O novo totalitarismo bate à porta
Abril 21, 2007, 7:08 pm
Filed under: Em foco

A punição da delinquência e da marginalidade são dever e obrigação de todo estado de direito que se preze. A violência e toda a actividade à margem da lei devem ser denunciadas, reprimidas e punidas, não é isso que está aqui em questão. Infelizmente o domínio do politicamente correcto, munido de um espírito inquisitorial, identificado às mil maravilhas com uma “esquerda” (!!) de vocação totalitária, cúmplice de um capitalismo selvagem, de cores neoliberais, confunde o legítimo direito à liberdade de expressão e ao exercício pacífico das mais amplas liberdades democráticas, com actividades violentas, ilegais e marginais.

Uma confusão que serve e funciona como uma escusa para reprimir e oprimir quem ousa pensar diferente! Estranha forma de conceber e viver a democracia!

E é por isto mesmo que é importante e fundamental uma vitória esmagadora de Alberto João Jardim nas próximas eleições regionais a realizar na Ilha da Madeira. Mais do que nunca é necessária uma voz dissonante e corajosa neste dócil e vergado coro de “améns” desta “democracia” trágico-cómica, dominada por interesses e pela plutocracia.

Lembrando velhos fantasmas, este novo totalitarismo bate-nos à porta, de madrugada, vasculhando e violando a intimidade, a segurança de cidadãos de pleno direito, não sabendo distinguir o bom do ruim!

Esquecem-se, certamente, que haverá sempre alguém que diz NÃO! Não é verdade que o machado não corta a raiz ao pensamento.
 

Ontem não passaram, não passarão hoje!
Pela nossa LIBERDADE!

Miguel Angelo Jardim


41 comentários so far
Deixe um comentário

Muito bem “dizido” caro Miguel.

Abraços aos dois.

Comentar por pantera

Oh Miguel, agora andas dedicado à comédia?
HILARIANTE!!!!!

Comentar por Tenebroso

Comediante és tu, Tenebroso-trágico, tens saudades do Zé dos Bigodes, não é?

Tem juizo!

Um sincero obrigado, amigo Pantera!

Comentar por Miazuria

Pois é, o Tenebroso está inquieto. Talvez esteja nervoso pelas salas de chuto ainda não estarem em funcionamento. Ou será pela liberalização das drogas não ser prioridade na agenda governamental? Ah, quiçá se deva aos casamentos homossexuais não terem sido ainda autorizados, bem como a adopção de crianças pelos casalinhos do arco-íris? Ou será que anda insatisfeito com as naturalizações de imigrantes em Portugal não serem mais céleres e permitirem assim mais uns votos no PCP e BE? Ah, já sei, o Mumia Abu Jamal não lhe respondeu à última cartita no seu labor pela amnistia internacionalista frente á tirania capitalista do Uncle Sam.

Comentar por arqueofuturista

Miguel, fica sabendo que não tenho saudades nenhumas do Zé dos Bigodes.
Tu é que parece estares com saudades do Zé do Bigodinho.
Um dia destes, quando vieres a Portugal, a gente fala.

Arqueofuturista, quanto o que tu dizes, fica a saber que me passa tudo ao lado.

Comentar por Tenebroso

Onde e que me viste falar ou defender o Ze do Bigodinho!?
Nao ponhas na minha pena o que eu nunca escrevi!
Para uns sou “fascista”, para outros um “comunista”!
Odne e ja ouvi ou li isso?!

Nao sejas intelectualmente desonesto e sectario nas tuas analises….
Isso e que era tipico das manipulacoes feitas pelo Ze dos Bigodes!
Tudo o que nao pensava como ele era “fascista”….
Nunca me identifiquei, nem me identifico, com esse tipo de maniqueismos!

Miguel Angelo Jardim

Comentar por Miazuria

E nao se chamava Ze, como bem sabes….
O outro, sim, era Jose!

Comentar por Miazuria

Mas quem é que é este monte de esterco que se intitula ” tenebroso” ??? Fica sabendo amigo, que nos tempos que correm não tenho nem tempo nem paciência para aturar lixo como tu. desaparece!!!!!

Comentar por Rui Paulino

O novo nacionalismo deve ser baseado na cultura cristã e hebraica, no respeito e continuidade da História de Portugal, e na tradição portuguesa, deve rejeitar totalmente o nazismo e o fascismo como ideologias a seguir.

Deve lutar pela independência e soberania de Portugal, rejeitar o euro, a federalização da europa, os acordos de Schengen, e rejeitar o tratado de maastricht.

O partido não deve ser assumidamente republicano ou monárquico, de forma a não dividir o movimento nacionalista, e o anti-semitismo primário deve estar posto de parte, tem estar focado nos problemas do povo português e não em revisionismos de holocaustos.

O trabalho de rua deve ser o mais importante, junto dos jovens, tentar cativar pessoas que queiram trabalhar, e não que queiram vir para a rameiragem ou para o tráfico de droga.

Comentar por pantera

Caro Pantera, esse “novo nacionalismo” que professas não é novidade alguma, e para o meu olfacto até cheira muito a mofo. Essa aversão à Europa também é no minímo anacrónica e com esse discurso encontrarás facilmente lugar junto dos “velhinhos do Restelo” do dito meio nacionalista, essa malta que vive mergulhada (afogando-se gradulamente) nas memórias do Império perdido e na quimera política de um estado soberano (existe algum estado verdadeiramente soberano actualmente?), orgulhosamente só, como se tratasse de um menino rabino que quer fugir da sua mãe Europa, para depois voltar a mendigar.

Não Pantera, nesse nacionalismo não me encontrás.

Comentar por arqueofuturista

Nem eu, Caro Pantera, sou Portugues, de origem continental e insular, Europeu e Europeista.

Rejeito tambem o nazismo e o fascismo,mas as ideias nao se perseguem, discutem-se e combatem-se com argumentos.

Sou por uma Europa confederal, pela moeda comum, e pela livre circulacao de todos os Europeus pelos eu continente,territorio nosso, ancestral e comum.

E nao me revejo em nenhum anti-semitismo, seja primario ou secundario! Sou filoportugues e filoeuropeu!

Saudacoes Identitarias!

Comentar por Miazuria

Pois só que esse pantera não sou eu, infelizmente isso aconteceu no blog do tautalos, obviamente os nazis são mais espertos que voces os dois(mas não inteligentes) no entanto admito que fui eu que fiz esse texto num outro fórum , só não gosto é que não me confundam..mais atenção da vossa parte.

Mas como o texto é meu , vou defende-lo

Sou por uma Europa confederal, pela moeda comum, e pela livre circulacao de todos os Europeus pelos eu continente,territorio nosso, ancestral e comum.

Pois mas isso para mim não é nacionalismo, nacionalismo é de nação, neste caso a Portuguesa, a América é uma federação e uma nação, se a Europa o for, então significa que Portugal deixa de ser um país e passa a ter um estatuto semelhante aos estados americanos.
O euro e o banco central europeu para mim não passa de traição pois quem manda são os outros e não nós, são eles que decidem por nós limitamo-nos a ser subservientes

Essa aversão à Europa também é no minímo anacrónica e com esse discurso encontrarás facilmente lugar junto dos “velhinhos do Restelo” do dito meio nacionalista, essa malta que vive mergulhada (afogando-se gradulamente) nas memórias do Império perdido e na quimera política de um estado soberano
Esta noção existe desde a nossa fundação, nunca na nossa História tivemos o objectivo de formarmos um novo país chamado união europeia ou algo do género, os nossos antepassados sempre jogaram pela independencia da nação, sempre, caso contrário teriamos aceite de bom agrado as invasões castelhanas, espanholas, napoleónicas, etc, porque no fundo somos todos europeus, e até gostamos que mandem em nós, e temos muito em comum, etc, etc.
Quando lutamos no passado foi pela nossa independência e jamais pela formação de um novo país, logo os “velhos do restelos” têm o único objectivo de respeitar a nossa História.

O vosso identitarismo, para mim nada tem a ver com nacionalismo..
não fiquem ofendidos mas fico grato vocês serem tão poucos, assim sei que nunca terão qualquer influência real se houver um partido nacionalista a sério.

Mais três coisas, como disse um amigo vosso no fórum, vocês não são nacionalistas mas sim identitários, alias basta ver que vocês querem construir um novo país chamado união-europeia ou europa ou sei lá como lhes querem chamar, vocês não lutam pela independencia da nossa pátria e pela História, mas sim pela criação de algo novo tal, tornando o nosso país servo de outras nações mais poderosas, basicamente é contruir um novo EUA mas aqui na Europa. Eu luto por Portugal e por aquilo que ele representa

A segunda coisa, é que o vosso “nacionalismo”(identitarismo) não tem nada a ver com o que os outros partidos nacionalistas europeus defendem(lembrando o Le Pen) e todos os outros, alias se estou errado gostava que me indicassem um partido nacionalista na europa que defenda o que vocês defendem.

A terceira coisa é um abraço aos dois ;)

PS:Qualquer pessoa pode por o nome Pantera, mais atenção da vossa parte sff

Comentar por Pantera

Caríssimo,

Posso assegurar uma de duas situações: Ou é ignaro ou não sabe ler.

Pois mas isso para mim não é nacionalismo, nacionalismo é de nação, neste caso a Portuguesa, a América é uma federação e uma nação, se a Europa o for, então significa que Portugal deixa de ser um país e passa a ter um estatuto semelhante aos estados americanos.

1. Federação e Confederação são realidades diferentes. Uma Federação é a reunião numa potência mais forte de Estados (que podem, ou não, corresponder a uma Nação) que dificilmente poderiam sustentar real independência mas cujos povos não desejam abdicar das tradições, leis e características próprias. Por seu turno, a Confederação é uma liga de Estados soberanos, constituída por tratado internacional para fins certos e determinados, conservando os Estados confederados a sua personalidade internacional e a soberania em tudo o que não esteja abrangido no pacto de confederação. Não se cria, portanto, um novo Estado, como sucede na Federação.

Esta noção existe desde a nossa fundação, nunca na nossa História tivemos o objectivo de formarmos um novo país chamado união europeia ou algo do género, os nossos antepassados sempre jogaram pela independencia da nação, sempre, caso contrário teriamos aceite de bom agrado as invasões castelhanas, espanholas, napoleónicas, etc, porque no fundo somos todos europeus, e até gostamos que mandem em nós, e temos muito em comum, etc, etc.

2. No estado actual das coisas nenhum país europeu pode agir isoladamente na defesa dos seus interesses legítimos. Não combato por um Estado soberano europeu – que seria um Estado Federal (como os EUA), passando os países-membros da UE de Estados-soberanos a meros Estados federados. Mas entendo que estes, ao integrarem as suas economias e, depois, as políticas diplomáticas e militares, não perdem peso no concerto mundial: ganham cada vez maior influência. Ou julga que Portugal consegue sozinho aquilo que americanos e espanhóis não conseguiram evitar?

O euro e o banco central europeu para mim não passa de traição pois quem manda são os outros e não nós, são eles que decidem por nós limitamo-nos a ser subservientes

3. Perdemos a moeda nacional? É verdade. Mas fizemo-lo voluntariamente e não nos colocamos na dependência de nenhum país estrangeiro. Estamos todos sentados à mesma mesa e, em assuntos vitais, retemos o direito de veto, que salvaguarda sempre a nossa possibilidade de dizer a última palavra.

O vosso identitarismo, para mim nada tem a ver com nacionalismo..
não fiquem ofendidos mas fico grato vocês serem tão poucos, assim sei que nunca terão qualquer influência real se houver um partido nacionalista a sério.

4. Ressalvando o respeito pelas opiniões em contrário, o sentimento é mútuo.

Comentar por Rafael

Excelente resposta caríssimo Rafael! Para quê mais palavras, está tudo dito.

Pantera, primeiro debruça-te um pouco mais sobre os temas que aqui pretendeste refutar e condenar e depois, e só depois, poderás abordar tal assunto sem correres o risco de levares uma lição de ciência política como foi o caso.

Quanto a sermos minoritários, não sei quais os termos de comparação, mas desde já fica descansado que os identitários em nada competem com os nacionalistas (independentemente das distintas vertentes ideológicas que actualmente se reclamam desse termo)´, pois em larga medida os identitários há muito que superaram o nacionalismo, particularmente esse por ti professado e de claros tintes reaccionários e obviamente anacrónico.

Melhores saudações identitárias!

Comentar por arqueofuturista

3. Perdemos a moeda nacional? É verdade. Mas fizemo-lo voluntariamente e não nos colocamos na dependência de nenhum país estrangeiro. Estamos todos sentados à mesma mesa e, em assuntos vitais, retemos o direito de veto, que salvaguarda sempre a nossa possibilidade de dizer a última palavra.

É claro que estamos dependentes de vários países, o valor do euro depende não só de portugal mas de todos que os usam, e quem o controla não é o banco central europeu, nós temos a palavras mas os outros tem uma palavra bem mais forte.

2. No estado actual das coisas nenhum país europeu pode agir isoladamente na (…)
Um país europeu como Portugal nunca combateu isoladamente contra ninguém, não era agora que iria fazer, as “alianças” sempre se deram com países de outros continentes a NATO é uma prova disso, mesmo hoje em dia, Portugal não tem força militar suficiente mais a europa para ser dependente dos EUA.

1. Federação e Confederação (…)
Não me lembro de ter falado em confederação neste post, e dispenso definições porque sei na internet. Os tratados com a Europa devem apenas ser feitos se isso beneficiar Portugal e não porque somos europeus, porque assim estariamos a por a Europa à frente de Portugal.

4. Ressalvando o respeito pelas opiniões em contrário, o sentimento é mútuo.
Não não é mutuo, porque não há , nunca houve, e felizmente nunca irá existir qualquer partido identitário, mas sim partidos nacionalistas que nada tem a ver com isto.

Posso assegurar uma de duas situações: Ou é ignaro ou não sabe ler.
E eu posso assegurar que és atrasado mental. Se queres ofender ofende lá a tua familia, não venhas para aqui armado em intelectual de meia tigela, só porque agora pertences à CI. Ve se tens mais respeito ó caralho.

Comentar por Pantera

Caro Pantera, mantenhamos o respeito e a elevação nas palavras. O Rafael não merece tamanha falta de respeito. Não irei tolerar mais esse tipo de linguagem no blog, portanto, não me obrigues a não-publicar mensagens.

Comentar por arqueofuturista

Lamento caro amigo mas não gosto de ser ofendido por “entes superiores”…ignáro tem como sinónimo estupido, e não saber ler é uma ofensa à minha pessoa.

um abraço

Comentar por Pantera

Pantera dixit:

É claro que estamos dependentes de vários países, o valor do euro depende não só de portugal mas de todos que os usam, e quem o controla não é o banco central europeu, nós temos a palavras mas os outros tem uma palavra bem mais forte.

Wrong again. Os órgãos comunitários não exercem soberania sobre os Estados-membros. Estes é que partilham as suas soberanias nacionais uns com os outros, exercendo-as nalgumas matérias, enquanto noutras, como a permanência na União Monetária Europeia, continuam a decidir livremente a nível nacional. E a política monetária é atribuída ao BCE, não aos países-membros. Mais uma vez, falas do que não sabes.

Um país europeu como Portugal nunca combateu isoladamente contra ninguém, não era agora que iria fazer, as “alianças” sempre se deram com países de outros continentes a NATO é uma prova disso, mesmo hoje em dia, Portugal não tem força militar suficiente mais a europa para ser dependente dos EUA.

Não me refiro apenas à necessidade de uma cooperação e integração militar entre os países-membros. Também menciono o desenvolvimento económico e social. Colocado de forma simples, a abertura das suas economias expande os seus horizontes comerciais. Se as pessoas fossem forçadas a consumir apenas o que se produz no seu país, o mundo ficaria mais pobre, tanto no aspecto material, como no espiritual. Mas se entendes que a soberania não é mais o poder de decidir sozinho acerca da guerra, então qual é o teu problema?

Não me lembro de ter falado em confederação neste post, e dispenso definições porque sei na internet. Os tratados com a Europa devem apenas ser feitos se isso beneficiar Portugal e não porque somos europeus, porque assim estariamos a por a Europa à frente de Portugal.

Em resposta ao Miazuria que declarou expressamente ser a favor de uma Europa confederal, respondeste: «A América é uma federação». Depreendo, por conseguinte, que não sabes ler. Segundo ponto: Só por uma espécie de suicídio colectivo é que Portugal estaria a embarcar voluntariamente numa organização internacional como a União Europeia se não antevisse importantes benefícios.

Não não é mutuo, porque não há , nunca houve, e felizmente nunca irá existir qualquer partido identitário, mas sim partidos nacionalistas que nada tem a ver com isto.

A que partidos te referes? Ao CDS/PP?

E eu posso assegurar que és atrasado mental. Se queres ofender ofende lá a tua familia, não venhas para aqui armado em intelectual de meia tigela, só porque agora pertences à CI. Ve se tens mais respeito ó caralho.

Permito-me relembrar aqui o seguinte pormenor: Quem começou com as ofensas foste tu. E é de uma grande incoerência censurar aos outros as ideias que nos permitimos a nós mesmos. Mas pronto, a partir de hoje as minhas conversas consigo acabaram.

Comentar por Rafael

Errata: É de uma grande incoerência censurar aos outros as atitudes que nos permitimos a nós mesmos.

Comentar por Rafael

Wrong again. Os órgãos comunitários não exercem soberania (…)
O valor do euro é definido pelo BCE, logo parte da vida económica portuguesa, é definida por instituições estrangeiras, nenhuma politica económica portuguesa, pode ou poderá ser decidida, sem levar em conta aquilo que os estrangeiros ditam. As taxas de juros é a mesma coisa, quem as decide é o BCE e não Portugal, e isso afecta imenso a economia portuguesa, logo não existe soberania do nosso lado e somos obrigados a aceitar o que os estrangeiros ditam, são eles que mandam e nós obdecemos.Podemos precisar de taxas de juros altas e eles fazerem o contrário.

A que partidos te referes? Ao CDS/PP?
O CDS não é nacionalista, são a favor da federalização da europa(ou será confederação). A favor do euro, da constituição, da integração europeia, da perca de soberania, do multiculturalismo, do fim de uma europa de nações….enfim aquilo que defendes.
Já agora volto a reafirmar porque fugistes à questão, não existe, nunca existiu e nunca existirá, partidos nacionalistas que defendem o que tu defendes concretamente. Olha para o Le Pen em França e aprende. O objectivo é a cooperação económica, militar e social, mas sem haver “ocupações” entre estados membros. Tem de haver respeito pela História

Em resposta ao Miazuria que declarou expressamente ser a favor de uma Europa confederal(…)
Exacto, e dei o exemplo da américa, tal como disse que rejeitava uma federação ou confederação, escolho aquilo que é melhor para Portugal, não quero o meu país a embarcar numa aventura confederada só porque somos europeus. Sou contra esse conceito, porque pode ser mau para Portugal, ao embarcar nesta aventura faremos o que é melhor para a Europa o que não quer dizer que seja melhor para Portugal.Volto a dizer que qualquer tratado deve ter como bem-estar a melhora de portugal e não propriamente da Europa. Eu aceito o exército unico europeu, se isso for bom para Portugal e não propriamente porque é benéfico para a Europa
A união europeia do meu ponto de vista não nos deu grandes beneficios, foste obrigado a aprovar leis que hoje em nada nos benefeciam. Além de a Austrália e nova Zelandia, passam bem sem grandes blocos económicos.o problema é a incompetência…

Não me refiro apenas à necessidade de uma cooperação e integração militar entre os países-membros.(…)
E eu digo e volto a dizer, devemos fazer aquilo que é melhor para a nossa nação, e não impingir um conceito de confederação só porque é bom para a Europa, ou só porque somos europeus. A suiça e a noruega, são dos países mais ricos do mundo a noruega é o mais desenvolvido do mundo, e não precisam de nenhum integração europeia, mas sim colaboração.Um dos problemas da confederação, é que temos que aceitar fazer as coisas em prol da melhoria da União europeia(ou Europa), mesmo que isso prejudique Portugal, essa é que diferença, uns lutam pelo bem estar do país outros pelo da Europa. dou a importancia à europa mas primeiro está Portugal

Permito-me relembrar aqui o seguinte pormenor:(…)
Não, quem ofendeu foi você, alias lembro-lhe a seguinte expressão que usou

Posso assegurar uma de duas situações: Ou é ignaro ou não sabe ler.
pois é, mas ignaro quer dizer estúpido e não saber ler não é propriamente um elogio, mas como já lhe disse estás bem onde está, e daí nunca sairás(até rima). Dedique-se a abolir a cultura hebraica e cristã da europa que isso é que é ser nacionalista. Vénia aos deuses de olimpo

um abraço arqueo.

Comentar por Pantera

Faco meu o discurso do camarada e amigo Rafael. Esta la tudo!
Caro Pantera, as ideias discutem-se, dispensa-se o insulto, mas informo-te que existem movimentos Identitarios em toda a Europa, alguns bem representados em parlamentos nacionais, ate no Parlamento Europeu.
Vlaams Belang, Lega Nord, Alsace D’Abord,etc
E posso garantir-te que o teu nacionalismo nao tera nenhum futuro, nem em Portugal, nem em nenhum pais da Europa!

Viste o rsultado do Le Pen?! Nao me identifico, em nada, com a Frente Nacional!
E se falas de anti-semitismo….

Nao se pode regredir na Historia!

Abraco e saudacoes Identitarias!

Miguel Angelo Jardim

Comentar por Miazuria

Caro Miguel o insulto partiu do Rafael não de mim, reveja o texto sff

Vlaams Belang, Lega Nord, Alsace D’Abord,etc

O Vlaams Belang não tem quase nada do vosso identitarismo…Não conhecia os dois últimos, portanto não posso falar muito,mas pouco ou nenhum expressão têm na vida eleitoral, mas estes partidos tentam exactamente a independencia nos países em que estão inseridos e não propriamente uma integração europeia como vocês defendem. É preciso distinguir,em que vários estados na Europa querem a independência nacional(Escócia, catalunha, Flandres, etc), é normal as populações locais apoiarem esses partidos, pois cada povo tem direito à sua independencia, não propriamente pelas ideias identitárias de integração, mas sim pela indepêndencia.

O vosso identitarismo vai num processo de união entre vários países em várias àreas, o deles da separação do estado que o alberga nessas mesmas áreas. O identitarismo deles não tem muito a ver com o vosso, alias dou mais um exemplo prático, que tem a ver com a questão racial, é fácil perceber que vocês acham que os judeus não são portugueses e outras raças, o vlaams belang diz exactamente o contrário, deixo as palavras do lider neste ano de 2007:
Dewinter’s anger takes a surprising turn. “We should stand with the Jewish community, and we should do everything possible to protect them,” he says. “Jewish values are European values!” Then he launches into an earnest plea for Jews to come home to his extreme-right–“right-wing,” he gently corrects–party.
http://www.tnr.com/doc.mhtml?i=20070122&s=wildman012207

Sem comentários caro Miguel, isto nada tem a ver com aquilo que vocês defendem, portanto digo e volto a dizer, o “vosso identitarismo” não tem qualquer expressão na Europa, a questão racial é um excelente exemplo, nenhum partido que defenda um europa branca, em que os judeus e outras raças não podem ser considerados nacionais, tem qualquer expressão politica. Portanto nada têm a ver com vocês…Digo sem ofensas, o vosso pensamento é algo que está sempre confinado a poucas pessoas, sem expressão politica, se estou enganado dêem-me um exemplo sff

Viste o rsultado do Le Pen?! Nao me identifico, em nada, com a Frente Nacional!
E se falas de anti-semitismo….

tirando algumas coisas(o Irão por exemplo), a Frente nacional é um exemplo de bom nacionalismo, só que o lider já está muito “gasto”, e diz coisas que não deveria dizer(holocaustos, 11 setembro)

Nao se pode regredir na Historia!
Exactamente Miguel regredir na História seria simplesmente defender algo que nada tem a ver com ela, sempre lutamos pela nosso independencia, e não pela subserviencia a potências estrangeiras. Dar o que nos custou tanto a conquistar, é simplesmente trair a História e o país. Eu aceito a cooperação europeia, só acho é que não nos devemos cingir a uma obrigação moral europeia chamada confederação, porque isso pode implicar coisas muito más para Portugal, devemos escolher sim aquilo que é melhor para o nosso País, respeitando sempre a nossa História.

Olha um abraço e deixa as romenas em paz( visita o castelo do Drácula)

Comentar por Pantera

Pantera, a questão do “quem insultou primeiro” está ultrpassada e terminada. Não vale a pena repisar esse assunto.

«O Vlaams Belang não tem quase nada do vosso identitarismo…»
Curioso e infeliz esta tua afirmação. Curiosa porque demonstra não conheceres devidamente o que é o nosso identitarismo e por extensão o identitarismo do Vlaams Belang. Infeliz porque ainda na semana passada Filip Dewinter recebeu no seu gabinete no parlamento da Flandres três representantes identitários, nomeadamente o dirigente do Bloc Identitaire e os candidatos da formação NIssa Rebela para as eleições de 10 de junho próximo em França.

«mas pouco ou nenhum expressão têm na vida eleitoral, mas estes partidos tentam exactamente a independencia nos países em que estão inseridos e não propriamente uma integração europeia como vocês defendem.»
Uma vez mais falhas grosseiramente nas afirmações aqui expressas. Tanto o VB como a Lega Nord têm ampla votação e são forças políticas incontonáveis seja na Bélgica, seja na Itália. Por outra parte, sim, estas formações identitárias defendem a independência das suas nações frente aos estados em que hodiernamente estão inseridas. Contudo, se leres um pouco mais sobre e destas organizações irás perceber que ambas defendem a Unidade da Europa, porquanto é consabido pela sua esclarecida liderança que apenas uma Europa Bloco poderá garantir-lhes efectiva autonomia e soberania nos assuntos para os quais estas nações não poderão dar cabal resposta, como é o caso da defesa.
O identitarismo é a única corrente ideológica que reconhece o inalienável direito destas nações sem estado a constituirem-se enquanto tal de forma livre. Inversamente, o nacionalismo que propugnas é centralista, negadopr das especificidades etno-culturais e regionais dos povos, ou seja é um nacionalismo de tintes jacobinos, parido da revolução francesa de 1789. Enfim, um resquício poeirento de um mau período histórico.

«a questão racial, é fácil perceber que vocês acham que os judeus não são portugueses e outras raças, o vlaams belang diz exactamente o contrário»
Meu caro, em que documento identitário português ou estrangeiro percebeste facilmente essa asserção? Não afirmes algo que em nenhum momento ouviste dizer ou pudeste ler. Mais acrescento, não são os identitários que dizem que os judeus não são portugueses, são os próprios judeus que assim se definem. Pergunta à Senhora Esther Muczink para onde pende a lealdade dela, se para com o judaísmo ou para com a pátria portuguesa.

Quanto ao restante, limitar-me-ei a responder que o teu nacionalismo (sublinho teu porque felizmente está cada vez mais confinado à tua pessoa e a mais umas poucas mentes confundidas e saudosistas), é bem evidente que acompanha a inexorável marcha do tempo, isto é, vai-se desvanecendo com ele, na medida em que este é implacável com aqueles que não sabem fazer as devidas leituras da conjuntura que os circundeia. Enfim, como dizia alguém enquanto que tu te situas entre os últimos de ontem, nós preferimos situar-nos entre os primeiros de amanhã!

Comentar por arqueofuturista

Eu continuo sem paciência e sem o minímo sentido de humor, com esta pantera não vale a pena discutir, já se percebeu que é um homem do Minho a Timor por isso fique lá a babar-se com a nostalgia do Império, enquanto nós identitários, construimos o futuro com os nossos camaradas europeus sem medos nem histerias passadistas. O futuro é totalmente nosso sobre isso não me resta actualmente qualquer tipo de dúvida.

Comentar por Rui Paulino

O valor do euro é definido pelo BCE, logo parte da vida económica portuguesa, é definida por instituições estrangeiras, nenhuma politica económica portuguesa, pode ou poderá ser decidida, sem levar em conta aquilo que os estrangeiros ditam. As taxas de juros é a mesma coisa, quem as decide é o BCE e não Portugal, e isso afecta imenso a economia portuguesa, logo não existe soberania do nosso lado e somos obrigados a aceitar o que os estrangeiros ditam, são eles que mandam e nós obdecemos.Podemos precisar de taxas de juros altas e eles fazerem o contrário.

Errado. O Banco de Portugal, a autoridade monetária tradicional em Portugal, continua a regular a situação, mas agora como «filial portuguesa» do Banco Central Europeu. A única diferença é que a quantidade de moeda introduzida na praça portuguesa é decidida pelo Banco de Portugal de forma coordenada com os outros bancos centrais. A adopção de uma moeda comum não só impulsionou o estreitamento dos laços económicos como também resolveu o problema de moedas instáveis que afligiam os anteriores sistemas de taxa de câmbio fixa.

O CDS não é nacionalista, são a favor da federalização da europa(ou será confederação). A favor do euro, da constituição, da integração europeia, da perca de soberania, do multiculturalismo, do fim de uma europa de nações….enfim aquilo que defendes.

Diz-me, então, um texto onde eu tenha mostrado qualquer interesse por uma Constituição Europeia, pela perda de soberania, pelo multiculturalismo ou pelo fim de uma Europa de Nações.

Já agora volto a reafirmar porque fugistes à questão, não existe, nunca existiu e nunca existirá, partidos nacionalistas que defendem o que tu defendes concretamente.

Basta ter presente, para o comprovar, os exemplos citados pelo Miazuria e pelo Arqueofuturista. Quanto ao futuro, a Deus pertence, não é assim? O que eu posso asseverar é que não existem partidos «nacionalistas» de relevância que, como tu, propugnem que os africanos, num dado momento, possam vir a fazer parte da história do país.

Exacto, e dei o exemplo da américa, tal como disse que rejeitava uma federação ou confederação, escolho aquilo que é melhor para Portugal, não quero o meu país a embarcar numa aventura confederada só porque somos europeus. Sou contra esse conceito, porque pode ser mau para Portugal, ao embarcar nesta aventura faremos o que é melhor para a Europa o que não quer dizer que seja melhor para Portugal.Volto a dizer que qualquer tratado deve ter como bem-estar a melhora de portugal e não propriamente da Europa. Eu aceito o exército unico europeu, se isso for bom para Portugal e não propriamente porque é benéfico para a Europa
A união europeia do meu ponto de vista não nos deu grandes beneficios, foste obrigado a aprovar leis que hoje em nada nos benefeciam. Além de a Austrália e nova Zelandia, passam bem sem grandes blocos económicos.o problema é a incompetência…

Rectifico-o novamente: Federação e Confederação exprimem realidades diferentes. O restante teor do teu escrito é destituído de sentido. Propugno uma integração mais forte e eficaz entre os países europeus porque outorga a Portugal (como aos restantes parceiros europeus) um peso, uma voz e uma influência no mundo como não tinha desde a era dos Descobrimentos.
Há quem, como tu, considere que Portugal ao ingressar na então CEE, em 1985, perdeu uma parte importante da sua soberania. Discordo desse ponto de vista. O que importa é adoptar a noção de soberania ao “ambiente” no qual o mesmo se enquadra e actua. É que a concepção de soberania como poder único e superior a todos os outros no interior de cada Estado, em simultâneo com a sua plena autonomia política no conjunto dos Estados, é inadequada nos dias que correm. Atente-se, por exemplo, no plano interno, em realidades como a regionalização, a descentralização administrativa ou a transferência de poderes do Estado para entidades da sociedade civil ou, no plano externo, os poderes exercidos pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

pois é, mas ignaro quer dizer estúpido e não saber ler não é propriamente um elogio, mas como já lhe disse estás bem onde está, e daí nunca sairás(até rima).

A lealdade e a integridade, caríssimo, vêem-se em coisas mais importantes do que os blogues. Como por exemplo, uma conduta decente com os outros compagnons de route. É que, não obstante as nossas divergências, e contrariamente a ti, nunca apelidei pessoas honestas de “estúpido” ou de “merdas”, nunca fiz insinuações ordinárias sobre a motivação de camaradas ou hostilizei associações nacionalistas completamente a despropósito, como é teu caso com a CI. Merecias mais que a simples injúria. Merecias a exposição da tua manifesta personalidade de verme à vista de todos.

Comentar por Rafael

E só mais a seguinte observação: Empreguei o termo “ignaro” no sentido de “ignorante”, não de “estúpido”.

Comentar por Rafael

Uma vez mais falhas grosseiramente nas afirmações aqui expressas. Tanto o VB como a Lega Nord têm ampla votação e são forças políticas incontonáveis seja na Bélgica, seja na Itália(…)
Não falei do VB, porque sei que tem de facto uma grande votação, falei dos outros dois partidos que de facto não conheço

Meu caro, em que documento identitário português ou estrangeiro percebeste facilmente essa asserção? Não afirmes algo que em nenhum momento ouviste dizer ou pudeste ler. Mais acrescento, não são os identitários que dizem que os judeus não são portugueses, são os próprios judeus que assim se definem. Pergunta à Senhora Esther Muczink para onde pende a lealdade dela, se para com o judaísmo ou para com a pátria portuguesa.

Tu foges completamente à questão, se existem judeus que não querem ser portugueses é lá com eles, o que eu afirmei e volto a afirmar é que de facto o VB considera quer judeus quer pessoas da outras etnias cidadãos nacionais, a CI não.Consideras, ou a CI, que um negro ou um judeu pode ser Português por exemplo ? O VB nada tem contra isso…Certo ou errado ?

O identitarismo é a única corrente ideológica que reconhece o inalienável direito destas nações sem estado a constituirem-se enquanto tal de forma livre. Inversamente, o nacionalismo que propugnas é centralista, negadopr das especificidades etno-culturais e regionais dos povos, ou seja é um nacionalismo de tintes jacobinos, parido da revolução francesa de 1789.
especificidades etno-culturais ? Diz-me só uma coisa, o VB também é assim ? É que pelas declarações deles não parece…

Eu continuo sem paciência e sem o minímo sentido de humor, com esta pantera não vale a pena discutir, já se percebeu que é um homem do Minho a Timor por isso fique lá a babar-se com a nostalgia do Império, enquanto nós identitários, construimos o futuro com os nossos camaradas europeus sem medos nem histerias passadistas. O futuro é totalmente nosso sobre isso não me resta actualmente qualquer tipo de dúvida.
Mas qual futuro ? O pnr ? Afinal ainda tens sentido de humor. Além disso não sou minho a timor

Curioso e infeliz esta tua afirmação. Curiosa porque demonstra não conheceres devidamente o que é o nosso identitarismo e por extensão o identitarismo do Vlaams Belang
Claro que sei, eles consideram pessoas de diferentes Etnias nacionais(não europeus)…,além de dizerem que os valores dos judeus são valores europeus.
Dewinter’s anger takes a surprising turn. “We should stand with the Jewish community, and we should do everything possible to protect them,” he says. “Jewish values are European values!”
Diz caro arqueo, o que isto tem a ver com a CI ?

Errado. O Banco de Portugal, a autoridade monetária tradicional em Portugal, continua a regular a situação, mas agora como «filial portuguesa» do Banco Central Europeu(…).
Não não é errado , não leste o que eu escrevi só pode, o que escrevi está certo.o valor do cambio é dirigido pelo BCE e as emissões do euro também, tal como as taxas de juros

Diz-me, então, um texto onde eu tenha mostrado qualquer interesse por uma Constituição Europeia, pela perda de soberania, pelo multiculturalismo ou pelo fim de uma Europa de Nações.
O que é que isto tem a ver com o CSD que disseste que era nacionalista ?

O que eu posso asseverar é que não existem partidos «nacionalistas» de relevância que, como tu, propugnem que os africanos, num dado momento, possam vir a fazer parte da história do país.

Tu não asseguras nada, não me faças rir. Falas do Le Pen, da extrema direita suiça que governa sozinha ou da extrema direita dinarmaquesa que governa coligada ? Nenhum partido tem qualquer hipotese se dizer que os africanos não podem ser nacionais,Nenhum..não tem um único exemplo na europa de sucesso.

Rectifico-o novamente: Federação e Confederação exprimem realidades diferentes. O restante teor do teu escrito é destituído de sentido. (…)
Palha palha a mais palha, que eu já ouvi mil e umas vezes..nao percebo porque te repetes

A lealdade e a integridade, caríssimo, vêem-se em coisas mais importantes do que os blogues. Como por exemplo, uma conduta decente com os outros compagnons de route. É que, não obstante as nossas divergências, e contrariamente a ti, nunca apelidei pessoas honestas de “estúpido” ou de “merdas”, nunca fiz insinuações ordinárias sobre a motivação de camaradas ou hostilizei associações nacionalistas completamente a despropósito, como é teu caso com a CI. Merecias mais que a simples injúria. Merecias a exposição da tua manifesta personalidade de verme à vista de todos.

Já me começo é a passar contigo . Lá estás tu a ofender de novo.Tu chamaste estúpido sim senhor, visto que ignaro é sinónimo de estúpido, foste tu pela primeira vez, além de teres dito que eu não sabia ler.Volto a relembrar a primeira ofensa

Posso assegurar uma de duas situações: Ou é ignaro ou não sabe ler. Foste tu que escreveste…..O dono do blog que faça qualquer coisa…

nunca fiz insinuações ordinárias sobre a motivação de camaradas
Mas que motivações, que queres explicar ?

hostilizei associações nacionalistas completamente a despropósito, como é teu caso com a CI.
Não são nacionalistas são identitários, além do mais apenas estou a dar a minha opinião, tal como o arqueo, dá a sua opinião sobre o salazarismo que também é hostilização

Comentar por Pantera

nunca fiz insinuações ordinárias sobre a motivação de camaradas

Ó bandalho merdoso, agora já não falas de privacidade, tu é que não sabes interpretar seu monte de merda o que escrevi, não falas do que não sabes, olha que a Vera é uma pessoa do qual eu respeito imenso seu monte de merda, e jamais insinuei você o que você dela seu bandalho. E já agora cara de cú, leres mais de outras pessoas que não são mandados para ti não é violares a privacidade ??Agora já não ladras, seu merdosos……
E volto a lembrar que não insunuei você o que você dele até porque já estava a espera o mail você parar a vocês.

Desculpa lá ó arqueofuturista mas isto tinha de ser dito, além do mais o rapaz passa o tempo todo a ofender-me e nada dizes, além dessas acusações parvas que ele faz.

Comentar por Pantera

A conversa terminou. Aquila non capit muscas.

Comentar por Rafael

1º O Rafael não tem nada a ver com violações de privacidade.
2º Ou és bipolar ou sofres de alzheimer.
3º Se és nacionalista, fala português.

Comentar por Vera

Lamento informar, mas a partir deste momento este postal tem a caixa de comentários encerrada. As razões são mais do que óbvias.

Comentar por arqueofuturista

Nenhum partido tem qualquer hipotese se dizer que os africanos não podem ser nacionais,

Por acaso até há – o BNP, por exemplo, afirma categoricamente que a Inglaterra é uma nação branca.

Aliás, até Pinto-Coelho já o disse, embora menos directamente.

Quanto ao VB, convém observar que no texto citado pelo Pantera não há qualquer afirmação de que os Judeus possam ser iguais aos Flamengos – quer-se uma aliança com os Judeus, pois quer, óptimo; quer-se que as pessoas percebam que os valores dos Judeus actuais são valores europeus, sem dúvida, e é verdade, em grande parte; mas não se afirma em parte alguma que os Judeus são tão flamengos como qualquer outro flamengo.

Comentar por Caturo

Esse filho da puta do pantera vai é levar no focinho não tarda nada. Desaparece ouviste? Desaparece e não te pronuncies mais sobre o trabalho dos outros. Vai lá para junto do zé gato e da sua “alternativa portugal”.

Comentar por extensível

Infelizmente, por lapso (autorizei comentários em massa) publiquei este último comentário, pois havia anunciado que não permitiria a reincidência nos insultos. Porém, desde já garanto que não permitirei qualquer comentário semelhante seja de quem for.

Comentar por arqueofuturista

Por acaso até há – o BNP, por exemplo, afirma categoricamente que a Inglaterra é uma nação branca.
Mas os judeus já concorreram pelas listas do BNP..
Caro Tautalos, o BNP não tem praticamente nenhuma expressão eleitoral…não é bom exemplo

Porém, desde já garanto que não permitirei qualquer comentário semelhante seja de quem for.
Só mais este.

Quanto ao VB, convém observar que no texto citado pelo Pantera não há qualquer afirmação de que os Judeus possam ser iguais aos Flamengos –
E será necessária ? porque razão afirmas isso ? É pena que não consigo traduzir quase nada do site do VB, em holandês

Comentar por Pantera

Pantera, nada impede seja quem for de escrever e comentar este postal. Não permito é mais insultos e palermices do género.

Comentar por arqueofuturista

Não percebo é porque me estam sempre a insultar e nada fazes, mas enfim…Vou tentar não escrever mais asneiras

Comentar por Pantera

Caro Pantera, tal como autorizei os insultos destas pessoas também permiti os teus. Não deveria ter permitido nenhuns essa é que é verdade, mas enfim, já estão publicados. Espero é que doravante haja mais respeito e elevação para não transformarmos isto no cabaret da coxa.

Comentar por arqueofuturista

Caro Pantera, e com todo o respeito que me mereces, nao confundas cidadania (Juridica) com nacionalidade(heranca etno-cultural).
Sim, um judeu podera ser cidadao Portugues, mas NAO e Portugues, quando muito e um judeu Portugues ou Portugues judeu!
Alias, os Druzos, os Arabes cristao e muculmanos, os Samaritanos, os Karaitas, sao cidadaos do estado de Israel, mas NAO sao judeus e sao uma MINORIA no estado judaico, tal como e definido o estado de Israel! E isso que pretendo que seja aplicado na Europa, o que os judeus fazem em Israel.So isso!
E olha que para muitos ate sou considerado um perigoso sionista infiltrado!!!!

Nao, nao sabes o que e o Vlaams Belang!
Eu estive uma semana com os seus deputados representados no Parlamento Europeu, precisamente na Universidade de Verao do GRECE (Europeista), onde um dos oradores foi o ALAIN DE BENOIST!
O Vlaams Belang e uma organizacao frentista, Europeista e IDENTITARIA!

E e pena nao saberes Flamengo….

Saudacoes Identitarias

Comentar por Miazuria

Ó amigo Miguel, com o devido respeito, você deu-me a sua definição de nacionalidade(e cidadania), do qual não concordo, mas eu não quero saber da sua definição(até porque já a sabia), o que eu quero é que você me diga se o VB pensa assim, percebeu Miguel ?

O Vlaams Belang e uma organizacao frentista, Europeista e IDENTITARIA!
Sim, eu sei que são “identitários”, aquilo que dúvido é que sejam “identitários” da mesma forma que vocês são, e dei o exemplo da questão racial. O caro Miguel consegue me demonstrar o contrário ? É isto que quero saber, é simples

E e pena nao saberes Flamengo….
Pois é pena, a tradução que faço de holandês para Inglês num site da internet até não está mau, mas não funciona em todo o site , infelizmente…logo não consigo ler as ideias deles.

um abraço Miguel

Comentar por Pantera

A Causa Identitaria, felizmente, e uma organizacao pluralista e congrega pessoas de diferentes origens ideologicas, mas que estao unidas no essencial!

Sim, garanto-lhe (te) que pensa assim, apesar do Vlaams Belang, como ja referi, ser uma organizacao frentista, nao nos esquecamos que se chamava Vlaams Blok!

A questao “racial”dava pano para mangas, mas por motivos de forca maior nao irei aqui comentar!

Saudacoes Identitarias

Comentar por Miazuria




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: