Impressões desde Constantinopla (Istambul) 4ª e última parte
Maio 27, 2007, 11:11 am
Filed under: Em foco

Por Miguel Ângelo Jardim   Na sua fenotopia os Turcos assemelham-se a qualquer outro povo da bacia do Mediterrâneo, não obstante ter visto muitas pessoas de olhos claros, verdes e azuis, e com cabelo louro.
A maior parte das mulheres cobre os cabelos com lenço islâmico, de estilo turco, mas também vêem-se muitas vestidas de acordo com os padrôes da moda ocidental. A maioria dos restaurantes ainda serve bebidas alcóolicas, ainda que Erdogan e o seu governo islâmico tenham tentado proibir o seu consumo. Um simbólico registo: não existem mulheres ou raparigas trabalhando nos restaurantes e cafés, salvo algumas excepções.
Não é, afinal, a Turquia um país muçulmano?
E a pergunta é inevitavel: será a Turquia um país Europeu?
Não mudei de opinião. A minha resposta vai pela negativa. É, em muitos aspectos, uma nação moderna, sobretudo quando falamos dos grandes centros urbanos, dispondo de uma elite económica, social e cultural com olhos postos na União Europeia, todavia ancorada numa encruzilhada, entre o Kemalismo, pan-turco, nacionalista, e a crescente influência islâmica, com raízes no Médio-Oriente. Duas visões incompatíveis com o modelo Europeu ocidental. Em ambos os casos, kemalismo e islamismo, são excluídos os direitos culturais e políticos das minorias históricas e autoctones da Ásia Menor: Gregos, Arménios, Curdos, Assírios (não confundir com os actuais Sírios), Alevis (grupo religioso herético segundo os muçulmanos), Árabes de Alexandreta.
Continuar a ler