Impressões desde Constantinopla (Istambul) 2ª parte
Maio 5, 2007, 11:15 am
Filed under: Em foco

Passada a primeira noite instalamo-nos numa simpática unidade hoteleira a um preço módico de vinte euros por pessoa. Do terraço, onde tomávamos o pequeno-almoço, usufruíamos de uma perspectiva soberba sobre o Bósforo. Cerca do hotel, e para meu gáudio, um conjunto de editoras e livrarias, uma delas de cariz islâmica, radical e proselitista, espelho da qualidade da edição, de figurino germânico, e da rica variedade de títulos, originais ou traduzidos, do universo editorial Turco. Uma surpresa, pela positiva!

Em três dias e meio visitou-se e conheceu-se o que nos foi possível naquele limitado espaço de tempo. Devo salientar o maravilhoso templo de Santa Sofia, hoje transformado em Museu por iniciativa e intervenção de Mustafa Kemal AtaturK (pai dos turcos). Durante o período do império Otomano foi sempre uma mesquita. Uma nota curiosa: na Turquia e por pressão do nacionalismo laicista, não se utiliza o termo mesquita, de origem árabe, mas antes a palavra turca, cami.

Os arquitectos de Santa Sofia foram os Gregos Anthenius de Tralles, hoje a cidade turca de Aydin, era matemático e arquitecto, e Isidoros de Mileto. Mandada construir pelo Imperador Justiniano, os materiais, com realce para os magníficos mármores, foram trazidos de todos os países do Mediterrâneo e das famosas pedreiras do interior da Anatólia. Milhares de operários e centenas de mestres trabalharam na sua edificação. Na sua concepção arquitectónica é considerada e descrita como uma Basílica (enorme e imponente) de três naves com cúpula, a primeira no seu género. Os simbólicos e maravilhosos mosaicos, os que ficaram do rasto de destruição, representam a iconografia Bizantino-ortodoxa, com alusões à história do Cristianismo.
A Obra…Para visitar, contemplar e reflectir!  
 

Visitámos as Mesquitas Azul e de Suleiman, a zona do antigo hipódromo, hoje praça do Sultão Ahmet, coração da zona velha da cidade, na parte Europeia, enriquecida de simbólicos e históricos monumentos: um obelisco egípcio e as colunas Serpentina e de Constantino, estas duas últimas de origem helénica. Percorremos os jardins e parques do palácio Topkai, infelizmente não entrámos no seu interior devido ao enorme afluxo de turistas (tantos espanhóis!!!). Lembre-se que neste mesmo palácio residiram e viveram centenas de raparigas Europeias, trazidas como escravas de todo o continente Europeu, para prazer sexual dos Sultões: o “harém”!
Um recado para quem, de uma forma tendenciosa e sectariamente ache ou pense que a escravatura só se aplicou a determinados e exclusivos destinatários!
O vocábulo “harém” é uma deturpação de “haram” que na língua árabe significa o que e proibido, interdito. Recordo-me de uma conversa, há já alguns anos, com um teólogo islâmico, de nacionalidade Libanesa, em que este me dizia que os turcos, esses heréticos, haviam deturpado e prejudicado a imagem e o bom nome do Islão. E, como exemplo, citava o “harém. Segundo ele os turcos foram os responsáveis por esta, nas suas palavras, indecorosa e estranha forma de encarar a sexualidade!
Questiúnculas no seio de uma mesma família religiosa? Talvez…

Passámos pelo grande Bazar, um espectáculo de cor e luz! Fiquei-me pela área destinada aos alfarrabistas, onde pude apreciar obras editadas em diferentes idiomas, inclusive em Arménio!

As vésperas do meu aniversário, estávamos em Abril, e uma boa e sincera amizade de longa data, regalaram-me um magnífico dicionário comentado de Farsi (Persa) -Inglês, com direito, como é óbvio naquelas paragens, a obrigatório desconto. Como certamente retornarei decidi-me pela compra barata e regateada de uma gramática de turco. Mais duas para a minha listagem pessoal: a língua e a gramática. (continua)


17 comentários so far
Deixe um comentário

Olá a todos,

Miguel, é preciso documentação especial para entrar na Turquia?
Preciso desta informação urgentemente, se alguém me conseguir ajudar, agradeço, tb.

Comentar por Vera

Los españoles estamos en todos los lados…….¿Cuál plaga de “gafanhotos”?

Comentar por jibraltar español

Amiga Vera,so precisas de passaporte em dia,mas atencao nao pode expirar nos ultimos seis meses…

O visto podes pedir na embaixada,e mais barato,ou entao podes pedir quando entras no pais,custa 10 dolares e e imediato.
Nao precisas de mais nada….

Es verdad!!!Eheheh!

Comentar por Miazuria

Quando entro no país? No aeroporto dá? lol
Pedir passaporte demora uns 10 dias, n? Tou tramada, já vejo a viagem por um canudo!

Comentar por Vera

Turismo na Turquía…..? Nao gosto……!

Comentar por jibraltar español

Sim, no aeroporto da, mas tens que ter o passaporte em dia,seis meses antes de expirar….

Jibraltar tu eres muyyyyyyyyyy raro!!

Comentar por Miazuria

Não sou esquisita quanto a isso.

Comentar por Vera

Tal como o Jibraltar, não sei porque é que se vai fazer turismo para a Turquia e dar dinheiro a esses filhos de mafoma? Tenho a certeza que há muitas coisas interesantes para visitar em Portugal e que saiem bem mais barato.

Comentar por Pedro Agostinho

Vou para onde as viagens me aparecem. Se surge a Turquia, vou à Turquia, qd é Holanda, é para lá que vou. Não são férias “paradisíacas” a meio do ano, em que escolho a Turquia por vontade própria. É simples, ou vou e conheço qq coisa, ou não vou e continuo sem conhecer. Até uma viagem ao Irão ou ao Egipto agarraria, se surgisse. É claro que não as escolheria em primeiro lugar, mas se me dessem uma oportunidade, ia! Lá por não irmos à bola com islâmicos não quer dizer que não se visite o país deles. Aliás, essa é uma forma de os conhecermos melhor e fundamentar ainda mais a nossa opinião.
Eu não odeio os outros, eu gosto do que é meu, e é isso que muita gente tem dificuldade em compreender, quer dentro quer fora do movimento…

Comentar por Vera

Vera, cada um é livre de pensar como desejar, logo nem precisas de justificar as tuas opções turísticas. Al señor Jibraltar no le gusta la Turquia, es su derecho. O Pedro Agostinho prefere ficar por Portugal, óptimo. Já no meu caso, não me importaria nada de visitar a Turquia, país que, por sinal, tem monumento fabulosos fruto de uma história milenar.

PS/ Já agora Vera, o que é isso de movimento? ;)

Comentar por arqueofuturista

Movimento nacionalista e identitário. Eu sei que este blog´não é nacionalista, mas tb sabemos que quem está de fora não o distingue, daí ter utilizado a palavra “movimento”. Muita gente, nacionalista ou não (no meio identitário julgo que toda a gente o compreende), tem dificuldade em perceber que o que se defende é a nossa cultura, e não o ódio à dos outros. Odiar e não querer conhecer novas coisas, não é nacionalismo, é desejo de permanecer na ignorância. Mesmo que seja mau, vamos lá ver que é mau e fundamentar ainda mais a nossa convicção. Se é diferente, que seja, e depois? Está lá no seu “habitat” natural, não está a “invadir” o nosso…

Comentar por Vera

Lo sabroso (en materia de gastronomía) comienza en Vilar Formoso……

Comentar por jibraltar español

Vera, a minha pergunta era uma clara provocação. Quiçá o termo mais correcto seja movimentos…

Compreendo o que escreves e concordo inteiramente. É tempo das pessoas actuarem pela positiva, afirmando o apego, o arraigo e enraizamento à sua terra e à sua cultura, sem que isso implique ódio a quem quer que seja, excepção feita àqueles que pelas suas actividades façam perigar exactamente o que acima referi.

Comentar por arqueofuturista

Exacto.

Comentar por Vera

Nem mais Vera e Joao!! Carradas de razao!
Alias, eu nao me considero xenofobo.
Nao gosto e que venham ao meu espaco com intuitos de ocupa-lo sob diferentes formas…Isso NAO!

Comentar por Miazuria

Olá,estou a procura das raizes familiares,por isso estou escrevendo,gostaria de saber aquem procurar,meu sobre nome e Krelic,meu avô nasceu em Constantinopla,o que eu faço para saber dos familiares que ficaram ai,um abraço e aguardarei com muito anceio essa resposta.

Comentar por Luigi Krelic Netto

Olá!

Krelic tem uma sonoridade balcânica, eventualmente sérvia ou croata. Mas parece que havia pelo mewnos uma família com esse apelido em Szczuczyn, Polónia.
Constantinopla era, e ainda é, uma cidade internacional e cosmopolita, onde viviam várias comunidades; nos anos 20 era um porto de abrigo para várias classes de refugiados, por ex. da Guerra civil Russa. É bem possível que o seu avô tenha nascido nessas circunstâncias.

Quanto a visitar a Turquia, já tive essa grata oportunidade e diga-se de passagem que a Turquia é um país fantástico e a sua Historia tem muito a ver com a nossa bela Europa. O povo é simpático, a comida é excelente, assim como as paisagens. É um bom país para se viver. Contudo, não é Europa. Eu sei disso porque estive lá e sou daqueles que viajam “de comboio”. E tornei-me mais europeu depois de lá estar.

Por isso aconselho a todos que visitem a Turquia (mas sem ser em excursões), e olhem para o país com olhos de ver. Apreciem o que há para apreciar, mas mantenham um olhar crítico sobre a realidade. E ao contemplarem a catedral de Santa Sofia ou o Anadolu Kavağı, meditem sobre a sorte do Império Romano do Oriente e os dias que correm.

Abraço,

Comentar por Pippo




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: