Filippo Sassetti, o pai dos estudos indo-europeus
Janeiro 30, 2007, 1:14 pm
Filed under: Raízes

Georges Dumézil é indiscutivelmente a figura cimeira na disciplina de estudos indo-europeus, tendo magistralmente demonstrado, e comprovado, a existência de uma matriz etnocultural comum na maior parte dos povos da Europa. Porém, sabe-se agora que o pai dos estudos sobre os indo-europeus foi um mercador florentino de nome Filippo Sassetti, o qual, aquando de uma viagem à Índia, registou em 1585 as similitudes entre a arcaica língua indiana, o sânscrito, e o italiano, como por exemplo, deva/dio (deus), sarpa/serpe (serpente), sapta/sette (sete), ashta/otto (oito), nave/nove (nove).



A Ordem dos Assassinos
Janeiro 30, 2007, 12:33 pm
Filed under: Em foco

O Islão, essa religião dita “da paz e da tolerância”, tem, no curso da História, deixado bem vincado, particularmente tingido a vermelho de sangue, que é uma concepção do mundo agressivamente totalitária. À semelhança do que acontece em todos as ideologias Universalistas, também no Islamismo pessoas houve e continuam a haver que se consideram portadoras de verdade supremas, perante as quais, todos sem excepção, se devem render, sob o peso de conhecerem a lâmina da espada de Alá. Um dos episódios da sanguinária História do islão que os seus prosélitos procuram recorrentemente mascarar, com o tácito apoio dos seus colaboracionistas europeus, como o Cláudio Torres, sempre tão solícito na evocação dos contributos islâmicos para a cultura europeia, dizia, um desses episódios refere-se à cruenta seita dos assassinos e que aqui apresento em muito resumida alusão. Continuar a ler



Sarkolaboracionista
Janeiro 27, 2007, 7:08 pm
Filed under: Hit Parade dos colaboracionistas

O candidato da direita gaullista para as próximas eleições francesas, Nicolas Sarközy, proferiu estas palavras abaixo transcritas, e bem significativas da sua verdadeira agenda, aquando de um discurso de campanha no dia 14 de Janeiro do presente ano:

 “Eu quero ser Presidente de uma França que tenha compreendido que a construção do amanhã estará na mistura, na abertura, no encontro, e não tenho medo da palavra, na mestiçagem 

Sarközy, entra, assim, directamente e com distinção para o Hit Parade dos Colaboracionistas da destruição étnica europeia.



A colonização da Europa denunciada por Guillaume Faye
Janeiro 27, 2007, 6:44 pm
Filed under: Fala Guillaume Faye

A guerra étnica começou. Por baixo. E ano após ano intensifica-se. Por agora tomou a forma de uma guerrilha urbana: incêndios de automóveis ou de comércios, agressões repetidas a europeus, ataques nos transportes públicos, emboscadas à polícia e aos bombeiros, razias desde os subúrbios aos centros urbanos, etc… Como demonstra um estudo sociológico encomendado para analisar o fenómeno, a delinquência dos jovens afro-magrebinos é também um meio de conquista de territórios e de expulsão dos europeus no interior do Estado francês. Não está motivada apenas por razões de criminalidade económica.

Continuar a ler



Homem completo
Janeiro 24, 2007, 10:53 pm
Filed under: Resistência & Reconquista



O que é o multiculturalismo?
Janeiro 24, 2007, 10:47 pm
Filed under: Em foco

“O multiculturalismo é uma palavra nova, muito pronunciada nos nossos dias pelos fabricantes-de-opinião entre as élites políticas e dos negócios. Não se trata realmente de diversidade cultural, ainda menos de direitos de terra, e muito menos de liberdade individual. Pelo contrário, é uma forma da engenharia social que procura nivelar por baixo e que uniformiza todas as culturas, espezinhando as lealdades regionais e étnicas que não são determinadas pelo mercado ou pelo estado.” 

Dr. Aidan Rankin



Lançar a âncora na vida real
Janeiro 24, 2007, 10:44 pm
Filed under: Em foco

Bem sei que este texto já foi publicado em alguns sítios da blogosfera, tendo sido primeiramente dado a conhecer pela mão do Camisa Negra, logo, não será novidade para muitos. Contudo, a mensagem contida nestas sempre actuais palavras de Maurice Bardèche, proferidas no início dos anos 80 do século transacto merecem ampla difusão e ainda maior reflexão. 

0 revezamento das gerações é inevitável. Conviria que ele fosse não só revezamento dos homens como, também, o do vocabulário e dos pontos de referência. A tradição a que estamos ligados é a da coragem, da lealdade, da fidelidade à palavra dada, da energia, da firmeza de carácter. 0 que estimamos e desejamos manter é, pois, uma certa imagem do homem. 0 que detestamos são as preocupações mercantis, a prioridade dada ao dinheiro pela nossa época, a estéril imagem puramente económica com que se nos apresenta a vida social, o anonimato e o tédio dos grandes formigueiros humanos, as nauseantes e vãs ideologias, as reivindicações mesquinhas e a pressão contínua e repugnante desta luta manhosa da existência colectiva. 0 que nós repudiamos é uma certa imagem da sociedade.   Continuar a ler