A ecologia como superação da fractura direita-esquerda (parte II)
Junho 16, 2007, 5:05 pm
Filed under: Em foco

por Miguel Ângelo Jardim 

O surgimento de partidos políticos “Verdes” representa uma viragem essencial na ecologia política.

Na Alemanha a presença dos “Grünen” é significativa em termos eleitorais, sobretudo a partir dos anos 80. A sua contribuição para o debate e luta política deve-se em grande parte ao activismo antimilitarista e às posições pacifistas e muito menos à militância ecológica e ambientalista.
O carácter ambiguo desta postura reflectiu-se de imediato na eclosão de facções internas, uma mais “fundamentalista”, a outra mais pragmática, debruçada sobre os problemas económico-sociais. Assim, não é de admirar que mais tarde tenha aparecido o Partido Democrático Ecologista (ODP) liderado por Herbert Gruhl.

Em França, pelo contrário, a divisão foi desde logo patente entre os ecologistas políticos e os defensores da ecologia pura, próximos da “deep-ecology”, inspirada pelo pensador Norueguês Arne Naess. Tendo como grelha de interpretação o convencional quadro político os partidos “verdes”situaram-se sempre mais à esquerda. A apologia do multiculturalismo (são contra a introdução de espécies exóticas nos ecossistemas, mas ao mesmo tempo militam pela transferência descontrolada e caótica de populações exógenas, no mínimo incoerente e contraditório); a defesa do aborto livre e em qualquer circunstância a pedido da mulher; a liberalização das drogas leves (são contra a poluição e a contaminação da atmosfera, mas no que se refere ao próprio corpo, outra é a postura); a promoção do feminismo intolerante e dogmático; etc.

Estas tomadas de posição empurraram inevitavelmente os “verdes” para sectores esquerdistas do espectro político. Uma aliança entre os desiludidos com a esquerda tradicional, com os frustrados do “socialismo real” e a nova vaga de bem-intencionados, mas ingénuos, ou talvez não, defensores das causas ecológicas. O que realmente se passou foi uma bem concebida confiscação da ecologia e da defesa da natureza pela bem organizada e estruturada esquerda, órfã das falhadas experiências histórico-políticas realizadas no leste da Europa e noutras partes do mundo. 

Continua.


2 comentários so far
Deixe um comentário

Este artigo é interessante, mas escreves trechos tão curtinhos que o melhor é deixar comentários para o fim…

Comentar por Rodrigo

Obrigado, Rodrigo.

Abraco

Comentar por Miazuria




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: