Considerações necessárias sobre o nacionalismo basco (euskaldun), 5ª parte
Março 30, 2007, 9:44 am
Filed under: Em foco, Europa

Da  primeira VI Assembleia, realizada no verão de 197O, em Baiona (Bayonne, França) as divergências agudizam-se entre os militaristas, partidários incondicionais da luta armada, e os político-militares, de tendência “obreirista”, apegados ao marxismo mais ortodoxo. Esta última é maioritária, o que provoca  uma reacção do sector militarista, minoritário. A primeira passa a denominar-se ETA Assembleia VI (Iraultza Ala Hil – revolução ou morte) e a segunda, ETA Assembleia V (Askatasuna Ala Hil – liberdade ou morte). No entanto, ainda que representasse a minoria, a ETA V deteve o aparelho logístico e militar da organização. Mais tarde, em 1973, a ETA VI desagrega-se e a maioria dos seus membros acaba por integrar movimentos comunistas de linha dura e ortodoxa: Liga Comunista Revolucionária, Organização Revolucionnária dos Trabalhadores. Os outros regressam naturalmente à ETA V.

Na segunda sessão da VI Assembleia, realizada em 1973,verifica-se mais uma cisão, originada, em parte, pelo atentado cometido contra o primeiro-ministro Carrero Blanco, operação efectuada unilateramente pelos “milis”. O grupo obreirista abandona e funda o Partido Revolucionário dos Trabalhadores Bascos. O resultado de toda esta polémica ideológica, com repercursões na estratégia, foi o surgimento da ETA-Militar e da ETA Político-Militar. A transição para o regime de democracia-liberal, nos Anos 76, 77, 78, vem encontrar duas estruturas da ETA. A político-militar apoia a fundação de um partido político legal com o nome de “Euskal Iraultzarako Alderdia” (Partido para a Revolução Basca) e a outra, a militar, permanece irredutível nas suas posições extremistas e radicais.

 

Durante a VII Assembleia, organizada pela ETA político-militar, decidiu-se pelo abandono da luta armada, optando-se pela integração ou formação de partidos de esquerda (Euskadiko Ezkerra). Os que não esiveram de acordo com a decisão histórica da VII Assembleia retornam à ETA-Militar, que se passou a chamar até hoje como ETA, sem adjectivos. Os anos 80 e 90 caracterizam-se por uma deriva, com atentados e assassinatos, o surgimento dos Grupos Antiterrorista de Libertação (GAL) organizados pelos serviços secretos espanhóis introduziu no combate à ETA o conceito de guerra suja, o que, em última instância, acabou por levar à prisão o ministro socialista José Barrionuevo.

Entretanto organizam-se na sociedade civil Basca, organizações, partidos (Herri Batasuna, Euskal Herritarrok, Batasuna, Sozialista Abertzaleak, sindicatos (Euskal Langileen Alkartasuna-Solidariedade dos Trabalhadores Bascos, ligado ao PNV/EAJ e Langile Abertzaleen Batzordeak com ligações à esquerda “abertzale”, cooperativas, movimentos culturais e etnográficos, Herrikos-tabernas ligadas aos abertzales, etc. Constituem-se quase como uma sociedade paralela no coração do País Basco, no entanto o bárbaro assassinato do conselheiro municipaldo PP, em Ermua, Miguel Angel Blanco, representou um duro golpe mediático e social para as aspirações da nebulosa abertzale.

As sucessivas prisões de muitos dos seus líderes políticos e operacionais (Mikel Antza), os cessares-fogo, seguidos de negociações sem qualquer resultado positivo, o último atentado no aeroporto de Madrid, as crescentes e audíveis opinões de dissonância na esfera dos que tacitamente apoiam a ETA, a situação dos presos bascos, o impasse nas relações com o estado espanhol, a tensão surda entre os sectores da esquerda abertzale e o aparelho poderoso e tentacular do PNB/EAJ, a mudança sociológica do tecido social basco com a chegada de alógenos, situação não tão grave como no resto de Espanha, o surgimento do partido Aralar (nome de uma serra de Navarra), herdeiro dos sectores mais moderados da ETA histórica, tudo isto são elementos que introduzem novéis contingências e circunstâncias que irão inevitavelmente obrigar a face legal, Herri Batasuna, e todo o KAS (Movimento de Libertação Nacional Basco) a rever a estratégia e metodologia de acção se quiserem, porventura, continuar a desempenhar um papel relevante no País Basco. 

A história o dirá!

Continua


22 comentários so far
Deixe um comentário

Asesinato del Almirante don Luis Carrero Blanco……False Flag Operation? ¿Operativo falsa bandera?

Comentar por calle jibraltar español

Nem quero acreditar! Um dos fundadores da Secção Poretuguesa da Amnistia Internacional escreve num blog que apelida esta organização de tenebrosa.
Uma extraordinária cambalhota politica.
Quem te viu e quem te vê!

Comentar por Tenebroso

El reverso tenebroso según Frank G. Rubio

Comentar por calle jibraltar español

Bárbaro asesinato del orensano Miguel Angel Blanco Garrido, a manos del sanguinario asesino Txapote

Comentar por calle jibraltar español

Pobre “tenebroso”, não quer acreditar que pessoas há que conseguiram libertar-se das malhas da mentira e da ignobilidade que representa essa organização intitulada Amnistia Internacional! Pois é imbecil, vai-te habituando a ficares isolado no teu fétido gueto esquerdoide onde a falta de luz (entenda-se inteligência) impera.

Comentar por arqueofuturista

Este jibraltar espanhol começa a ser enervante

“Bárbaro asesinato del orensano Miguel Angel Blanco Garrido, a manos del sanguinario asesino Txapote”
Qual é a novidade do galego Blanco Garrido ter sido morto pelo basco Garcia-Gaztelu? Por acaso não está a cumprir pena?
Não como o Vera, Barrionuevo e aquele tipo da Guardia Civil que resultou ser um dos maiores mafiosos da históra de Espanha.

Comentar por social-patriota

Enervante = Debilitante

Comentar por calle jibraltar español

Bárbaro asesinato del vicealmirante ferrolano Fausto Escrigas, a manos del sanguinario asesino De Juana Chaos………

Comentar por calle jibraltar español

Senhor Calle jibraltar español, agradeço que persista nas provocações escusadas. Já se percebeu que não concorda com esta exposição sobre o nacionalismo abertzale, tal como está bem explícito que o autor do artigo não está a fazer qualquer apologia do mesmo e muito menos dos métodos empregues pela ETA.

Comentar por arqueofuturista

Ainda bem…….!

Comentar por calle jibraltar español

Mas não se iluda, porque também não encontrará qualquer tendência contrária… peo menos da minha parte, pois para políticas jacobinas e centralismo que visam obliterar as identidades nacionais deverá procurar outros espaços da blogosfera.

Comentar por arqueofuturista

¿Jacobinismo en España? ¡Pero si es un País más descentralizado que los USA y que la República Federal Alemana! Jacobinismo existe en Francia y en Portugal. Hasta en la España de Franco se respetaban los fueros de Navarra y el Derecho Foral de Vascongadas, Cataluña, Aragón y Galicia……..¡La Leyenda Negra continúa…………! Si la ETA fuera Gallega, ciertamente la indulgencia con los asesinatos no existiría. ¡Las barbaridades que se dijeron de la betanceira INOCENTE Dolores Vázquez Mosquera (carácter PUSILÁNIME Y MUY GALLEGO………) o de Mario Conde (el BANQUERO GALLEGO…….) ¡Un poco de rigor, por favor……!

Comentar por calle jibraltar español

Os espanhois sabem que se dão a independência ao País Basco que é o fim da Espanha (que na realidade é um país artificial que só existe na cabeça dos políticos e quando há futebol)!

Comentar por The Ambassadors

A Espanha um país mais descentralizado do que os EUA! Está tudo dito pelo sr. jibraltar

E já agora, se falamos em provocações lanço mais uns nomes:
Laza, Zabala, Brouard, Montero, que penas cumpriram os seus assassinos?

Comentar por social-patriota

Para Social- Patriota, el GAL fue creado por el General Franco Bahamonde (desde el Más Allá, se supone……..)

Comentar por jibraltar español

jibraltar, gabon. Passa de mim.

Comentar por social-patriota

Los restos mortales de Miguel Angel Blanco serán trasladados a La Merca (Orense)

Comentar por espa񯬢 tabindex=

El bilbaino Don José Antonio Zarzalejos Nieto, cesado en ABC……

Comentar por nudo gordiano

Gallardón, Aguirre y la indigesta carne de cura

Comentar por espanhol

Según Rosa Díez UPYD, vasca: Zp, gallego en el sentido más peyorativo del término……

Comentar por gallego




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: