulo Silva

Não sofro da mania da perseguição mas parece-me que é isso mesmo que o Arqueofuturista anda a fazer à minha pessoa.
Toda a gente pode aqui vir dizer as maiores barbaridades que o Arqueofuturista diz que estão a debater (a grande parte eu chamaria masturbações pseudo-intelectuais). Eu, diga o que disser, na opinião do Arqueofuturista estou sempre a provocar. Não deixa de ter a sua piada. Mas esteja à vontade, sempre que achar que estou a passar das marcas, pode eliminar os meus comentários, afinal o blog é seu.

“Claro que para si pessoas como esse historiador devem é estar na prisão, porque não pode haver tolerância para os inimigos da tolerância, não é assim?”
Não, não é assim, eu nunca disse isso e classifico esta sua afirmação como infame. Fique você a saber que, para mim, a Liberdade é o Valor Absoluto, a mãe de todos os restantes valores pelos quais rejo a minha vida em sociedade. De certeza sou bem mais tolerante que você pois, afinal, você só é tolerante para com os da sua cor. É claro que esse historiador não devia estar preso só porque exprimiu uma opinião que não coincide com o que está “estabelecido”, quem faz leis dessas só pode ser inimigo da liberdade. No entanto, e já que estamos com a mão na massa, pergunto-lhe se a sua reacção seria a mesma se isto tivesse acontecido com alguém que viesse dizer que afinal Estaline não foi o monstro que pintam e que as mortes que lhe são atribuidas são uma mentira.

Comentar por Ninguém

Oh Paulo Silva, e o que é que o cu tem a ver com as calças? Eu não nego a existência de raças e que cada uma delas tem caracteristicas muito próprias.
Quando os indo-europeus chegaram à peninsula Ibérica, que eu saiba, isto aqui não era um deserto desabitado e, a não ser que os nativos tenham sido todos extreminados, houve mestiçagem. O que eu lhe perguntei, por curiosidade, foi se acha este tipo de mestiçagem aceitável só porque foi com brancos não semitas (penso eu, pois de genética não sei nada).

P.S. para o Arqueofuturista: se achar que isto é uma provocação, não tenha dúvidas em me censurar, afinal a minha liberdade de actuação e expressão acaba à porta de sua casa.

Comentar por Ninguém

Ninguém, não o persigo a si nem a nenhum comentador, apenas limitei-me a contestar uma tirada jocosa da sua parte ao referir-se aos meus níveis de tolerância, os quais são comprovadamente elevados pela atenção que lhe dispenso. Por isso, não se vitimize e reveja o comentário 47, reflectindo se o mesmo não era merecedr de resposta.

Não o censurarei enquanto não for insultuoso para os animadores do blog ou para com outros comentadores, o mesmo se aplicando a qualquer pessoa que aqui comente.

Fico sinceramente satisfeito por verificar que se opõe às leis liberticidas. Infelizmente a esmagadora maioria dos esquerdista e até alguns direitistas envergonhados são favoráveis às mesmas. Eu, tal como você, coloco no topo dos valores a proteger a liberdade, logo, creio ser tão legítimo apontar Estaline como o maior carniceiro da História, como negá-lo, e ainda qu esta última posição seja por demais soez proferi-la, estarei sempre na primeira linha na defesa pelo direito de quem quer que seja em a veicular.

Comentar por arqueofuturista

Já vi que o Arqueofuturista hoje está um bocado nervoso, até publica comentários em duplicado.
Não vou andar aqui em polémicas que não levam a nada mas vou dizer-lhe só mais umas duas ou três coisas.
Em primeiro lugar, você deve ser um sisudo do caraças, não tem sentido de humor nenhum.
Pois fui rever o comentário 47 e depois de reflectir, admito que merecia uma resposta mas não aquela que deu. Você acusa-me de não argumentar, mas eu digo-lhe novamente que aquilo a que você chama argumentar, para grande parte dos seus comentadores não passa de masturbações pseudo-intelectuais.
Quanto a ser soez dizer que Estaline não foi o maior carniceiro da história, sou capaz de estar de acordo consigo. Mas quero fazer-lhe uma proposta, que tal dar o primeiro lugar, ex-equo, deste sinistro ranking ao Estaline, e ao Hitler? Se quiser pode também juntar-lhe o Mao.

Comentar por Ninguém

Nervoso eu! De todo, apenas tenho o dedo rápido no teclado. Quanto aos seus considerandos, nota-se que é pessoa que não me conhece, pois não sou sisudo de forma alguma, muito pelo contrário, mas não tenho por hábito brincar com coisas sérias.

Referente àquilo que designa por “masturbações pseudo-intelectuais” dos comentadores, pois bem, é a sua opinião, eles terão certamente opinião idêntica em relação aos seus comentários, os quais, ao contrário dos deles, em caso algum deixaram percepcionar a sua opinião sobre o tópico em questão. Sobre os excertos ali publicados, nem uma palavra…

Por fim, a comparação que faz entre Hitler e Estaline tornou-se já um lugar comum entre a esquerda, um fetiche mesmo,curiosamente aquela esquerda que Lenine designava como a doença infantil do comunismo. Adiante, o reductio ad hitlerum não consegue todavia escamotear os milhões de vítimas do comunismo/esquerdismo e derivados (mais de 100 milhões é obra!). Querer incluir Hitler entre Estaline, Maozedong, Pol Pot, Lenine, entre outros torcionários de esquerda, é no minímo de mau tom, e mesmo doentio, pois é querer comparar o incomparável, estabelecendo uma hierarquização de quem matou mais, mas ao mesmo tempo desculpabilizando, como que batendo no ceguinho, Estaline e demais corja esquerdista com aquele que serve de bode expiatório para os males de todo o mundo na actualidade. Bom, uma coisa é certa e que afigura-se muito abonatória para o austríaco, Hitler não dizimou o próprio povo.

Resta-me concluir que o Ninguém insere-se na categoria daqueles esquerdistas que consideram que o ideal comunista é bom na sua natureza, mas que sofreu um ligeiro desvio com Estaline, e tal, enfim…

Comentar por arqueofuturista

“Resta-me concluir que o Ninguém insere-se na categoria daqueles esquerdistas que consideram que o ideal comunista é bom na sua natureza, mas que sofreu um ligeiro desvio com Estaline, e tal, enfim…”

Lá está o Arqueofuturista a deduzir erradamete das minhas palavras, já lhe disse mais do que uma vez que o meu amor pela Liberdade é genuíno, por isso não vá por aí que vai pelo caminho errado.

“Querer incluir Hitler entre Estaline, Maozedong, Pol Pot, Lenine, entre outros torcionários de esquerda, é no minímo de mau tom, e mesmo doentio, pois é querer comparar o incomparável”

Com que então eu é que sou “mesmo doentio”? Sabe, para mim, torcionários de esquerda ou de direita é tudo a mesma merda. E não me venha com estatisticas de milhões que isso comigo não pega.

Resta-me concluir que o Arqueofuturista, quando provocado, lhe foge a pena para a verdade e deixa cair a máscara. Afinal é um adepto do austriaco.

Comentar por Ninguém

“Hitler não dizimou o próprio povo”
fê-lo involuntáriamente, isso sim.
Arqueofuturista, senão fosse o assassíno do Estaline e a coragem e nobreza do povo Russo, se calhar estavamos agora a falar Alemão!

Mal ou bem, o passado é História!
É ridículo porem-se a discutir quem é o “mauzão” maior, principalmente quando se põem a dizer que são maus porque são maus. Entre Hitler e Estaline, Hitler sem dúvida! Quem apoiaria na II Guerra Mundial, Estaline, é claro!
Grande herói foi Sir Winston Churchill…

Comentar por D. Sebastião II

—> A LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA (neste caso) envolve uma declaração de guerra!
—> Neste caso, a guerra será contra a Inquisição Mestiça.

—> Há que mobilizar os pró-preservação das Identidades Étnicas Autóctones (90% ou 95%; nota: a definir)!
—> Os fundamentalistas (100%), se quiserem integrar/colaborar na guerra contra a Inquisição Mestiça, tudo bem! Senão, dediquem-se a uma das suas ocupações favoritas: rogar pragas ao mundo.
«… pode trazer complicaços para humanidade,por exemplo novas doenças ,anomalias mentais e físicas psique diferente para essas pessoas resultado da mestiçagem.Pode ser o fim da civilização a nível planetário…»

NOTA: A luta pela sobrevivência é uma coisa complicada e difícil… e os pró-preservação das Identidades Étnicas Autóctones (90% ou 95%; nota: a definir) tem mais que fazer do que andar a aturar os fundamentalistas (100%).

Comentar por pvnam

Paulo Silva,
revela poucos conhecimentos de genética:

“Porque esses ditos já brancos herdam genes de negros que transmitem aos seus descendentes por milhares de anos mesmo casem sempre com brancos.”
Todos herdámos genes de africanos. Os Europeus de origem Celta e Eslava (principalmente esta), principalmente, são o último passo em termos de evolução da espécie Humana mas as raízes distantes são africanas. Qualquer estudo genético simples corrobora isto. Logo, paranóias dessas só levam à abolição do conceito de Raça que não significa um subespécie pura, livre de influências de outras subespécies, mas sim uma identidade Biológica estável e divergente da outra. Indíviduos podem ser assimilados a longo tempo, povos inteiros nunca o serão.

“Esses genes ao desaparecer ao fim de milhares de anos vão dar origem por mutações genéticas ao aparecimento de novos genes desconhecidos que geneticistas não compreendem e pode trazer complicaços para humanidade,por exemplo novas doenças ,anomalias mentais e físicas psique diferente para essas pessoas resultado da mestiçagem.”
Um bom Inglês diria: Utterly Ridiculous!
Aliás passa-se exactamente o contrário! Essas anómalias de que o Paulo Silva fala acontecem exactamente quando há grande consanguinidade entre casais. Quando há relações num ciclo restrito de familiares (primos, por exemplo) a consaanguinidade torna-se num problema. Ao longo de gerações vai desencadear todas essas anormalias. Por exemplo, as casas Reais Europeias e Egípcias sofriam de deformações várias devido á consanguinidade. O Rei Filipe IV de Espanha, tinha uma deficiência comum entre os Reis da Europa que o impedia de mastigar (ver habsburg chin). A Mestiçagem enriquece a diversidade genética das populações que se mescigenam mas empobrece a Humanidade e é anti Natura pois acaba com especificidades dos povos e milhares e milhares de anos de evolução do que de melhor a Natureza nos providênciou. Essa medianização do Homem não o benificia, torna-o mais fraco pois as diferenças das raças que vemos são caminhos que a Natureza criou com a finalidade de criar uma espécie superior que substitua as outras, inferiores e menos bem sucedidas. Foi assim que o Homo Sapiens Sapiens estinguiu o Neandertal e foi devido a essa razão. Por muito que uma determinada raça pareça superior, estamos muito, mas muito longe de ver no futuro essa raça biológicamente superior. Aliás o caminho da Natureza está a ser tolhido pela misceginação. É um voltar as costas a milhares de anos de evolução Natural independente. Tendo em conta que os Africanos são os Homens mais primitivos e, desta feita, encerram neles o cerne da Humanidade, os Arborígenas Australianos são a raça mais divergente dos africanos a uma distância de dez por cento da distância entre um africano e um chimpazé. Faltam 90% para se tornrem noutra espécie biológica (uns 150 mil anos, não sei…).

“Pode ser o fim da civilização a nível planetário.”
Não seja tão dramático! A este ritmo, apenas a Civilização mais bem sucedida cairá, as outras manter-se-ão de pé.
Talvez possamos compreender melhor o que se passa hoje com a Civilização Europeia se encontrarmos respostas para o porquê de outra Civilização aparentemente superior (A Indiana pré Ariana, de Harapa ou Mohenjo Daro) ter caído após o confronto com os aparentemente inferiores arianos na Índia.

“Com todo o respeito aceito as criticas de todos”
Então espero que não se chateie com o que agora lhe digo, mas acho a sua abordagem contra produtiva.

“Quando os indo-europeus chegaram à peninsula Ibérica, que eu saiba, isto aqui não era um deserto desabitado e, a não ser que os nativos tenham sido todos extreminados, houve mestiçagem.”

Olhe que não sei… para já… não tenho provas,ainda não me conseguiram provar isso. O que eu vi provado foi quecerca de 5% da população Ibérica é descendente desses Iberos e estão concentrados no Sul e Sudeste da Península. (mais ou menos).
Também há por aí teorias que assentam na teoria da origem Europeia dos Indo-Europeus e que relacionam os haplogrupos R1b a proto-celtas e R1a a proto-Eslavos.
Teoria interessante mas com muitos senãos.
No entanto, os Portugueses são esmagadoramente Celtas, senão aconelho-lhe ler ora Marítima e ver a(s) freaquência(s) do haplogrupo R1b em Portugal e na Europa.

Espero ter me feito entender, boas tardes.

Comentar por D. Sebastião II

E verdade Quando os indo-europeus chegaram a peninsula e vastas zonas da Europa ja havia Aciente- Europians.No caso da peninsula Iberica havia os Ibieros , decendentes dos povos neoliticos da Peninsula Iberica .Eu ate vi um decomentario Espanhol que passou na televisao Portuguesa na RTP2(nao na SIC-GLOBO) os Iberos los principes de lo occidente no qual destacava a civilizaçao de Tartessos na regiao do rio guadalquivir ,falou po exemplo da escrita ainda nao deçifravel e falou da famosa Dama de Helche . (parece que e assim que se escreve) os Acient-Europians mais os Imdo-Europeus fundiram-se com os antigos Europeus e eses indo-europeus imposeram-se praticamente em toda a Europa dando origem civilizaçao greco-romanica com a invasao germanica o imperio Romano deu origem aos reinos futuros paises da Europa . Fazendo que com o resto do Mundo se organizarem Paises. Em algumas partes da Asia e Africa esta muito dificil.

Comentar por Paulo Silva

Numa soçiedade indo-europeia tri-funçional a sociedade e composta por 3 funcoes.Uma funçao religiosa ,uma funçao gerreira e uma funçao de produtora .Eos povos imdo-europeus da idade media adaptaram o cristianismo de origem semita a soçiedade indo-europeia dos reinos romano-germanicos ,ou seija o CLERO A NOBRESA E O POVO LIVRE mas que prestava vassalagem aos senhores da nobresa em caso gerra e em caso de paz cultivavam as terras dos nobres ,por sua vez o rei o maior de todos os nobres prestava vassalagem ao papa de Roma.Por exemplo nas cruzadas de iniciativa do clero ou da curia papal.

Comentar por Paulo Silva

E na idade media para nao haver mestiçagem os mouros viviam em bairros propios so para eles ,que eram as mourarias e a partir de uma certa hora tinham-se recolher nos tais bairros e os judeos tinham que fazer o mesmo nos bairros chamados de judiarias embora os judeos apoiavam isso ,porque eles nao queriam misturas com os cristaos.Por isso a soçiedade moderna para Antonio Sardinha tinha que ser uma adaptaçao dos valores da idade media com os valores da civilizaçao actual.

Comentar por Paulo Silva

P.S.
—> Por ‘guerra contra a Inquisição Mestiça’ entenda-se a luta pelo legítimo Direito ao SEPARATISMO…

Comentar por pvnam

«Resta-me concluir que o Arqueofuturista, quando provocado, lhe foge a pena para a verdade e deixa cair a máscara. Afinal é um adepto do austriaco

Ninguém, a conclusão é sua, embora não tenha lido qualquer frase minha nesse sentido. Eu simplesmente não aceito que os esquerdistas utilizem o reductio ad Hitlerum sempre que lhes é conveniente para desviar as atenções dos crimes cometidos pela ideologia que defendem, além de se afigurar como um exercício pueril do tipo “nós fizemos mal, mas ele também fez”.

Comentar por arqueofuturista

“Hitler não dizimou o próprio povo”
«fê-lo involuntáriamente, isso sim

DS2, não se pode imputar a Hitler a morte de milhões de alemães num conflito à escala global. Enquanto que os comunistas mataram e matam o próprio nome em nome da luta de classes e das revoluções culturais, nenhum ditador de direita, fascista ou nacional-socialistaalguma vez realizou o genocídio programado dos povos que governavam. É o próprio historiador judeu Zeev Sternhell quem o afirma.

«Arqueofuturista, senão fosse o assassíno do Estaline e a coragem e nobreza do povo Russo, se calhar estavamos agora a falar Alemão

Isso é uma conclusão absurda por redutora que é. Estaline colocou metade da Europa a falar russo, os norte-americanos meteram a outra metade a falar inglês. Perduraram estes últimos e hoje as nossas crianças aprendem inglês na primária. Portanto, deixe-se de lugares comuns porque isso é verborreia que transmite o canal História e seus congéneres. A verdade e a objectividade devem ser sempre premiadas, se não em breve estaremos inseridos no rebanho.

«Mal ou bem, o passado é História!
É ridículo porem-se a discutir quem é o “mauzão” maior, principalmente quando se põem a dizer que são maus porque são maus. Entre Hitler e Estaline, Hitler sem dúvida! Quem apoiaria na II Guerra Mundial, Estaline, é claro

É indubitavelmente ridículo discutir quem é o mauzão, mas torna-se mai ridículo alguém escrever, mesmo depois de ler História, conhecer os factos, que entre Hitler e Estaline opta pelo segundo. Uau, estou impressionado.

«Grande herói foi Sir Winston Churchill…»

A sério,aquele Churchill que combateu no Afeganistão, no Sudão, etc, contra os povos autóctones para dilatar o Império Britânico, sim, porque em matéria de Imperialismo Churchill tem muito a ensinar, se bem que a sua mestria residisse na hipocrisia.

Comentar por arqueofuturista

“DS2, não se pode imputar a Hitler a morte de milhões de alemães num conflito à escala global. Enquanto que os comunistas mataram e matam o próprio nome em nome da luta de classes e das revoluções culturais, nenhum ditador de direita, fascista ou nacional-socialistaalguma vez realizou o genocídio programado dos povos que governavam. É o próprio historiador judeu Zeev Sternhell quem o afirma.”
Sim, sem dúvida. Tem toda a razão! Aliás, Hitler não declarou a II Guerra Mundial, esta foi-lhe declarada a ele.
Queria apenas lembrar que morreram muitos, mas muitos mais Alemães nesse conflito que Franceses, Britânicos e Americanos juntos. Daí ter dito que “o fêz mas involuntáriamente”.

“… depois de conhecer os factos, que entre Hitler e Estaline opta pelo segundo. Uau, estou impressionado.”
Arqueofuturista, atente com mais atenção no que escrevi:
“Entre Hitler e Estaline, Hitler sem dúvida! Quem apoiaria na II Guerra Mundial, Estaline, é claro!”. Saliente-se o “quem apoiaria na II Guerra Mundial”. Não se esqueça que por muito ódioso que seja o Comunismo e Estaline, quem começou a “Grande Guerra Patriótica” foi Adolf Hitler. Entre defensores da Europa contra o Comunismo, Winston Churchill está muito á frente de Adolf Hitler.

E por falar em verborreia, Hitler, tal como Napoleão, se estivessem vivos seriam sérios opositores aos seus valores, Arqueofuturista. Não passavam ambos de conquistadores que viam os seus povos como superiores aos restantes povos Europeus, e criam portanto ver uma Europa étnicamente limpa, sim, mas subjugada aos seus respectivos povos.
E é aqui que resplandesce o valor histórico do Reino Unido, Grã-Bretanha, ou Inglaterra porque, por muito “maus” que tenham sido perante Escoceses, Galeses e Irlandeses, têm Históricamente lutado por uma EUROPA DAS NAÇÕES, em vez de uma Europa subjugada a uma Nação Europeia. Seja em Waterloo como na Normandia, era disso que se tratava.

PS- Como se pode criticar Churchill e exaltar Vasco da Gama? Como se pode criticar Cecil Rhodes e exaltar o Infante D. Henrique?

Comentar por D. Sebastião II

Sim realmente e verdade ,quando o Sara se tornou arido incluindo o territorio da actual Arabia Saudita . Houve popolaçoes que se deslocaram para norte e outras para o sul, isto dizem os entendidos em historia do clima que foi mais ou menos 6000 anos mas essas popolaçoes alcançara tambem o norte da Europa o H21 em Portugal segundo o dr Amorim que e geneçista do ipatnup uma instituiçao cientifica do Porto, ele diz o seguinte o H21 e um marcador genetico caractristico da popolaçoes do norte de africa por exemplo dos mouros e o estudo que ele apresentou sobre a prevalençia do H21 na popolaçao Portuguesa foi norte do douro 11% centro16% e Algarve 24% isto apareçeu publicado na revista Focus( Portugueses com sange mouro). Ele enganou muitos Portugueses . Porque quando os mouros invadiram a Peninsula Iberica o H21 ja ca existia na Peninsula Iberica mas tambem nos outros paises da Europa . num estudo de de varias universidades estrngeiras o H21 aparece numa media de por exemplo na Finlandia 2% Portugal e Espanha e na antiga Yougoslavia 12% atençao a media da Greçia 25% França 5% ate o tal H21 aparece no leste da Europa. Tudo isto tem mais ver a desertificaçao do Sara, como e natural a maior freçuençia do marcador genetico H21 e mais frecuente nos paises do Magrebe.

Comentar por Paulo Silva

Estava um bocado à pressa, e por isso no meu último post não respondi convenientemente ao Arqueofuturista o que passo a fazer agora, prometendo que por aqui me fico.

Em primeiro lugar, quero dizer-lhe que os carniceiros não se classificam pelo número de mortos que provocaram. Além do instinto assassino que caracteriza cada um deles, o resto é tudo uma questão de oportunidade, tempo, mão de obra e matéria prima, mate mil ou um milhão, assassino é assassino. Ao contrário do que você diz, nada abona a favor de nenhum deles.

“Resta-me concluir que o Ninguém insere-se na categoria daqueles esquerdistas que consideram que o ideal comunista é bom na sua natureza, mas que sofreu um ligeiro desvio com Estaline, e tal, enfim…”

Ora ai está você, mais uma vez, a tirar ilações (ou serão nabos da púcara?) sobre a minha pessoa. Está muito enganado, desde o 25 de Abril passei por tudo o que foi verões quentes e invernos frios mas nunca sofri de qualquer maleita infanto-esquerdista. Fique você descansado, não tenho cicatrizes de nenhuma espécie e não sofro de nenhum sindroma de orfandade. Já quanto a si não sei, dá-me a impressão que há qualquer coisa que lhe atormenta a alma, se é isso, nada melhor que uma confissão ou retratação pública para lhe resolver esse problema.

“Ninguém, a conclusão é sua, embora não tenha lido qualquer frase minha nesse sentido.”

Claro que a conclusão é minha. Você bem tenta, mas a pele de cordeiro fica-lhe mesmo curta, quando puxa de um lado aparecem as garras, quando puxa do outro vemos-lhe os dentes.

Passe bem e vá mas é tratar-se.

Comentar por Ninguém

Carai! Arqueo tens cá uma pachorra para aturar o Pantera disfarçado de D. Sebastião e esse comuna mal reciclado do Tenebroso/Ninguém que é obra. Nem um padre no confesionário conseguia ter paciência para esses dois anormais.

Comentar por Zás-rás

«Sim, sem dúvida. Tem toda a razão! Aliás, Hitler não declarou a II Guerra Mundial, esta foi-lhe declarada a ele.»

Não sei se está a ser irónico ou não, mas em todo o caso é verdade aquilo que escreve. mais acrescente-se que as potências que declararam guerra à Alemanha não o fizeram à Rússia no momento em que esta invadiu a Polónia. Estranho…

«Queria apenas lembrar que morreram muitos, mas muitos mais Alemães nesse conflito que Franceses, Britânicos e Americanos juntos. Daí ter dito que “o fêz mas involuntáriamente”.»

Sim é igualmente verdade, moreram muitos mais alemães do que franceses, ingleses e americanos juntos, mas não foram em caso algum vitimas do regime hitleriano, mas antes daqueles que diziam ser seus libertadores.

«Arqueofuturista, atente com mais atenção no que escrevi:
“Entre Hitler e Estaline, Hitler sem dúvida! Quem apoiaria na II Guerra Mundial, Estaline, é claro!”. Saliente-se o “quem apoiaria na II Guerra Mundial”. Não se esqueça que por muito ódioso que seja o Comunismo e Estaline, quem começou a “Grande Guerra Patriótica” foi Adolf Hitler.»

É engraçado que rediga com tanta segurança tal afirmação, quando são os arquivos russos a demonstrarem que a invasão da URSS foi aquilo que actualmente se designa por guerra perventiva por parte do III Reich. Mais dois aspectos a salientar: 1)
As tropas alemãs foram recebidas como libertadoras e só passaram a ser encaradas como ocupantes indesejados pelo comportamento execrável de algumas unidades do seu exércto.
2) Curioso que a guerra contra a Alemanha por parte da URRS só resultou a partir do momento em que Estaline abandonou o discurso bolchevista em proveito do discurso patriótico, o que só demonstra quão aglutinador consegue ser o comunismo…

«Entre defensores da Europa contra o Comunismo, Winston Churchill está muito á frente de Adolf Hitler.»

Claro que encaro tal tirada como uma piada, ainda que bem seca. Recordo que o General Patton após a derrota da Alemanha proferiu estas palavras; “Enganámo-nos no inimigo!”. De Churchill, que perdeu as eleições logo após o termo da II GM, não conheço qualquer tentativa para impedir a expansão do comunismo.

«E por falar em verborreia, Hitler, tal como Napoleão, se estivessem vivos seriam sérios opositores aos seus valores, Arqueofuturista. Não passavam ambos de conquistadores que viam os seus povos como superiores aos restantes povos Europeus, e criam portanto ver uma Europa étnicamente limpa, sim, mas subjugada aos seus respectivos povos.»

Em parte verdade, em parte falso. Verdade que tanto Napoleão quanto Hitler encaravam os respectivos povos que dirigiam como superiores (um assente na forma política resultante da Revolução Francesa o outro em termos rácicos), contudo, essa da “Europa etnicamente limpa” é um disparate propalado pelos vencedores. Por falar nisso, quemdesejava a obliteração do povo alemão era o norte-americano Henry Morgenthau, mas esta é uma verdade inconveniente…

«E é aqui que resplandesce o valor histórico do Reino Unido, Grã-Bretanha, ou Inglaterra porque, por muito “maus” que tenham sido perante Escoceses, Galeses e Irlandeses, têm Históricamente lutado por uma EUROPA DAS NAÇÕES, em vez de uma Europa subjugada a uma Nação Europeia. Seja em Waterloo como na Normandia, era disso que se tratava.»

Uma vez mais demonsra ingnorar a realidade histórica e política da actuação da Grã-Bretanha, a qual nunca em caso algum se empenhou por uma Europa das nações o pelo quer que tenha a ver com a Unidade europeia. O seu papel actual na UE é disso testemunha.

«PS- Como se pode criticar Churchill e exaltar Vasco da Gama? Como se pode criticar Cecil Rhodes e exaltar o Infante D. Henrique?»

Mas que disparate, que enormidade, que bestialidade! Acaso alguma vez se pode comparar um balofo hipócrita e mentiroso, um homem que tudo fez para dilatar o imperialista britânico mas que opos-se beligerantemente ao II Reich em nome da democracia e liberdade dos povos, com os nossos ilustres Vasco da Gama e D. Henrique que nunca em caso algum, mesmo tendo em conta as diferenças conjunturais, actuaram falsamente em nome da liberdade dos outros povos? É caso para bradar aos céus perante esta imbecilidade.

Comentar por arqueofuturista

»Estava um bocado à pressa, e por isso no meu último post não respondi convenientemente ao Arqueofuturista o que passo a fazer agora, prometendo que por aqui me fico.»

É melhor mesmo ficar-se por aqui, já começa a a cheirar demasiado a maconha.

«Em primeiro lugar, quero dizer-lhe que os carniceiros não se classificam pelo número de mortos que provocaram. Além do instinto assassino que caracteriza cada um deles, o resto é tudo uma questão de oportunidade, tempo, mão de obra e matéria prima, mate mil ou um milhão, assassino é assassino. Ao contrário do que você diz, nada abona a favor de nenhum deles.»

Não me atribua intenções nem palavras como é seu apanágio. Você é que procurou, numa base comaparativa, desculpabilizar o Paizinho dos Povos com o Führer. Não o vi em todo o caso a denunciar o comunismo como ideologia errada e criminosa que é, nem sequer os seus dirigentes mais conhecidos. O seu silêncio é revelador…

«dá-me a impressão que há qualquer coisa que lhe atormenta a alma, se é isso, nada melhor que uma confissão ou retratação pública para lhe resolver esse problema.»

Pois, pois, a velha táctica de desviar a atenção de si atribuindo falhas ao outro. Aprendeu isso onde, nos Pioneiros do PCP, nos cursos sobre engenharia social da JCP?

«Claro que a conclusão é minha. Você bem tenta, mas a pele de cordeiro fica-lhe mesmo curta, quando puxa de um lado aparecem as garras, quando puxa do outro vemos-lhe os dentes.
Passe bem e vá mas é tratar-se.»

Anda a ler o Capuchinho Vermelho? Será pelo Lobo mau ou pela cor vermelha do Capuchinho? Quiçá seja o vermelho de sangue do tiro na nuca, por certo o tratamento que você me aplicaria.

Comentar por arqueofuturista

Por fim em jeito de concluzao Portugal aos Portugueses nativos . Imigraçao e mestiçagem sempre nao .Sim ao apoio e incentivos a natalidade de Portugueses nativos.Por um Portugal etno -raçico-cultural Europeu. e saudaçoes para todos e obrigado ao ARQUEU por nos dar este espaço livre para debatermos as nossas ideias com todo o respeito entre os parteçipantes. OBRIGADO

Comentar por Paulo Silva

o dr Amorim que e geneçista do ipatnup uma instituiçao cientifica do Porto, ele diz o seguinte o H21 e um marcador genetico caractristico da popolaçoes do norte de africa por exemplo dos mouros e o estudo que ele apresentou sobre a prevalençia do H21 na popolaçao Portuguesa foi norte do douro 11% centro16% e Algarve 24% isto apareçeu publicado na revista Focus( Portugueses com sange mouro). Ele enganou muitos Portugueses .

Ele não enganou os portugueses, tu é que podes não gostar da verdade cientifica por ele apresentada, esses valores foram confirmados por varios estudos, em alguns casos com valores bem maiores para a regiao centro e sul.

Comentar por Anónimo

Entao ja ouvistes falar no marcador genetico U6 que e caratristico no sexo femenino nas mulheres do norte de Africa.Sabes aonde ele abunda mais e dr.Amorim diz isto so os historiadores podem Explicar.E no norte -oeste de Portugal a frequencia vai diminuindo para norte na direçao da Galisa e para sul em direçao ao distrito de Aveiro. Veio publicado no Diario de Noticias ,o artigo era do dr. Amorim com o titulo. MOUROS NO SUL E MOURAS NO NORTE. Atençao marcador genetico U6 so pode apareçer no sexo femenino.Amorim punha a hipotese de os senhores feudais do noroeste levarem escravas mouras para trabalhar na suas terras incluindo mouros ,os homens livres ainda que muitos eram servos ,eram atraidos por regalias que os conçelhos do centro e sul davam para ajudar o povoamento .E os nobres de entre o Minho e Douro presizavam de mao de obra para cultivar as suas terras.A popolaçao livre era atraida para sul do Douro onde dominava o regime de concelhos.E a norte era um regime feudal tipo servos da gleba.Os nobres no norte tinham relaçoes sexuais com as mouras escravas.Ja pensastes nisso?

Comentar por Paulo Silva

Oh Paulo Silva e Anónimo, tudo isso são questões gravissimas. Têm de ser tomadas medidas drásticas, talvez hemodiálise, no sentido de limpar esse mau sangue. Alguém tem ideias?

A colonização da Madeira foi feita por muitos algarvios o que significa antepassados mouros. Miguel, bem sei que és um branquelas, mas como é que vais descalçar esta bota? Se fosse a ti ia já fazer um exame genético.

P.S. 1: o Arqueofuturista já pensou oferecer um corrector ortográfico a este seu comentador?

P.S. 2: noutros tempos fumei umas ervitas, e você o que é que injecta?

Comentar por Ninguém

purismo paranoico e primário??
quem me parece que está paranoico e primário sao os que disseram isso. Acho que já apanharam uma boa lavagem cerebral e manipulação por parte dos media e já vêem coisas onde elas não estão. Mal se fala em evitar mistura e preservar raça, já devem pensar que são automaticamente nazis, skins e que querem purismos impossiveis, matar e fazer holocaustos.

“Já ouviram falar em Mouros, Turcos, Mongóis, Hunos, Saamis, Albaneses ou Iberos? E Húngaros? Já ouviram falar em Húngaros?”

Ninguém aqui falou em purismo impossivel, ninguém aqui falou em identificar ou mandar embora todos os europeus com antepassados ou genes não europeus, pois como já todos sabemos, não ha um unico europeu que não tenha um antepassado mongol, mouro e de outros povos das “redondezas”.
O que se falou aqui e é bem diferente, foi de manter a nossa raça como é hoje, ou seja, sem antepassados da Africa Sub-sariana, sem genes negros. Todos os europeus têm antepassados e portanto genes, haplogrupos, de mouros, mongois, fenicios, turcos, etc, mas o que não têm é genes da Africa Sub-Sariana.
Só uma muito minoria de brancos europeus actualmente a tem e deve haver identificação no BI, para podermos saber imediatamente quem tem ou não tem e assim no futuro ainda podermos ter grupos de europeus com uma linhagem sem genes sub-sarianos. Isto não se trata de pureza, nem radicalismos, nem nazismos, mas sim de preservar a nossa raça, mantê-la como é hoje.

Sem esse BI daqui a 1000, 2000 anos todos os europeus terão genes sub-sarianos e mesmo que seja em pouca quantidade é pessimo. Ter antepassados sub-sarianos não é como ter antepassados de povos “brancos” como saamis, mongois, mouros, fenicios, etc. E assim todos os europeus daqui a 1000 anos serão como os brasileiros brancos cujos antepassados já vivem aí ha 10 ou 20 gerações, ou seja brancos cheios de mistura e bastantes furos abaixo dos europeus. O mesmo se passa com os Americanos que já estão na América ha muitas gerações. Por alguma razão é que as empresas americanas têm tanta necessidade de importar cientistas da Europa e do Japão.

Seria interessante também saberem a diferença de QI entre negros puros e negros com mistura branca, mas que parecem negros. A diferença é grande e os negros com mistura branca dos EUA têm um QI muito superior aos “puros”. Agora imaginem o inverso, os europeus “puros” e os europeus com antepassados negros.
Ah e como sempre convém dizer que esses estudos são feitos em igualdade de circunstâncias. São feitos conforme o ambiente em que vivem, conforme o dinheiro que têm, portanto não venham com a velha historinha de que os resultados tinham de ser diferentes porque uns vivem bem e os outros vivem em campos de refugiados a morrer à fome.

Os negros têm um esfenoide muito atrasado o que lhes faz com que tenham maxilares muito para a frente e cerebros mais pequenos. A minima mistura com este gente poderá trazer consequências nefastas imprevisivéis no futuro e mesmo atrasar ou parar o desenvolvimento da nossa raça.

Se vocês não se importam de ter descendentes com genes negros, então ide para os EUA e Brasil e misturem-se à vontade com qualquer branco. Agora não é justo que por alguns serem mais desleixados e pouco conscientes da realidade, os outros paguem, ou melhor todos os europeus paguem e não tenham a opurtunidade e escolha de criar uma descendência e grupos de europeus sem misturas.

Não ha mal nenhum em ter um BI a indicar os brancos que não têm genes sub-sarianos e os que têm. Também temos no BI a zona em que nascemos, a altura, o peso e outros dados. Numa sociedade saudável (sem propagandas anti-preservação, anti-raças, anti-tudo) não haveria problema rigorosamente nenhum e seria muito muito aplaudido como também hoje aplaudimos os métodos de preservação, de pureza e o evitar de misturas de raças de animais (ex: cavalo lusitano).
Portanto não comecem já a fazer os filmes e os pesadelos que os mass media vos pôe na cabeça que isso não tem mal rigorosamente nenhum, antes pelo contrário.
Aliás com um BI assim, nem era preciso expulsar imigrantes (podiamos fazer a vontade aos esquerdistas) e mesmo num país como o Brasil era possivel criar uma linhagem de europeus sem futuras misturas, pois era fácil identificar esse grupo e caso eu fosse desse grupo, tivesse consciência, iria fazer com que os meus descendentes fossem de uma pessoa cujo seu BI dissesse que era europeu sem genes negros. Mesmo que eu fosse inconsciente e não me importasse com misturas, poderia ter a sorte de ter filhos com uma europeia sem genes negros e os meus filhos e netos poderiam ser conscientes e dar valor a essa “pureza”, e assim saberiam o que eram e poderiam fazer uma escolha racional e continuar a escolher relacionarem-se só com europeus sem genes negros.

Deve haver essa possibilidade de escolha para quem quer. Deve-se criar condições para pessoas mais conscientes como eu e o Paulo Silva e outros futuros europeus possam escolher (especialmente no futuro, pois o numero de brancos com genes negros daqui para a frente vai aumentar enormemente, basta fazer as tais contas, 1×2=2 2×2=4 4×2=8, se não houver o tal BI no futuro todos terão).
Assim quem quer escolhe e o DS2 como não se importa poderá ter a sorte de arranjar uma mulher branca com genes negros e fazer a sua escolha conscientemente e não na ignorância do terá? não terá?
E assim com essa identificação os que são conscientes optarão por nunca criarem descendência com descendentes do DS2 e estaria o problema resolvido, mais que resolvido.

Comentar por Zagas

Paulo Silva qual é a percentagem do u6 no norte?

Comentar por Anónimo

No diario de Noticias em titulo na primeira pagina -MOUROS NO SUL E MOURAS NO NORTE-o desenvolvimento da noticia estava nas paginas interiores do jornal mas nao falava em percentagens. e dr.Amorim referia-se ao tal U6 que apareçia norte do Douro mas desapareçia na Galisa e desapareçia sul do Douro.Fiquei triste porque somos um de etnia e cultura Europeia .Nao sou originario do norte do Douro sou deçendentes de Beiroes vivo normalmente em Coimbra. Mas nao e por causa destes pequenissimos premenores que nos devemos mistiçar com Africanos Brasileiros,Chineses Marroquinos etc.talvez ja foi a Lisboa ao domingo aquilo nem parece uma cidade capital de um pais Europeu, se for para zona do Martim Moniz e uma tristeza total e pelos arredores de Lisboa incluindo a margem sul ja ha muita mestiçagem se for a Costa da Caparica so aparece Brasileiros que sao o povo mais mestiço do Mundo Sntra Eriçeira a mesma coisa e so Brasileiros.E assim Amigo saudacoes.

Comentar por Paulo Silva

Zagas disse: «pois como já todos sabemos, não ha um unico europeu que não tenha um antepassado mongol, mouro e de outros povos das “redondezas”.
O que se falou aqui e é bem diferente, foi de manter a nossa raça como é hoje, ou seja, sem antepassados da Africa Sub-sariana, sem genes negros»

Ser Identitário é ser pela preservação dos genes europeus, ou é ser contra os genes negros?

No comentário número 40 viu-se que um indivíduo com um bisavô não-europeu, será 87,5% (7/8) europeu.
Em vez de se procurar os genes não-europeus, deve-se, isso sim, procurar os genes europeus.
Com 90%, ou 90 e tal por cento, um indivíduo já deveria ser considerado europeu? Isto é que deve ser discutido! Pois, ser Identitário é ser a favor da preservação dos europeus, e não, ser contra os outros!

Comentar por interrogações

«ser Identitário é ser a favor da preservação dos europeus, e não, ser contra os outros!»

Nem mais, isso é o essencial, aquilo que importa. Discutir sobr a porção de sangue misturado, a quantidade de genes mouros, etc., pode ser intelectualmente estimulante, mas nesta altura não conduz a nada.

Comentar por arqueofuturista

O Arqueo que me desculpe mas não resisto a meter a minha colherada. Bem sei que não é argumentativa, mas suponho que posso pedir esclarecimentos.

Penso (digo penso, porque não tenho a certeza) pertencer ao número daqueles que podem ser enquadrados nos critérios raciais/culturais que, segundo os identitários e outros racialistas (racistas?), caracterizam os portugueses. Por isso, julgo-me no direito de questionar essas teorias. E Arqueo, faça-me esse favor, não me apelide de esquerdista ou outra merda qualquer do mesmo tipo.
O Zagas faz para aqui uma lista de acções que segundo ele são essenciais para precavermos a mestiçagem. A do BI com indicações genéticas, por exemplo, é do melhor que já vi. Mas, pergunto eu, o Zagas tem legitimidade para fazer tal proposta? Tem ele assim tantas certezas sobre a sua própria pureza racial, que provas tem para nos apresentar, onde é que fez essas análises?

Cumprimentos

Comentar por Ninguém

Paulo Silva não respondeste à pergunta, será que estás com vergonha de comparar as baixas percentagens do u6 no norte?
É que a percentagem de u6 no norte é certamente inferior à percentagem de genes negros no centro de Portugal.

Fico à espera da tua resposta

Comentar por Anónimo

Anónimo, qual a percentagem de genes negros que tu tens?
Por acaso estou curioso.

Fico a aguardar a tua resposta.

Comentar por Ninguém

Amigo nao tenho hipotese de responder sobre as percentagens do marcador genetico U6 no norte do Douro. No diario de notiçias tinha como titulo na primeira pagina MOUROS NO SUL E MOURAS NO NORTE com o desenvolvimento do estudo nas paginas centrais e o estudo era do dr. Amorim de uma instituiçao cientifica do Porto se nao me engano era o IPATIMUT.Mas isto e o sistema quer que nos Portugueses geneticamente Europeus segundo um estudo do dr.Lavinha do instituto Ricardo Jorge, tambem no diario de noticias.Quer que nosso povo se mestiçe com os Brasileiros e africanos. dizia que o povo portugues nativo e Europeu apesar de haver na zona de Alcaçer do Sal e zona de Coroche haver popolaçao nativa portuguesa com um nivel de marcadores geneticos Africanos açima da media que dr Lavinha claçificava de bolsas no rio Sado e no rio Sorraia.Somos um povo Europeu como os Italianos Franceses etc.Hoje fiquei contente quando vi um progama na sic noticias sobre a legalizaçao de imigrantes e ao mesmo tempo estava a decorrer uma sondagem se os portugueses queriam legalizar mais imigrantes e no fim o resultado foi o SIM-30% e o NAO-70% ou seija os Portugueses nao querem mais imigrantes.

Comentar por Paulo Silva

Todos os europeus têm antepassados e portanto genes, haplogrupos, de mouros, mongois, fenicios, turcos, etc, mas o que não têm é genes da Africa Sub-Sariana

Para tua informação, também há sangue negro na Holanda, na Bélgica, em França, em Inglaterra e até na Alemanha, mas em baixíssimas percentagens, pelo que não altera a identidade racial destes povos.
O mesmo sucede no caso dos Portugueses todos, de norte a sul. Esse argumento teu não tem pois qualquer cabimento.

Comentar por Caturo

Ou seja, também não é por aí que justificas o saloio e rancoroso separatismo «nortenho».

Já agora, só assim à laia de chatice acrescida, ficas a saber que há mais sangue negro no norte de Portugal do que na Andaluzia.

Comentar por Caturo

Portugal e UNO_INDIVISIVEL. Mas ha nortenhos que gostavam de um pais no noroeste, ou seija a a uniao da galiza com a parte norte de Portugal(norte do rio Douro). Concordo com as afirmaçoes do 84.Caturo. Acreçentando por exemplo a influencia do Hunos na Europa central os Magiares na Hungria os Mongois de Gengis Kan na Europa de leste etc.

Comentar por Paulo Silva

Paulo Silva ficou claro que não sabes qual é a percentagem do u6 no norte.

Quanto ao Caturo, só assim à laia de chatice acrescida, ficas a saber que há de facto sangue negro em muitos sitios, mas em nenhum outro sitio na Europa há tanto sangue negro como na tua terra.

Comentar por Anónimo

Nao sei no jornal nao falava de percentagens e eu nao vivo na zona do Porto nem conheço pessoalmente ningem do ipatimup.Se tu es estudante e vives na zona do Porto talvez tenhas facilidades de contactar a instituiçao.Eu vivo na zona centro conheço mal a cidade do Porto.Realmente e verdade inegavel a zona de Portugal a norte do rio Douro foi a zona que menos tempo esteve sob o dominio dos Mouros, no ano de 750 o reino das Asturias ja tinha alcançado o rio Douro na zona do futuro Portugal. Peço desculpa pelos meus erros ortograficos . Saudaçoes amigo

Comentar por Paulo Silva

Estou pessoalmente farto destas conversas, e bem sei que ningém me obriga a responder, mas aqui vai…

Usando os conhecidos valores do estudo de Pereira et. al. :

Quanto ao U6:

Percentagem de U6/U6a/U6b no Norte: ~7%
Percentagem de U6/U6a/U6b no Centro: ~0%
Percentagem de U6/U6a/U6b no Sul: ~0%

Quanto aos L:

Percentagem de L1b/L2/L3 no Norte: ~0%/3%/2% (~5%)
Percentagem de L1b/L2/L3 no Centro: ~1,2%/2,4%/6,1% (~9,7%)
Percentagem de L1b/L2/L3 no Sul: ~1,7%/1,7%/3,3% (~6,7%)

Estão divididos porque o L3 é de atribuição duvidosa por si só visto ser também encontrado sem qualquer influência subsariana na Europa.

Quatro pontos:

* O U6 não é obrigatoriamente de origem mauritana. É possível que preceda em muito qualquer invasão muçulmana e seja pelo menos em parte de origem autoctone, pré-neolitica. Existem sequências de U6 que só são encontradas em Portugal, por exemplo.

* Além da questão do L3, parte do L1b é também de origem anterior a qualquer comércio esclavagista, representando “relíquiias” de migrações neolíticas (razão pela qual se encontra de forma residual em toda a Europa). Ver Gonzalez et. al, “Mitochondrial DNA affinities at the Atlantic Fringe of Europe” “…it seems plausible that they could also have reached the Iberian Peninsula across the Gibraltar Strait, meaning that the L haplotypes detected in southern Portugal could be the result of African Neolithic influence in this region. The presenc
of U6 only in the northern Iberian Peninsula could represent the remnants of a pre-Neolithic expansion from northwest Africa to the Iberian Peninsula….”

* Tudo isto é mtDNA. Não há YDNA de origem subsariana em Portugal. Isto significa que qualquer tentativa de “contabilização genética” seria dividida por dois: 2,5% para o Norte, 4.8% para o Centro e 3,3% para o Sul, isto assumindo uma origem recente para todas as amostas, o que não é de todo provável. Isto da “origem recente” tem importância: acho que concrodar
ao ser algo diferente alguém ter *um* antepassado subsariano há 15000 anos ou ser filho de um africano, e a nível de haplogrupos o resultado seria o mesmo.

* Este tipo de distribuição não leva em linha de conta a concentração dos haplogrupos em algumas localidades, sendo que a exclusão dessas localidades alteraria muito provavelmente as percentagens.

E por fim, repito mais uma vez o que já disse: estudos, existem para todos os gostos, e até nisto seguem as vontades do momento. Foi feito o anúncio de um estudo acerca da Holanda que apresentava valores iguais ou superiores aos acima mas depois nada foi publicado… é que por cá há quem faça gosto neste tipo de atribuições subsarianas, ao contrário doutros sítios. A isto acresce a falta de visão em discutirmos percentagens mínimas de proveniência discutível quando pelo andar da carruagem daqui a 20 anos tudo terá que ser revisto: nunca a presença subsariana na Europa foi tão grande como agora, e a influência que terá deveria por estas miudezas em perspectiva.

Mas parece que não. E isto apenas ajuda quem quiser confundir as pessoas, pois bastará lançar alguns números para por todos os defensores da estirpe à bulha, para seu gaúdio… “Eles nem entre eles se entendem!”

Claro está, cada um defende aquilo que quiser. Mas tenho pena de ver o essencial – para mim – a ser prejudicado pelo acessório. Chega-se ao ridículo de se ter que afirmar como se tal fosse preciso o carácter “Europeu” da população portuguesa. Isto é um exagero infâme alimentado também por visões Nordicistas e afins, curiosamente populares em continentes onde as taxas de mtDNA subsariano são acima dos 20%, sem contar com o YDNA. Que por cá encontrem eco tão forte é algo que considero triste a vários níveis.

Para terminar, devo dizer que percebo o Zagas na sua preocupação… é algo natural na sociedade “multicultural” em que vivemos, e cabe também a cada um fazer as suas escolhas usando os critérios que quiser, e o problema é a progressiva impossibilidade de saber a aplicabilidade desses critérios.

Comentar por Oestreminis

Gostei desses 0% do l1b no norte

Comentar por Anónimo

Percentagem de U6/U6a/U6b no Norte: ~7%
Percentagem de U6/U6a/U6b no Centro: ~0%
Percentagem de U6/U6a/U6b no Sul: ~0%

Isto não deitará por terra as teorias do caturo que a populaçao do sul é descendente de nortenhos?

Comentar por Anónimo

Sinceramente isto do U não sei quantos e do L não sei quê para mim é chinês, mas os comentários do Oestreminis são de facto fundamentais para desmistificar algumas “verdades” que certos paranoicos imbecis querem fazer crer serem as verdadeiras.
Obrigado por pôr alguma ordem nisto.

Comentar por Ninguém

Gostei desses 0% do L1b no norte

Também eu. Nem toda a gente encara isto como um “quanto pior, melhor”, desde que seja para os “outros”, até porque para mim não há “outros” nesta questão.

Isto não deitará por terra as teorias do caturo que a populaçao do sul é descendente de nortenhos?

A população do Sul é *também* descendente de Nortenhos, não exclusivamente, claro está, nem nunca vi o Caturo dizer que estava tudo vazio até começar a chegar o pessoal vindo do Minho… Lembro um pormenor importante: isto dos haplogrupos é apenas *uma* das possíveis visões sobre distribuição genética. Outros indicadores detectam características genéticas que são comuns de Norte a Sul de Portugal. Um exemplo é o estudo de Villena et. al. “Relatedness among Basques, Portuguese, Spaniards, and Algerians studied by HLA allelic frequencies and haplotypes”:

“…The results of the present HLA study in Portuguese populations show that they have features in common with Basques and Spaniards from Madrid: a high frequency of the HLA-haplotypes A29-B44-DR7 (ancient western Europeans), A2-B7-DR15 (ancient Europeans and paleo-North Africans), and A1-B8-DR3 (Europeans) are found as common characteristics. Portuguese and Basques do not show the Mediterranean A33-B14-DR1 haplotype, suggesting a lower admixture with Mediterraneans; Spaniards and Algerians do have this haplotype in a relatively high frequency, indicating a more extensive Mediterranean genetic influence. The paleo-North African haplotype A30-B18-DR3 present in Basques, Algerians, and Spaniards is not found in Portuguese either. The Portuguese have a characteristic unique among world populations: a high frequency of HLA-A25-B18-DR15 and A26-B38-DR13, which may reflect a still detectable founder effect coming from ancient Portuguese, i.e., oestrimnios and conios;…”

Foi isto o que eu quis dizer quando referi que estudos há muitos, e as visões de genética não são lineares ou bipolares.

Sinceramente isto do U não sei quantos e do L não sei quê para mim é chinês

Simplificando, U6 == haplogrupo associado ao Mabrege e L1/L2/parte de L3 associado a populações subsarianas. Isto é simplificado, e não se traduz em “carga genética” de forma linear.

Reitero o essencial da minha mensagem anterior… estes estudos têm o seu interesse, e cada um tem o seu próprio sentido de prioridades individual, mas são questões que empalidecem face ao resultado previsivel da imigração para a Europa nos últimos 30 anos.

Comentar por Oestreminis

Não comento mais, deixo o Oestreminis falar por mim.

Pna é que ainda tenhamos de ter este tipo de discussões…

Comentar por D. Sebastião II

O norte nao tem nada haver com o sul(mouros).A regionalização já!Para que a região norte escolha o seu futuro…em 2009 esperemos uma vitória!O norte nação!!!

Comentar por dr.ventura

nunca li tanta baboseira em apenas um minuto. é fato que os mortais precisam mesmo de um governo mundial. só assim perceberão o quanto é futil uma barreira cultural.

Comentar por paulo




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: